Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

O legado de Lewa

Oito anos no Bayern

Francisco Chaveiro Reis
19
Jul22

 

Robert Lewandowski é, oficialmente, jogador do Barcelona. Para trás, fica uma experiência de doze anos na Bundesliga, com destaque para oito no Bayern de Munique. Apesar de saída parecer ter sido mais amarga do que a relação merecia, a história do polaco na Baviera, está bordada a ouro.

Depois de 103 golos (não ficou longe do top 10 de melhores marcadores de sempre BVB) em 183 jogos pelo Borussia Dortmund, clube pelo qual venceu dois campeonatos, uma taça e uma supertaça, mudou-se para o grande rival, Bayern. E em Munique quebrou vários recordes: primeiro jogador que saiu do banco e marcou cinco golos num jogo; póquer mais rápido da história da Liga dos Campeões; primeiro jogador estrangeiro a marcar 30 golos em uma única edição da Bundesliga;  primeiro jogador a marcar em 11 jogos  consecutivos da liga alemã; estrangeiro com mais golos na história da Bundesliga; primeiro jogador a ser o melhor marcado da Liga dos Campeões, campeonato nacional e taça na mesma época e jogador com mais golos numa única edição da Bundesliga, superando o mito, Gerd Muller. Marcou 344 golos em 375 jogos tornando-se no segundo melhor marcador da história do clube. E os seus golos foram essenciais para que o Bayern chegasse a vários títulos nos últimos oito anos: mundial de clubes, liga dos campeões, supertaça europeia, oito campeonatos, três taças e cinco supertaças.

É legítimo que Lewandowski queira experimentar jogar noutra liga e viver noutro país e o Barcelona é sempre apetecível mesmo que troque um clube estável por um clube instável. É legítimo que o Bayern tenha querido manter um jogador que tinha contrato. Mas, Lewandowski fica para a história como um dos melhores jogadores que passaram pela Baviera.

Fim de ciclo

Trio de ouro

Francisco Chaveiro Reis
12
Abr22

Visão de Peão (1).png

Está a chegar ao fim o ciclo de Lewandowski, Muller e Neuer no Bayern de Munique. O polaco, provavelmente o melhor jogador do mundo nos últimos dois anos acaba contrato daqui a um ano e estará a caminho do Barcelona, que vê nele uma alternativa realista a Haaland. Aos 33 anos, o avançado ainda vai a tempo de dar muito aos culés. Lewandowski deu nas vistas no Lech Poznan, tempo depois brilhado no Dortmund. Está no Bayern desde 2014, tendo ajudado a vencer 7 ligas (deve vencer a oitava, este ano); 3 Taças da Alemanha; 5 Supertaças; uma Liga dos Campeões; uma Supertaça da UEFA e um Mundial de Clubes. Mas, o 9 do Bayern tem-se destacado por ser exímio na sua arte: os golos. Para já, são 340. Lewandowski é o segundo melhor marcador de sempre do Bayern, atrás do Bombardeiro, Gerd Muller. Em dezembro, quebrou o recorde de golos de Muller num só ano civil.

Já Thomas Muller, 25 do Bayern, passou a carreira toda em Munique jogando como médio ofensivo, extremo ou avançado e é o segundo jogador da história do clube com mais jogos e o terceiro melhor marcador do Bayern. Em 2008-2009 saltou da equipa B para a A, fazendo 5 jogos e 1 golo numa época em que nada venceu. Nada que não se resolvesse rapidamente. Hoje, Muller conta com 10 Bundesligas; 6 Taças; 7 Supertaças; 2 Ligas dos Campeões; 2 Supertaças da UEFA e 2 Mundiais de Clubes. Ao contrário de Lewandowski, Muller beneficiou ainda de jogar numa seleção de topo e conquistou ainda um Mundial, pouco antes do polaco chegar a Munique. Desconhecem-se interessados em Muller que, aos 32 anos, poderá optar por fazer um último ano no Bayern antes de sair. Terá espaço em qualquer liga, sendo provável que opte pela Premier League por 2 ou 3 anos.

Por fim, Manuel Neuer. Brilhou na baliza do rival Shalke 04 antes de chegar a Munique em 2011, para se assumir como titular indiscutível e herdeiro natural de Oliver Kahn, hoje seu presidente. Venceu 9 Ligas; 5 Taças; 5 Supertaças; 2 Ligas dos Campeões; 2 Supertaças da UEFA e 2 Mundiais de Clubes. Neur tem muita concorrência, mas se não é o melhor guardião da história do clube é um dos melhores do clube, do futebol alemão e do futebol mundial.

Começa, pois, a conversa da sucessão, algo que o Bayern costuma preparar com antecedência. Para a baliza, está contratado Alexander Nubel, vindo do Shalke 04, que esteve uma época quase sem jogar no Bayern. Vai na segunda época de empréstimo ao Mónaco e deve regressar à Baviera já na próxima época, mesmo que Neuer fique mais um ano. Além disso, está no plantel, o jovem Christian Früchtl.

Para o lugar de Muller, enquanto médio ofensivo móvel, não faltam opções: Sané, Gnabry, Coman ou Musiala. É provável que chegue mais um homem quando sair Muller, mas o seu lugar está bem garantido.

Para o ataque parece não haver para já uma opção, o que espanta. Choupo-Moting é voluntarioso, mas tem a mesma idade de Lewandowski e há jovens interessantes como Grant Mamedova, Gabriel Vidovic, Armindo Sieb, Lucas Copado ou Malik Tillman mas o Bayern irá ao mercado e terá que fazer uma grande operação. Poucos são os homens capazes de substituir Lewandowski e até não será de espantar que cheguem dois homens ao ataque do Bayern, já que o polaco tem sido, praticamente, o único homem do ataque. Haaland deve mudar-se para Inglaterra e vejo poucas opções de qualidade para Munique: Lukaku (Chelsea), Lautaro (Inter) ou Kane (Tottenham). Werner (Chelsea), Richarlison (Everton) ou Haller (Ajax) são outros nomes interessantes. A meu ver, Vlahovic, resgatado pela Juventus à Fiorentina em janeiro, teria sido o nome perfeito. Veremos.

Para a história, fica um trio de luxo, marcado a ouro na história do Bayern.