Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Visão do Peão

USA 94

Foi há 27 anos

Francisco Chaveiro Reis
17
Jul22

O Mundial 94 acabou há 27 anos no Estádio Rose Bowl, em Pasadena, perto de Los Angeles. Para uma geração como a minha, foi a primeira grande competição que vivemos com intensidade. Foi o Mundial de Romário e Bebeto, goleadores e vencedores, mas também o foi de Roberto Baggio, o maior derrotado daquele verão. Foi um Mundial num país que não dava assim tanta importância ao jogo, mas que organizou o melhor torneio até então. Foi o Mundial da Bulgária e da Suécia. Foi o Mundial dos equipamentos míticos. Foi o Mundial dos 5 golos de Salenko aos Camarões.O Mundial realizou-se entre 17 de junho e 17 de julho, contando com 24 equipas. Em 52 partidas, viram-se 141 golos, numa média de quase 3 por jogo e estiveram nas bancadas, por jogo, em média, mais de 68 mil pessoas. Romário (Brasil) foi o melhor jogador; Salenko (Rússia) e Stoichkov (Bulgária) foram os melhores marcadores com seis golos cada um; Overmars (Holanda) foi o melhor jovem e Preud´homme (Bélgica) foi o melhor guarda-redes, pouco antes de se mudar para o Benfica.

Fase de grupos

O jogo inaugural disputou-se em Chicago, com Klinsmann que teria depois uma ligação como treinador aos EUA a fazer o 1-0 final da Alemanha ante da Bolívia. Mas, vamos por grupos. O A, venceu a Roménia, com o seu mítico equipamento adidas, do mesmo design do usado por Bulgária e Suécia, também em destaque. A equipa de Hagi, Raducioiu, Lupescu, Popescu ou Petrescu levou a melhor sobre a Suíça, EUA e Colômbia. Os suíços, com Chapuisat, Sforza ou Sutter, acabaram por não ser tão recordados como os EUA, que contavam também com dois equipamentos míticos adidas e figuras únicas como Meola, Lalas, Tab Ramos, Cobi Jones ou Wynalda. A Colômbia, mesmo como Higuita, Valderrama, Valência, Rincón ou Asprilla ficou em último e Escobar, defesa que marcou um autogolo, acabou por ser assassinado no regresso a casa, sem que pareça que haja ligação. No B, passaram Brasil e Suécia. O Brasil, que seria o vencedor final, venceu dois jogos e empatou um, justamente com os suecos. A Suécia, de Brolin, Larsson e Dahlin acabou por levar a melhor do que a Rússia, mesmo com os históricos 5 golos num jogo de Salenko e Camarões, que ainda contavam com Milla, de 42 anos.

O grupo C, esse, venceu-o a Alemanha, de Klinsmann (5 golos na prova) e Hassler (5 assistências), superando a Espanha, ainda longe do sucesso que teria mais de dez anos depois, mas sempre com bons jogadores, como Salinas, Luis Enrique, Guardiola ou Zubizarreta. Pelo caminho, sem surpresa de maior, ficaram Coreia do Sul (de Seo Jung-won, que treinou à experiência no Benfica) e a Bolívia de Sanchez, figura histórica do Boavista. No D, outro destaque da prova e outro equipamento mítico: a Nigéria de Yekini (Setúbal), Amokachi, Siasia (passaria pelo Tirsense) ou Amunike (viria para o Sporting) venceu o grupo à frente da Bulgária, grande surpresa do Mundial e que contava com Stoichkov, Balakov, Kostadinov ou Iordanov. Em terceiro, mas garantido a passagem, ficou a Argentina, num Mundial que ficou marcado pelo afastamento de Maradona, num caso de dopping. Maradona liderava um plantel que contava com Caniggia, Balbo, Batistuta ou Redondo. A Grécia, ficou em último com três derrotas e sem golos marcados.

No grupo E estava a Itália que tal como Argentina ou EUA apurou-se em terceiro lugar no seu grupo, tendo começado a perder com a República da Irlanda de Cascarino, Keane e Irwin. O México de Hugo Sanchez em final de carreira venceria o grupo e a Noruega ficaria em último. Por fim, o grupo F, onde Países Baixos, Arábia Saudita e Bélgica seguiram em frente, com 6 pontos, deixando Marrocos para trás.

 

Eliminatórias

Nos oitavos, a Alemanha bateu a Bélgica por 3-2 com bis de Voller e outro de Klinsmann contra golos de Grun e Albert e a Espanha aplicou um 3-0 à Suiça com golos de Hierro, Luis Enrique e Txiki Begiristáin, esse mesmo que hoje é diretor desportivo do City. No dia seguinte, Arábia Saudita 1 – Suécia 3 e um surpreendente 3-2 da Roménia à Argentina, com bis de Dumitrescu. A 4 de julho, pouca festa para os EUA, mesmo que uma derrota por apenas 1-0 com o Brasil nem seja mau resultado. No mesmo dia, Jonk e Bergkamp derrotaram a República da Irlanda. Por fim, a 5 de julho, apuraram-se Itália (bis de Baggio contra golo do nigeriano Amunike) e Bulgária, que venceu o México nas grandes penalidades.

 

Nos quartos, já com Bebeto a embalar o bebé que nascera a 7 de julho (Matheus, hoje no Mafra), o Brasil venceu a Holanda por 3-2 com golos de Romário, Bebeto e Branco contra Bergkamp e Winter. O encontro seguinte em mundiais, seria quatro anos depois, nas meias. Golos de Dino e Roberto Baggio afastariam a Espanha, que ainda marcou por Caminero e em New Jersey, a Alemanha caia aos pés da Bulgária, graças a golos de Stoichkov e Letchkov. Os quartos ficariam completos com a eliminação da Roménia, uma das equipas mais interessantes do torneio. Florin Raducioiu bisou contra golos de Brolin e Kennet Anderson e nas grandes penalidades, 4-5 para os suecos.

Novamente em New Jersey, a Bulgária não conseguiu bater a Itália. Roberto Baggio bisou em 5 minutos e a Itália seguiu em frente, de nada valendo o golo da estrela Stoichkov. No outro jogo, Romário fez o único golo da partida, em Pasadena, e a Suécia caiu nas meias. No jogo que decidiu o terceiro lugar, a Bulgária deu de si e acabou goleada pela Suécia, por claros 4-0.

Na grande final, 0-0 em jogo tático e o resto é história. Nas grandes penalidades, marcaram Albertini e Evani, falharam Baresi, Massaro e Roberto Baggio para a Itália, falhou Márcio Santos e marcaram Romário, Branco e Dunga para o Brasil. O Brasil foi tetra e chegaria à final em 1998, vencendo o seu quinto troféu em 2002. A Itália, que este ano nem estará no Mundial, voltou a uma final em 2006, para a vencer.