Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Lembrando os craques 5 - Krasimir Balakov

08
Mar17

1771840_w2.jpg

O búlgaro Krassimir Guenchev Balakov, hoje com 50 anos, é treinador de futebol, atualmente sem clube após experiências no Litex, Kaiserslautern, Hajduk Split, Chernomoretz, St. Gallen e Grashoppers. 

img_770x433$2016_05_28_01_55_36_1106894.jpg

O médio ofensivo deu nas vistas pelo Etar Tarnovo pelo qual jogou 142 vezes, marcando 35 vezes. O salto para uma liga mais competitiva em 1991 aterrou em Lisboa para jogar pelo Sporting. Encontrou um plantel recheado de grandes jogadores como Fernando Gomes, Carlos Xavier, Litos ou Ivkovic e encontrou Peixe e Figo, então com 18 anos. Em 1994/1995 venceu uma Taça de Portugal ao lado de Iordanov, Juskowiack, Figo, Peixe, Oceano, Dani ou Amunike. De leão ao peito, marcou 43 vezes, incluindo golões como estes. Em 1995 mudou-se para Estugarda.

tumblr_lvebo7ZmeK1r6mwuno1_1280.jpg

Sem espanto, tornou-se na estrela do Estugarda e conquistou rapidamente os adeptos. Fica a ideia de que poderia ter jogado em clubes de maior nomeada e ter ganho mais títulos. Jogou 236 vezes pelo clube alemão, tendo marcado 54 vezes. Ao seu lado, atuaram homens como Élber, Bobic, Kuranyi ou Hleb e ainda os portugueses Fernando Meira e Sérgio Pinto. Ainda fez um jogo pelo Plauen, dois anos após se ter retirado. 

balakov.jpg

Pela seleção (92 jogos e 16 golos), fez parte da fabulosa fornada que foi às meias-finais do Mundial 1994. Jogou com Ivanov, Houbchev, Yankov, Letchkov, Stoichkov ou Kostadinov. 

Lembrando os craques 3 - Van Basten

04
Mar17

2836231_full-lnd.jpg

Marcel "Marco" Van Basten, nascido há 52 anos em Utrecht na Holanda, trabalha hoje em dia para a FIFA. Conhecido como um dos melhores avançados de sempre, Van Basten teve uma carreira modesta como treinador tendo treinado sem grande sucesso, o AZ, Heerenveen e a sua seleção, como treinador principal. 

maxresdefault.jpg

Em 1982 estreou-se pelo Ajax, um dos dois clubes que representou na sua carreira. Jogou seis anos em Amsterdão, tendo marcado uns impressionantes 163 golos. Jogou ao lado de craques como Blind ou Ronald Koeman. Pelo Ajax, venceu três ligas holandesas, três taças e um supertaça europeia. Sem surpresa, mudou-se para Itália, o campeonato mais forte à época. O seu destino foi o Milan.

maxresdefault (1).jpg

Esteve em San Siro de 1987 até 1995. Uma grave lesão fez com que não jogasse nos últimos dois anos da sua carreira, tendo-se retirado aos 30 anos. Fazendo um trio de luxo com os compatriotas Ruud Gullitt e Frank Rijkaard, que já conhecia dos tempos do Ajax, liderou um período de ouro do Milan: três campeonatos italianos, três supertaças de Itália, duas Ligas dos Campeões e duas Supertaças Europeias. Marcou 134 vezes com a camisola rossonera.

190639.jpg

Pela sua seleção, jogou 58 vezes, tendo marcado 33 golos, incluindo este, um dos melhores de sempre do jogo. Valeu o Campeonato da Europa de 1988. 
 

Lembrando os craques 2 - George Weah

03
Mar17

9d188da2f58e3634639d13e9bf7a9ad3.jpg

George Weah é, provavelmente, o meu jogador favorito de todos os tempos e, quando penso num 9 perfeito, penso nele. O Bisonte Liberiano ficou conhecido com a camisola do Milan, tornando-se o mlehor jogador do mundo em 1995, tendo ainda brilhado por clubes como o Mónaco, PSG ou Chelsea. George Tawlon Manneh Oppong Ousman Weah, hoje com 50 anos é político na sua Libéria natal.

