Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Campeões na Europa

FCP, Portugal

Francisco Chaveiro Reis
07
Mai22

Visão de Peão (2).png

Um ponto em seis possíveis, era o que bastava para que o FCP fosse campeão português. Ao cair do pano, Zaidu fez o 0-1 e os portistas saíram da Luz com três pontos e o trigésimo título. A uma jornada do fim, o FCP soma 88 pontos, com 28 vitórias, 4 empates e 1 derrota. Taremi, o melhor marcador do Porto é o segundo melhor da liga e em termos de golos, o FCP é o melhor ataque e a melhor defesa.

Ainda não há campeão

Porto perde

Francisco Chaveiro Reis
26
Abr22

Visão de Peão.png

Ainda não há campeão. Numa jornada a que o Porto foi a Braga perder a invencibilidade e o Sporting foi golear ao Bessa, os de Sérgio Conceição não festejaram nem no sofá nem no campo. Ricardo Horta, provavelmente o melhor jogador deste campeonato, voltou a marcar e derrotou o provável campeão. Já o Sporting, sem Paulinho e Slimani, venceu 0-3 no Bessa, com golos de Nunes, autogolo de Abascal e penalty de Tabata.

Porto vence

Mais um penalty duvidoso

Francisco Chaveiro Reis
11
Abr22

Visão de Peão (4).png

Uma grande penalidade duvidosa deu a vitória do Porto, em Guimarães. Seria assinalada uma segunda, da mesma natureza, mas aí, Taremi, não teve o mesmo sucesso. Já com dez (expulsão justa de Estupinán), o Vitória teve várias oportunidades para empatar mas o golo nunca chegou. A cinco  jogos do fim, o Porto corre para o título, beliscado por diversas arbitagens polémicas. 

Que Porto teremos?

Francisco Chaveiro Reis
03
Jul19

1280_1280_max.png

Que FCP teremos daqui a cerca de um mês quando jogar a eliminatória de acesso à Liga dos Campeões? Na baliza, Casillas foi obrigado a retirar-se e Fabiano, acabou contrato. Na defesa, Felipe e Militão mudaram-se para Madrid, rendendo, em conjunto, cerca de 70 milhões de euros e Maxi, acabou contrato. No meio campo, Herrera e Brahimi, titulares, não ficam, nem deixam um tostão no Dragão. Na frente, história igual com Adrián e Hernâni. Outros, como Soares podem ainda render dinheiro.

O plantel será fatalmente muito diferente do deste ano e o clube parece ter perdido o talento para grandes contratações, negociadas em segredo e anunciadas já com tudo certo, tanato que o treinador se prestou a ligar em direto para um programa de televisão, a dizer que queria de facto o jogador Zé Luís (ontem, o Spartak já anunciou a saída do cabo-verdiano). Outros casos caricatos já ocorreram neste defeso. Bruma esteve no Porto apenas para fugir para o PSV e foi anunciado um pré-acordo (???) por Nakajima, sendo que o extremo ainda não foi anunciado. Koubek também esteve quase no clube, mas terá fugido. O internacional argentino Saravia é a única contratação confirmada.

Para a baliza há Vaná e Diogo Costa, grande promessa. Chegará um homem para ser titular, seja Koubek ou outro. Na defesa, Saravia e Manafá devem ser as opções para a direita e Telles, para a esquerda. Deve chegar mais um lateral. No centro, mantém-se Pepe e regressa Osório, bem na Copa America. Mbemba, que nunca convenceu, deve sair e Marcano pode regressar após ano de insucesso na Roma. Os outros dois do plantel podem ser os jovens Diogos, Queirós e Leite. Chidozie, ainda nos quadros também pode ser opção.

No meio-campo, mantêm-se Danilo, Otávio, Oliver, Loum e Bruno Costa. Os jovens Fábio Vieira e Romário Baró até podem ter uma oportunidade, mas para além do regresso de Sérgio Oliveira, chegarão outros reforços. Siliki (Rennes) e Cantillo (Junior Barranquilla) têm sido apontados.

No ataque, Corona mantém-se na ala e, por enquanto, Marega, Aboubakar e Soares, também. André Pereira e Galeno, regressados de empréstimos, tentarão a sorte, mas o FCP está no mercado. Zé Luís (Spartak) e Diaz (Junior Barranquilla) devem ser anunciados em breve.

