Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Máquina goleadora

19
Set21

Design sem nome (13) (1).png

Não há desculpa para a humilhação da semana passada mas que o Ajax deste ano promete, promete. O já líder da liga holandesa serviu este sábado um 9-0 ao modesto Cambuur. Haller, marfinense que marcopu quatro vezes em Alvalade, já é o melhor marcado da liga, com cinco golos e o Ajax soma 22 em cinco jogos (quatro vitórias e um empate). Timber, Berghuis, Antony e companhia prometem.

Sporting vs Ajax

Holandeses por cá

14
Set21

Design sem nome (6) (1).png

O Sporting recebe hoje o Ajax para a Liga dos Campeões. É um embate entre duas das melhores escolas de formação do mundo e a representa-las é provável que entrem em campo Inácio, Esgaio, Vinagre, Palhinha, Nunes e Tomás de um lado e Timber, Schuurs, Blind, Klaassen ou Gravenberch, do outro. É uma boa oportunidade para lembrar os holandeses que jogaram por cá e os portugueses que vestiram a camisola do Ajax.

E a presença lusa na ArenA cinge-se a um nome: Dani. O extremo formado no Sporting chegou a Amsterdão em 1996 para quatro boas épocas, as melhores da sua carreira. Ajudou a vencer um campeonato e duas taças e marcou 17 golos em quase 100 jogos (98). Conviveu com Van der Sar, irmãos De Boer, Litmanen, Babangida ou Kluivert. Foi treinado por Van Gaal, Morten Olsen, Jan Wouters e Hans Westerhof.

Em 1987 chegaria a Lisboa Frank Rijkaard mas o génio holandês não chegou a jogar pelo Sporting. Em 1986-1987, Peter Houtman, avançado vindo do FC Groningen, viria para Alvalade para 36 jogos e 8 golos. Nada mau. Em 1992-1993 chegaria a classe defensiva de Stan Valckx, contemporâneo de Figo, Peixe ou Balakov. Faria 90 jogos e marcaria 6 golos. Em 2011-2012, regressaram os holandeses ao Sporting. Para liderar o meio-campo, Stijn Schaars e para ser goleador, Ricky Van Wolfswinkel. Tiveram ambos sucesso. Schaars fez 66 jogos em duas épocas, marcou 6 golos e fez 7 assistências. Já o avançado, fez 45 golos em 88 jogos. No ano seguinte, chegou Labyad, de origem marroquina e hoje internacional por Marrocos. Prodifio no PSV, teve pouco sucesso por cá, acabando por renascer no Utrecht e chegar ao Ajax, onde está na quarta temporada, mesmo jogando pouco.

Em janeiro de 2016, chegou Marvin Zeegelaar, das escolas do Ajax, mas então a atuar no Rio Ave. Fez 39 jogos e marcou 1 golo, não deixando grandes saudades. No verão de 2016 chegou a Alvalade, Bas Dost, a meu ver, o melhor holandês a jogar pelo Sporting. Mesmo com as sequelas físicas e psicológicas do ataque a Alcochete (de que foi a figura simbólica), fez 127 jogos e sobretudo marcou 93 golos, oferecendo, ainda, 14. Deixa saudades até hoje, sobretudo numa altura em que não há um 9 no plantel e ele é suplente do Club Brugge. Consigo chegou Luc Castaignos, o pior holandês a jogar pelo Sporting e um dos piores avançados que vestiram de verde e branco. Castaignos, antigo miúdo maravilha do Feyennord e com passagem pelo Inter, participou em 17 jogos e não marcou nem um golo. No ano passado, Mees De Wit ainda treinou com a equipa A, mas nunca se estreou. Esqueci-me de alguém?

O regresso de Van Gaal

09
Set21

Design sem nome (2) (7).png

Parecia que o último trabalho da carreira de Louis Van Gaal seria no Manchester United onde até venceu uma FA Cup mas o seu trabalho foi, essencialmente, no sentido de renovar o plantel. Mas, aos 70 anos, Aloysius Paulus Maria van Gaal está de volta ao ativo à seleção holandesa que orientara entre 2012 e 2014 e entre 2001 e 2002. Para já, começou bem. O 6-1 à Turquia foi uma ode ao futebol bonito, com Memphis, Klaassen ou Bergwijn a darem cartas. Van Gaal soma três jogos e duas vitórias (empate na estreia contra a Noruega que divide a liderança do Grupo G com a Holanda e vitória por 4-0 ao Montenegro).

