Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Guirassy, Rei da Bundesliga

13 golos em 7 jogos

Francisco Chaveiro Reis
11
Out23

Visão do Peão (7).png

Aos 27 anos, Sehrou Guirassy é o melhor marcador da Bundesliga com 13 golos em apenas 7 jornadas. O guineense está à frente das contratações milionários de Bayern de Munique e Bayer Leverkusen, Harry Kane e Victor Boniface, com 8 e 7 golos, respetivamente. O avançado da Guiné Conacri já igualou o número de golos marcados na época passada (14, já que também já marcou na taça). Nascido em França, começou a jogar no USM Montargis, passando pelo J3 Amilly. Terminou a formação no Laval onde se estreou como sénior (7 golos), passando ainda por Lille (1 golos) e Auxerre (8 golos) antes da sua primeira estadia na Alemanha. Em dois anos e meio marcou 9 golos pelo Colónia, regressando a França, sem grande glória. Em dois anos e um jogo, 13 golos pelo Amiens e a oportunidade de jogar pelo Rennes, de maior cartel. Resultou. Fez 25 golos e no ano passado ingressou no Estugarda. Fez os tais 14 golos. Tantos como leva agora, em jogos. Já bateu recordes e promete não parar.

Dortmund à beira da festa

Após novo desaire do Bayern

Francisco Chaveiro Reis
23
Mai23

O Borussia de Dortmund está a um passo de ser campeão alemão, onze anos depois. “Basta-lhe” vencer em casa, na última jornada, ante da sua “parede amarela” para celebrar. O adversário é o Mainz que já não luta por nada e ficará tranquilamente a meio da tabela. E, caso o Bayern não vença em Colónia, o Dortmund até pode perder. O BVB orientado por Edin Terzic beneficiou da escorregadela do Bayern que perdeu 3-1 em Leipzig. Aliás, o Dortmund pode muito bem beneficiar de uma péssima época dos de Munique, cuja mudança de treinador pouco melhorou a equipa. Parece certo que o Bayern não vencerá o 11.º título consecutivo. Infelizmente isto parece ser mais culpa do Bayern do que mérito das outras equipas, já que o Bayern nem se “deu ao trabalho” de render Lewandowski, seu goleador nos últimos anos, que saiu para o Barcelona.

Já o Dortmund, campeão em 2012, foi vice-campeão em 2022, 2020, 2019, 2016, 2014 e 2013 e está em busca de conquistar a Bundesliga pela nona vez depois da festa de 2012, 2011, 2002, 1996, 1995, 1963, 1957 e 1956. Dos campeões de 2012, só Hummels que saiu para o Bayern e regressou entretanto, sobrevive. Reus, há dez anos no clube só chegou na época seguinte. 

Adivinha-se festa na Vestfália.

Épocas marcantes

BVB de 1995-1996

Francisco Chaveiro Reis
23
Ago22

 

O Borussia de Dortmund dos anos 90 é conhecido por três coisas: os seus equipamentos míticos, da Nike; os seus craques de culto, como Sammer, Heinrich ou Chapuisat e claro, pelo sucesso desportivo: Taça Intercontinental e Liga dos Campeões (1997); Bundesliga (1995 e 1996) e da Supertaça da Alemanha (1995 e 1996). Vamo-nos agora focar na época de 1995-1996.

A época começou a 5 de agosto com a conquista da Supertaça, com um 1-0 ante do Borussia M´gladbach. Em Dusseldorf, os comandados de Ottmar Hitzfeld atuaram com Klos, Júlio César, Reuter, Kree e Kohler (Bodo Schmidt); Reinhardt (Kurz), Freund, Sammer e Moller; Berger e Ricken (Tretschok). O brasileiro Júlio César fez o único golo do jogo. Na Taça, o BVB eliminou TSG Pfeddersheim, KFC Uerdingen 05 e Freiburg, mas caiu nos “quartos” ante do Karlsruher. Também na mesma fase, caiu na Liga dos Campeões. Na fase de grupos, ficou em segundo no seu grupo, atrás da Juventus, que seria a grande vencedora. Nos quartos de final, foi eliminado pelo Ajax, num acumulado de 3-0.

A época foi memorável para preparar a fabulosa época seguinte, mas sobretudo pela conquista do campeonato. O BVB superou o Bayern Munique acabando a liga com mais seis pontos do que o gigante bávaro. Mesmo sem ter nenhum dos seus no topo dos melhores marcadores (Zorc marcou 15 vezes), que foram Bobic, Dundee, Elber e Klinsmann, o Dortmund foi uma das melhores defesas, sofrendo tantos golos como o Bayer Leverkusen e mais do que Kaiserslautern (que venceria a Taça mas desceria de divisão), Shalke 04 e Colónia.

O Dortmund somou 68 pontos em 34 jornadas, resultado de 19 vitórias, 11 empates e apenas 4 derrotas. Foi apenas o quinto de um total de Bundesligas conquistadas pela equipa de amarelo que teve como figuras Reuter e Kohler, defesas com experiência na Juventus; Sammer (também passou pelo Calcio), Moller (passou pela Juve, claro) ou Zorc, melhor marcador da equipa na época. 

