Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Túlio Maravilha

Heróis de Culto

Francisco Chaveiro Reis
28
Fev23

Visão do Peão (6).png

Não brilhou na Europa, mas Túlio, conhecido como Maravilha, foi um dos melhores goleadores brasileiros dos anos 90. Hoje com 53 anos, Túlio começou a dar nas vistas no Goiás. Marcou 94 vezes entre 1988 e 1992 e venceu quatro campeonatos goianos. Mudou-se para a Suíça onde não se deu mal, marcando 19 vezes pelo Sion, ao lado de Assis, que passou pelo Sporting mas é mais conhecido por ser irmão de Ronaldinho.

Ainda assim não ficou na Europa. Regressou ao Brasil e teve os seus melhores anos, com a camisola do Botafogo. Fez 52 golos em dois jogos e venceu vários trofeus: campeonato brasileiro, torneio Rio-São Paulo, Taça Cidade Maravilhosa, Copa Rio-Brasília, Torneio Internacional Triangular Eduardo Paes, Copa Nippon Ham, Torneio Presidente da Rússia e Troféu Teresa Herrera. Seguiu-se o Corinthians e um campeonato Paulista. Regressaria ao Botafogo em 1998 antes de passagens curtas por vários clubes: Fluminense, Cruzeiro, Vila Nova, São Caetano, novo regresso ao Botafogo, novamente Vila Nova e Santo André.

Regressou à Europa para vencer a Taça da Hungria com o Újpest e logo retornou ao Brasil para marcar por Brasiliense, Atlético Goianense e EC Tupy. Passou pelos bolivianos do Jorge Wilstermann e continuou o seu périplo brasileiro: Anapolina, Volta Redonda, Juventude e Fast Clube. Foi à Arábia Saudita (Al-Shabab) e regressou aos 37 anos, jogando por Canadense, Itauçu, Vila Nova, Itumbiara, Goiânia, Botafogo-DF, Potyguar Seridoense, Umuarama-GO, Mimosense, Bonsucesso, CSE, Tanabi, Vilavelhense, Araxá e Aparecida. Terminou a carreira em 2015, com 45 anos, mas ainda regressaria para jogar por Atlético Carioca, Taboão da Serra e Sport Capibaxa.

Foi chamado a jogar a Copa América de 1995. Túlio marcou 3 golos, incluindo um na final, mas o Brasil perdeu nas grandes penalidades para o Uruguai. Ao todo, marcou 10 vezes em 14 internacionalizações. Estreou-se em outubro de 1990 num empate contra o Chile. À quarta internacionalização, fez o primeiro golo, num 5-0 à Eslováquia, jogando com Bebeto, Juninho Paulista ou Dunga. Em 1995, marcou duas vezes à Polónia (que respondeu pelo sportinguista Juskowiak) na vitória por 2-1. O seu último jogo pelo Escrete teve também um bis, à Colômbia, numa vitória por 3-1, em dezembro de 1995.