Van Gaal tornou-se uma estrela mundial ao serviço do Ajax. Depois de funções como adjunto, tomou conta da equipa a partir de 1991, passando lá seis anos plenos de sucesso. A nível interno, três campeonatos (1994, 1995 e 1996), uma taça (1993) e três supertaças (1993, 1994 e 1995). Mas foi na Europa que mais se destacou: na primeira época no Ajax venceu a Taça UEFA, a duas mãos, beneficiando do 2-2 fora, em casa do Torino (Scifo, Casagrande ou Lentini). Van Gaal orientava nomes como Menzo, Bergkamp, Winter, Jonk, Blind ou Frank de Doer. Em 1995, chegaria o fabuloso título de campeão europeu, com um mítico 1-0 ao Milan, com golo do adolescente suplente, Justin Kluivert. A equipa de sonho tinha ainda Van der Sar, Reiziger, Bogarde, Davids, Finidi, Overmars, Seedord, Ronald de Boer ou Litmanen. Essa mesma equipa venceria a Taça Intercontinental, ao Grémio.

Em 1997, Van Gaal chegaria a Camp Nou para ser campeão espanhol (e vencedor da supertaça espanhola e da Taça do Rei) logo à primeira, com os portugueses Baía, Couto e Figo; os brasileiros Sonny, Giovani e Rivaldo; os espanhóis Ferrer, Sergi, Nadal, Guardiola ou De La Pena e, claro, os holandeses Hesp, Bogarde e Reiziger. No ano seguinte, já com Kluivert, Zenden, Cocu e Frank e Ronald De Boer, seria bicampeão. No último ano, já com Litmanen, Simão e Xavi a despontar, não teve sucesso e acabaria por regressar à Holanda (estreia na seleção sem sucesso, falhando a presença no Mundial 2002. Regressaria em 2002-2003 (Overmars, Saviola, Riquelme, Mendieta ou Luis Enrique) mas teria ainda menos sucesso do que na última época.

De 2005 a 2009, reagruparia no AZ, com altos e baixos, mas sairia campeão e voltaria ao topo do futebol, ao comando do Bayern Munique onde venceria um campeonato, taça e supertaças. Seguiu-se o United e uma reforma...interrompida. 

Campeões da Europa

Ajax é bicampeão

03
Mai21

Propaganda de Moda Capa para Facebook.png

O Ajax é bicampeão dos Países Baixos. Os comandados de Erik tem Hag superaram o PSV e o AZ e voltaram a contar com o avançado móvel sérvio, Dusan Tadic como figura central (14 golos), além dos jovens Timber, Gravenberch, Ekkelenkamp e Antony e dos mais experientes Blind, Tagliafico, Haller ou Klaassen. Este foi o 35.º título do Ajax.

Malen, a nova estrela holandesa

17
Set19

Donyell-Malen-2.png

Aos 20 anos, Donyell Malen, já internacional A holandês, marcou cinco golos num só jogo pelo PSV e reforçou a sua candidatura a herdeiro de Van Basten, Kluivert ou Van Nistelrooy. Malen, que até passou pelas escolas do Ajax e do Arsenal antes de se mudar para Eindhoven, estreou-se pela equipa principal em 2017-2018, fazendo quatro golos. Pela equipa A, só marcaria na época seguinte e logo por onze vezes, mesmo tendo a forte concorrência de Luuk de Jong. Esta época, herdou a camisola número 9 e a titularidade, já que de Jong se mudou para Sevilha e em 11 jogos, leva 9 golos.  Malen já se estreou na seleção A, fazendo um golo em dois jogos. Parece estar encontrado o próximo rapaz maravilha holandês depois de nos últimos anos o ataque da uma vez “Laranja Mecânica” ter estado entregue a Dost ou Weghorst.