Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Campeões na Europa

FCP, Portugal

Francisco Chaveiro Reis
07
Mai22

Visão de Peão (2).png

Um ponto em seis possíveis, era o que bastava para que o FCP fosse campeão português. Ao cair do pano, Zaidu fez o 0-1 e os portistas saíram da Luz com três pontos e o trigésimo título. A uma jornada do fim, o FCP soma 88 pontos, com 28 vitórias, 4 empates e 1 derrota. Taremi, o melhor marcador do Porto é o segundo melhor da liga e em termos de golos, o FCP é o melhor ataque e a melhor defesa.

Ainda não há campeão

Porto perde

Francisco Chaveiro Reis
26
Abr22

Visão de Peão.png

Ainda não há campeão. Numa jornada a que o Porto foi a Braga perder a invencibilidade e o Sporting foi golear ao Bessa, os de Sérgio Conceição não festejaram nem no sofá nem no campo. Ricardo Horta, provavelmente o melhor jogador deste campeonato, voltou a marcar e derrotou o provável campeão. Já o Sporting, sem Paulinho e Slimani, venceu 0-3 no Bessa, com golos de Nunes, autogolo de Abascal e penalty de Tabata.

Porto vence

Mais um penalty duvidoso

Francisco Chaveiro Reis
11
Abr22

Visão de Peão (4).png

Uma grande penalidade duvidosa deu a vitória do Porto, em Guimarães. Seria assinalada uma segunda, da mesma natureza, mas aí, Taremi, não teve o mesmo sucesso. Já com dez (expulsão justa de Estupinán), o Vitória teve várias oportunidades para empatar mas o golo nunca chegou. A cinco  jogos do fim, o Porto corre para o título, beliscado por diversas arbitagens polémicas. 

Que Porto teremos?

Francisco Chaveiro Reis
03
Jul19

1280_1280_max.png

Que FCP teremos daqui a cerca de um mês quando jogar a eliminatória de acesso à Liga dos Campeões? Na baliza, Casillas foi obrigado a retirar-se e Fabiano, acabou contrato. Na defesa, Felipe e Militão mudaram-se para Madrid, rendendo, em conjunto, cerca de 70 milhões de euros e Maxi, acabou contrato. No meio campo, Herrera e Brahimi, titulares, não ficam, nem deixam um tostão no Dragão. Na frente, história igual com Adrián e Hernâni. Outros, como Soares podem ainda render dinheiro.

O plantel será fatalmente muito diferente do deste ano e o clube parece ter perdido o talento para grandes contratações, negociadas em segredo e anunciadas já com tudo certo, tanato que o treinador se prestou a ligar em direto para um programa de televisão, a dizer que queria de facto o jogador Zé Luís (ontem, o Spartak já anunciou a saída do cabo-verdiano). Outros casos caricatos já ocorreram neste defeso. Bruma esteve no Porto apenas para fugir para o PSV e foi anunciado um pré-acordo (???) por Nakajima, sendo que o extremo ainda não foi anunciado. Koubek também esteve quase no clube, mas terá fugido. O internacional argentino Saravia é a única contratação confirmada.

Para a baliza há Vaná e Diogo Costa, grande promessa. Chegará um homem para ser titular, seja Koubek ou outro. Na defesa, Saravia e Manafá devem ser as opções para a direita e Telles, para a esquerda. Deve chegar mais um lateral. No centro, mantém-se Pepe e regressa Osório, bem na Copa America. Mbemba, que nunca convenceu, deve sair e Marcano pode regressar após ano de insucesso na Roma. Os outros dois do plantel podem ser os jovens Diogos, Queirós e Leite. Chidozie, ainda nos quadros também pode ser opção.

No meio-campo, mantêm-se Danilo, Otávio, Oliver, Loum e Bruno Costa. Os jovens Fábio Vieira e Romário Baró até podem ter uma oportunidade, mas para além do regresso de Sérgio Oliveira, chegarão outros reforços. Siliki (Rennes) e Cantillo (Junior Barranquilla) têm sido apontados.

No ataque, Corona mantém-se na ala e, por enquanto, Marega, Aboubakar e Soares, também. André Pereira e Galeno, regressados de empréstimos, tentarão a sorte, mas o FCP está no mercado. Zé Luís (Spartak) e Diaz (Junior Barranquilla) devem ser anunciados em breve.

Largos dias têm cem anos

João Ferreira Dias
03
Jul19

Jorge Nuno Pinto da Costa usou esta frase na sua biografia e no começo da sua longa carreira de sucesso. No entanto, poderemos usar a mesma expressão para marcar o fim da era JNPC? A ascensão do SL Benfica representa, consequentemente, a queda do FCP, fenómeno antecipado e, por consequência, agravado pela mudança estratégica de Jorge Mendes dos ares do norte para o sul. Essa mudança representa o fim do ciclo de vendas do FCP e a ascensão das vendas astronómicas do Benfica. Bem sabemos que o mercado do futebol, nos dias que correm, só parcialmente diz respeito à qualidade dos jogadores. Nesse cenário, encontramos um Benfica projetado no mercado de forma inquestionável e capacitado, em resultado de boa gestão dos seus recursos, dominante do campeonato. O FCP é hoje um clube que contrata jogadores estrangeiros que, alegadamente, permitem volumosos negócios aos elementos da SAD, mas que são duvidosas aquisições desportivas, muitos dos quais jamais vestirão a camisola. A par disso, a aposta na formação é quase nula, muito provavelmente em resultado do clube se encontrar refém dessa estratégia da SAD. Assim, era capaz de apostar um jantar em como o Benfica irá renovar o título esta época. Contratar por vários milhões um avançado mediano como Zé Luís, cujas caraterísticas pouco diferem de Soares, esquecendo de encontrar um avançado mais móvel, o desinteresse pela formação e pelo mercado português, são sintomas deste fim de ciclo azul-e-branco que Jorge Mendes antecipou. Largos dias têm cem anos.