69262fe82e653b9b0789ca7198674ead.jpg

Weah começou a dar nas vistas no seu país atuando, com grande sucesso, pelos Mighty Barrolle e Invicible Eleven, antes de passar pelas ligas da Costa do Marfim e Camarões. Em 1988, aterra no Mónaco para jogar por Arsene Wenger. Como colegas de equipa tinha craques como Glenn Hoddle, Rui Barros e os então jovem promissores, Petit e Djorkaeff. No Principado jogou quatro épocas, ganhando uma Taça de França. Com 66 golos em quatro épocas, Weah rumou ao PSG. 

transferir.jpg

No Parc des Princes, ao lado de homens como Ginola, Valdo, Le Guen, Mboma, Raí ou Guerín, marcou 23 golos no ano de estreia. Nos outros dois, marcou 14 e 18. Ganhou uma liga francesa, duas taças e uma taça da liga. 

gettyimages-52914876.jpg

Em 1995 aterrou em San Siro para os seus melhores 4,5 anos da carreira. Foi eleito o melhor do mundo, único africano a par de Eusébio, naturalizado português, o que fará dele o melhor africano de sempre à frente de "monstros" como  Kanu, Okocha, Drogba, Pelé ou Milla. No Milan, ao lado de Savicevic, Boban, Albertini, Costacurta ou Maldini, ganhou apenas duas ligas italianas. O seu talento merecia, pelo menos, uma Champions. Ainda assim, ficou conhecido por arrancadas fabulosas como estas e por este golaço ao Verona.

george-weah-manchester-city_t2crrkwk1nwg14ih5nrd12

Na fase descendente da carreira jogou pelo Chelsea, Manchester City e Marselha, antes de terminar a carreira no Al-Jazira Club. Pelo seu país, jogou 60 vezes, marcando 22 golos. 

Lembrando os craques 1 - Dennis Bergkamp

02
Mar17

Dennis-Bergkamp.jpg

Dennis Nicolaas Maria Bergkamp nasceu em Amsterdão a 10 de mais de 1969 e notabilizou-se como fabuloso goleador, tendo brilhado com maior intensidade no Arsenal, ao lado de outros grandes craques como Wright, Henry, Pires, Overmars, Vieira, Adams ou Ljungberg. Aos 47 anos, é adjunto no Ajax, equipa onde começou a jodgar e a dar  nas vistas. 

dennis-bergkamp-ajax-best-ever-series_jqd69pagu4oo

Bergkamp apareceu no Ajax em 1986, jogando na equipa principal por 237 vezes, marcando 122 golos. Em Amsterdão, notabilizou-se pela conquista da Supertaça Europeia, logo no ano de estreia. Venceria ainda uma liga holandesa, duas taças e uma Taça UEFA . No Ajax, cruzou-se com monstros como Blind, Rijkaard, David, Seedorf, Overmars ou Van der Sar. 

Dennis-Bergkamp-Inter.jpg

Seguiu-se uma mudança milionária para o Inter de Milão onde nunca convenceu apesar de ter feito 37 golos em 79 partidas. Ainda assim, venceu uma Taça UEFA.  Jogou ao lado de craques como Zenga, Pancev, Toto Schillaci, Ruben Sosa ou Bergomi.

dennis-bergkamp-arsenal-leicester_3287263.jpg

Em 1995 chegou ao Arsenal onde conheceu os seus anos de ouro e onde jogou 11 anos, marcando 120 golos em mais de 400 partidas, sob o comando de Ársene Wenger (não foi contratado por ele mas foi ele o seu treinador durante a grande parte da sua estadia em Londres). Ali, ganhou três ligas inglesas, quatro taças e quatro supertaças. Ficou conhecido por golos de outro mundo e por ter medo de andar de avião, indo de formas alternativas para os compromissos mais longe de casa. É considerado o segundo melhor jogador da história dos Gunners. 

cropped_0121737.jpg

Pela sua seleção, jogou 79 vezes e marcou 37 golos, incluindo este, contra a Argentina no Mundial 1998.