Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Ronaldo quebra recorde

Em exibição pobre da seleção

02
Set21

Design sem nome (24).png

 

Portugal fez mais uma exibição pobre diante de um adversário banal, mas, tendo Ronaldo, tudo se resolveu. O capitão até falhou um penalty mas bisaria no fim do jogo e bateria o recorde de Ali Daei. O facto é que Portugal é primeiro do seu grupo mesmo que isso não apague tão má figura.

Quanto ao que mais interessou no jogo de ontem, Ronaldo, capitão da seleção e o melhor jogador nacional de sempre (e um dos melhores da história do jogo) chegou aos 111 golos por Portugal. Sem o fim da carreira à vista, Ronaldo tem ainda alguns anos para tornar o recorde ainda mais imbatível.

CR 35

05
Fev20

doc2019060926426938jc_32686607e7f0defaultlarge_102

Cristiano Ronaldo faz hoje 35 anos, sem sinais de que vai abrandar a sua genialidade. O melhor jogador português de todos os tempos e um dos maiores da história – a par de Messi, Maradona, Pelé ou Di Stefano – continua, numa idade que é de reforma para muitos, a jogar ao mais alto nível e a bater recordes. Soma tantos títulos individuais que não os consigo enumerar todos. 

Mudou-se muito cedo para Lisboa, deixando para trás a Madeira onde defendeu os Andorinhas e o Nacional. Nas acomodações do velho Alvalade e depois numa pensão na zona do Saldanha, cresceu, longe da família humilde, mas sempre com a determinação que se lhe reconhece. Estreou-se com a camisola 28 do Sporting em 2002/2003, marcando 5 golos em 31 jogos. Era o Sporting com pinta de campeão e um plantel de luxo: Sá Pinto, João Pinto, Ricardo Quaresma ou Mário Jardel. Começou a segunda época, já com Fernando Santos em vez de Lazlo Boloni no banco e no jogo de inauguração do novo estádio, conquistou o United. Pelo Sporting, venceu uma Supertaça.

Chegou a Manchester no verão de 2003 para receber a camisola 7 de Beckham, de saída para o Real. À primeira exibição, conquistou Old Trafford, com fintas e dribles. Aos poucos, com a ajuda de Fergunson e dos companheiros como Giggs ou Ferdinand, tornou-se mais maduro e cada vez mais goleador. Aos longo de seis anos marcou 118 golos em 292 jogos e venceu quase tudo: um Campeonato do Mundo de Clubes da FIFA; uma Liga dos Campeões da UEFA; três Premier League; uma Taça de Inglaterra; duas Taças da Liga e uma Supertaça de Inglaterra.

Mas foi em Madrid que a sua carreira subiu de nível. É o melhor marcador da história do melhor e maior clube do mundo, superando monstros sagrados como Raul, Di Stefano, Puskas, Gento ou Butrageno. Benzema, seu companheiro entre 2009 e 2018, está na sexta posição, com 240 golos, menos 210 do que o português. Títulos, foram ainda mais do que em Manchester: três Campeonatos do Mundo de Clubes da FIFA; quatro Liga dos Campeões da UEFA; uma Supertaça da UEFA; dois Campeonatos de Espanha; duas Taças do Rei e duas Supertaças da Espanha. A sua passagem pelo Real, onde se esperava que ficasse até fim da carreira, ficou marcada por algumas polémicas e supostos amuos do craque que não se terá sentido sempre apoiado pela direção.

Em 2018-2019, mudou-se para a Juventus, dona e senhora do futebol italiano. Por um veterano, a Juve pagou 100 milhões de euros e até agora, Cristiano tem explicado por quê. Foi campeão e venceu uma supertaça. Leva 50 golos em 70 jogos. Mas claro, a Juventus procura voltar a vencer a Champions e Ronaldo não enjeita a hipótese de erguer a “Orelhuda” pela sexta vez.

Pela seleção, lágrimas. Aos 17 anos, foi essencial, ao lado de Figo e Rui Costa, na ida de Portugal à final do seu Euro, mesmo tendo o seu pai morrido durante a prova. Na final perdida, lágrimas de tristeza. 12 anos depois, lesionou-se na final do Euro e saiu de campo, apenas para sofrer como todos nós até chorar lágrimas de alegria. É o melhor marcador da história da seleção e um dos melhores de todas as seleções. Leva 99 golos em 164 jogos.

Aos 35 anos, já não é um extremo explosivo, mas continua a ser uma máquina de trabalho e um matador. Letal, Ronaldo procura jogar até aos 40, ao mais alto nível. E ninguém duvida dele.

Messi vence sexta bola

03
Dez19

2019-12-02t210839z_593336728_rc29nd9tpo9e_rtrmadp_

Está desempatado. Leo Messi venceu a sua sexta Bola de Ouro e passou a ter mais uma do que Cristiano Ronaldo que mais uma vez, não vencendo, não esteve presente na gala. Messi fez um discurso onde prometeu continuar a trabalhar para melhorar mas onde abriu a porta para o fim da carreira daqui a um ou dois anos. Ronaldo foi considerado o terceiro melhor do mundo, ficando também atrás de Van Dijk. Os outros portugueses nomeados, Bernardo Silva e João Félix , ficaram nas 8ª e 28ª posições. No futebol feminino, destaque para Megan Rapinoe, melhor do mundo, após capitanear os EUA, campeões mundiais.