Largos dias têm cem anos

JFD
03
Jul19

Jorge Nuno Pinto da Costa usou esta frase na sua biografia e no começo da sua longa carreira de sucesso. No entanto, poderemos usar a mesma expressão para marcar o fim da era JNPC? A ascensão do SL Benfica representa, consequentemente, a queda do FCP, fenómeno antecipado e, por consequência, agravado pela mudança estratégica de Jorge Mendes dos ares do norte para o sul. Essa mudança representa o fim do ciclo de vendas do FCP e a ascensão das vendas astronómicas do Benfica. Bem sabemos que o mercado do futebol, nos dias que correm, só parcialmente diz respeito à qualidade dos jogadores. Nesse cenário, encontramos um Benfica projetado no mercado de forma inquestionável e capacitado, em resultado de boa gestão dos seus recursos, dominante do campeonato. O FCP é hoje um clube que contrata jogadores estrangeiros que, alegadamente, permitem volumosos negócios aos elementos da SAD, mas que são duvidosas aquisições desportivas, muitos dos quais jamais vestirão a camisola. A par disso, a aposta na formação é quase nula, muito provavelmente em resultado do clube se encontrar refém dessa estratégia da SAD. Assim, era capaz de apostar um jantar em como o Benfica irá renovar o título esta época. Contratar por vários milhões um avançado mediano como Zé Luís, cujas caraterísticas pouco diferem de Soares, esquecendo de encontrar um avançado mais móvel, o desinteresse pela formação e pelo mercado português, são sintomas deste fim de ciclo azul-e-branco que Jorge Mendes antecipou. Largos dias têm cem anos. 

33 anos de Viena

Francisco Chaveiro Reis
27
Mai19

5c8d165d48d60gbeTelmOwEkT0lHC.png

A noite mágica em que o calcanhar de Madjer ajudou a derrotar o Bayern de Munique e deu a Taça dos Campeões Europeus ao FC Porto foi há trinta  e três anos. A 27 de maio de 1986, o FCP, orientado pelo Rei Artur Jorge, entrou em campo com Mlynarczyk, João Pinto, Eduardo Luís, Celso e Augusto Inácio; Quim, Jaime Magalhães, António André, Madjer, Futre e Sousa. O Bayern, cheio de si nos dias anteriores, começou melhor, marcando por Kogl mas Madjer, aos 77´, empatou e dois minutos depois, Juary, vindo do banco, deu asas ao sonho. O FC Porto conseguia a sua primeira conquista europeia ante do poderoso Bayern de Pfaff, Brehme, Matthäus, Hoeness ou Rummenigge. Depois do Benfica em 1961 e 1962, o FCP conquista a principal competição de clubes.

A segunda Liga dos Campeões do FCP foi conquistada a 25 de maio de 2004, tendo-se celebrado no sábado, os 15 anos da conquista. No ano anterior, Mourinho tinha levado o FCP a vencer a Taça UEFA. Em 2003-2004, uma caminhada fabulosa, levou o FCP a vencer o Mónaco por 3-0, em Gelsenkirchen. Carlos Alberto, Deco e Alenitchev foram os heróis do dia. Mourinho, em vésperas de ser o Special One, alinhou com Baía, Ferreira, Costa, Carvalho e Valente; Costinha, Deco e Maniche; Carlos Alberto, Pedro Mendes e Derlei. Pedro Emanuel, McCarthy e Dmitri Alenichev foram também chamados a jogo.

Morreu Esquerdinha, aos 46 anos

Francisco Chaveiro Reis
05
Nov18

esq.jpg

O antigo lateral-esquerdo do FCP, Esquerdinha, morreu no fim da semana passada, aos 46 anos, vítima de um enfarte, durante um jogo de amadores. José Marcelo Januário de Araújo chegou ao Porto em 1999 (a tempo de ser Pentacampeão) e lá passou duas épocas e meia, com a camisola 30, fazendo 9 golos e vencendo duas Supertaças, duas Taças e o tal campeonato nacional. Antes fizera carreira no Brasil (Vitória, Fluminense, Bahia, Corinthians Alagoano ou Paraguaçuense). Aos 30 anos ainda experimentou a liga espanhola, onde vestiu a camisola do Zaragoza. Antes de regressar ao Brasil ainda representou a Académica. Deixou de jogar em 2007, no Goiás. 

 

.

Real na Champions não conhece a crise. Porto goleado em casa.

Francisco Chaveiro Reis
15
Fev18

Champions-League-Round-of-16-First-Leg-FC-Porto-vs

Continuaram ontem a jogar-se os oitavos da Liga dos Campeões. Em Madrid, o Real voltou a mostrar que na Liga dos Campeões, as crises ficam de fora. 3-1 ao novo-rico PSG onde Neymar, em casting, não se conseguiu destacar. O herói foi mesmo o melhor do mundo ao marcar dois. Rabiot ainda adiantou o Paris mas para além de Ronaldo, Marcelo construiu um resultado difícil de virar. Humilhante o jogo do Dragão, com o FCP a sofrer 5 golos sem resposta. O poderio ofensivo do Liverpool não se alterou com a saída de Coutinho e Mané (3), Salah e Firmino aproveitaram-se de uma defesa fraca, com José Sá a ficar mal na fotografia. 

Esquema de Arbitragem

JFD
14
Jun17

O FC Porto implica o Benfica num eventual esquema de influência na arbitragem em Portugal. Ainda que seja verdade, não apenas o FCP não tem qualquer moralidade para o fazer, como o timming parece revelar, acima de tudo, uma tentativa desesperada de desviar a atenção dos adeptos para os fracassos dos últimos quatro anos.