Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Lyon a subir

Com a ajuda de reforços de inverno

Francisco Chaveiro Reis
06
Fev24

Cópia de Design sem nome (12).png

A par do Ajax, o Lyon, outrora campeão francês oito anos seguidos, foi a grande desilusão do início de época na Europa. Porém, ao contrário dos holandeses, que subiram até ao quinto posto, mesmo estando a impossíveis 21 pontos do líder PSV, os franceses só há dias passaram a respirar acima da linha de água (1-0 ao Marselha).

 

John Textor não tem tido uns meses fáceis, ele que é dono do Lyon e do Botafogo, que come se sabe perdeu o título brasileiro em cima da meta. Mas o americano pôs mãos à obra e a equipa está a reagir. Fabio Grosso, lateral esquerdo campeão do mundo em 2006, por Itália deixou o banco, onde se senta agora Pierre Sage, vindo das camadas jovens do clube.

 

E o mercado de janeiro trouxe bons presentes. O ataque, onde já morava Lacazette, figura maior do clube, regressado na época passada após 5 anos no Arsenal, recebeu Gift Orban, goleador nigeriano, vindo da liga belga onde marcou 32 golos em ano e meio. Said Benrahma, extremo argelino, veio do West Ham para acrescentar velocidade. Os jovens Diego Moreira e Malick Fofana também se juntaram ao grupo. Luiz Henrique, extremo que brilhou no Bétis será reforço, mas apenas depois de uma passagem no Botafogo.

 

O meio-campo passa a contar com o experiente Matic, com passagens por Benfica, Chelsea, United ou Roma e com Mangala, também médio defensivo, que se destacou no Estugarda. Paul Akouokou, vindo do Bétis, também ajuda a trancar o centro do campo. Do Botafogo, vieram o central Adryelson e o guarda-redes Lucas Perri.

 

O Lyon não será campeão e possivelmente, nem irá às competições europeias mas está bem apetrechado para fazer uma bela segunda volta com um 11 tipo assim: Lopes, Lovren, Caleta-Car e Adryelson; Mata, Matic, Tolisso, Caqueret e Tagliafico; Orban e Lacazette.

Lyon em último

Como o Ajax

Francisco Chaveiro Reis
30
Out23

Visão do Peão (3).pngA terrível época do Ajax – já desceu para o último posto – não é caso único na Europa. Em França, também o Lyon, campeão francês sete vezes entre 2001 e 2008, é também lanterna vermelha. A má época levou até a que ontem o autocarro do clube fosse atacado e o treinador, Fabio Grosso tenha sofrido ferimentos. O Lyon, que até conta com nomes como Lacazette, Tolisso, Caqueret, Tagliafico, Caleta-Car, Lovren ou Anthony Lopes ainda não conseguiu vencer um jogo sequer na liga francesa, somando 3 empates e 6 derrotas.

Visão do Peão (4).pngTambém o Basileia, um dos maiores clubes suíços está a fazer uma época para esquecer, estando no último posto do seu campeonato. Campeão por 20 vezes, a última das quais em 2017, o Basileia, que conta com várias participações na Liga dos Campeões, soma apenas uma vitória em onze jogos. 

 

 

O fantástico Lyon de Rudi

Francisco Chaveiro Reis
20
Ago20

img_920x518$2020_08_14_19_50_03_1740329.jpg

Desconheço se o Lyon, num ano norma, teria eliminado Juventus e City mas o facto é que foi a grande surpresa da prova, aos chegar às meias finais da prova. A surpresa é ainda maior se pensarmos que no início da época o Olympique preparava-se com um novo treinador, Sylvinho, que apresentou um projeto que não vingou. E se não falta qualidade no plantel, o sucesso europeu tem um nome central: Rudi Garcia.

O Lyon não teve uma fase de grupos brilhante. 2 vitórias, 2 empates e 2 derrotas ante de Leipzig, Benfica e Zenit. O primeiro jogo foi em casa e Depay fez o 1-1 depois do Zenit se ter adiantando. À segunda tentativa, 0-2 na casa de outra das sensações da prova, o Leipzig. Depay e Terrier foram os goleadores. À terceira jornada, já com Rudi Garcia no banco, o Lyon…perdeu. Depay fez o terceiro golo em três jogos, mas o Benfica venceu. Na volta, 3-1 ao mesmo Benfica, com mais um de Depay. A derrota por 2-0 com o Zenit e o 2-2 com o Leipzig fecharam a primeira fase, com Depay a marcar 5 golos em 6 jogos. O Lyon apurou-se com 8 pontos, mais 1 do que o Benfica e o Zenit.

O resto é história: vitória em casa contra a Juventus, com golo de Tousart e derrota fora, pela margem mínima (e mais um de Depay). Passar pelo multimilionário City parecia ainda mais difícil, mas Dembelé, um dos avançados mais interessantes a jogar atualmente na Europa, haveria de desbloquear a partida com dois golos.

Equipa central do futebol francês (campeã entre 2002 e 2008) até à chegada do novo rico PSG, o Lyon mostrou que a sua fórmula de sempre: uma escola que não para de fornecer talentos + potenciar jogadores desconhecidos + contratar estrelas ocasionais, pode regressar em força. Depois de formar homens como Benzema, Ben Arfa, Govou ou Umtiti, o Lyon continua a ter uma escola de topo. Ainda ontem, apresentou-se com duas novas estrelas: Aouar, médio ofensivo que aos 22 anos, já é o capitão e o médio defensivo Caqueret, de apenas 20 anos. O extremo Cherki, de 17 anos, também entrou ontem e mostrou logo a sua qualidade. A estes, juntam-se homens como Marcelo, Marçal ou Dubois, pouco conhecidos ou pelo menos vindos de equipas ou ligas de outras dimensões. Outros, como Depay ou Dembelé já eram estrelas. Depay chegou depois de má experiência em Inglaterra e Dembelé chegou em busca de brilhar num patamar mais elevado após muitos golos pelo Celtic.

A próxima época do Lyon é, sem duvida, promissora.

O novo Lyon

Francisco Chaveiro Reis
27
Mai19

Juninho-Lyon-Legende.png

Decidido a dar mais luta ao PSG, o Lyon está a restruturar-se e acaba de apresentar dois reforços de peso. Juninho Pernambumcano, autor de 100 golos em 334 jogos pelo Lyon, muitos deles decisivos para os 14 títulos internos conquistados em França, é o novo diretor desportivo. Para o banco, uma grande novidade: Sylvinho. O também brasileiro destacou-se como latereal esquerdo do Arsenal e Barcelona e terá a sua primeira experiência como técnico principal depois de ter sido adjunto no Cruzeiro, Sport, Náutico, Corinthians, Inter de Milão e Brasil, ao serviço do qual, estará na Copa América. Depois de grandes nomes como Caçapa, Cris, Edmilson, Élber, Fred ou Sonny Anderson, não é de admirar que o Lyon se vire para o Brasil, também em busca de novos craques.