Shalke sobe

Campeão da Bundesliga 2

Francisco Chaveiro Reis
10
Mai22

Visão de Peão (2).png

Um ano depois, o Shalke 04 é campeão da Bundesliga 2 e está de regresso à primeira divisão. A vitória por 3-2, em casa, ante do St. Pauli, tornou a equipa de Gelsenkirchen inalcançável. Na luta pela subida estão ainda outros dois históricos: Werder Bremen e Hamburgo. Entre si, estes três clubes detêm 17 campeonatos alemães e 7 taças europeias. Mike Büskens, de 54 anos, é o treinador herói, com 7 vitórias em 8 jogos, depois de uma carreira de médio com duas passagens pelo clube. Büskens contou, e muito, com o veterano avançado Simon Terodde, que leva 29 jogos esta época e com outros craques como Rodrigo Zalazar ou Darko Churlinov.

Campeões na Europa

Bayern, Alemanha

Francisco Chaveiro Reis
25
Abr22

Visão de Peão (2).png

Sem surpresa, o Bayern de Munique é campeão alemão, pela décima vez consecutiva. A vitória por 3-1, ante do Borussia de Dortmund, segundo classificado, garantiu o título, a três jornadas do fim. Até agora, o Bayern leva 24 vitórias, 3 empates e 4 derrotas. Marcou 92 golos e sofreu apenas 30, sendo o melhor ataque e a melhor defesa. O fantástico Lewandowski é o melhor marcador, com 33 golos e Muller, o melhor assistente, com 17 ofertas para golo. Este é o 32.º campeonato conquistado pelo Bayern, muitos mais do que os 9 do Nuremberga; 8 do Dortmund; 6 do Shalke 04 e 6 do Hamburgo. 

Lewandowski chega aos 40

Iguala Gerd Muller

Francisco Chaveiro Reis
17
Mai21

Propaganda de Moda Capa para Facebook (11).png

No momento em que marcou o seu 40.º golo na Bundesliga deste ano, Robert Lewandowski levantou a camisola e mostrou uma t-shirt de homenagem ao Bombardeiro, Gerd Muller, homem cujo recorde de golos acabara de igualar. O gesto é ainda mais bonito se pensarmos que Muller está hoje com a saúde bastante fragilizada.

O polaco será o melhor marcador da Europa, feito que ainda tem mais valor se pensarmos que a liga alemã tem menos quatro jogos do que a inglesa, espanhola ou francesa. A uma jornada do fim, o seu rival interno é André Silva, com a fantástica marca de 27 golos pelo Frankfurt, que parecem coisa pouca, quando comparados com os números do avançado do Bayern que, ao todo, leva 47 golos na época. Segue-se a receção ao Augsburgo e ninguém acredita que o avançado não bata o recorde já esta época.

Lewandowski, nascido em Varsóvia há 32 anos, jogou nos juniores do Légia mas seria no Znicz Pruszków que se estrearia como sénior, marcando 37 vezes em duas épocas. Saltou depois para o Lech Poznan onde fez 41 golos em duas épocas e ajudou a equipa a vencer um campeonato, uma taça e uma supertaça. Aterraria na Alemanha em 2010 para quatro épocas de sucesso no Borussia de Dortmund, de Jurgen Klopp.  Na Vestfália, ajudou a equipa a vencer dois campeonatos, uma taça e uma supertaça e ainda jogou a final da Liga dos Campeões. Marcou 103 golos, tornou-se no 10.º melhor marcador de sempre do clube, mas aceitou mudar-se para o Bayern de Munique. Sendo campeão alemão há sete anos e tendo vencido uma Liga dos Campeões, terá feito uma boa escolha.

Lewandowski soma 293 golos pelo Bayern e é o segundo melhor marcador da histório do gigante bávaro, apenas superado por Gerd Muller, que marcou 639 golos entre 1964 e 1979.  Já Muller, nascido há 75 anos, deu nas vistas no TSV 1861 Nördlingen (terra onde nasceu), marcando 51 golos numa época e logo saltou para o Bayern, marcando 41 vezes na estreia. As suas melhores épocas viriam depois: 50 golos em 1971/1972 e 67 em 1972/1973. Passou ainda pela liga norte-americana e venceu um Europeu e um Mundial pela Alemanha Ocidental. Pelo Bayern, venceu um campeonato da segunda divisão, quatro da primeira, três Ligas dos Campeões, uma Taça das Taças e uma Supertaça.

Dost é reforço do Frankfurt

Francisco Chaveiro Reis
26
Ago19

ec5px6cw4aaqrnn_770x433_acf_cropped.jpg

Agora é oficial. Bas Dost já é jogador do Eintracht Frankfurt onde irá ser concorrente de Gonçalo Paciência. O clube alemão paga 7 milhões (a este valor, podem somar-se mais 500 mil euros) e o Sporting garante ainda 15% de uma futura venda. Mesmo sabendo da vontade do jogador e do alto salário que auferia, este é um momento amargo para o Sporting que vê sair um homem com uma média de 31 golos por época por um valor que é quase metade do que o holandês custou. Aguarda-se o nome do seu substituto, urgentemente.

Hamburgo pode descer pela primeira vez na sua história

Francisco Chaveiro Reis
07
Mai18

1525537700816.jpg

O Hamburgo (HSV) é a única equipa que disputou todas as edições da Bundesliga desde a sua criação, em 1963, tendo vencido a prova por três vezes (mais três vezes na encarnação anterior) desde então. Este ano e depois de ter ficado em 16.º (com direito à disputa de um play-off com o terceiro da segunda divisão) em 2017, 2015 e 2014, só um “pequeno milagre” salvará o clube de cair na Bundesliga 2. A uma jornada do fim, o HSV que venceu a Liga dos Campeões em 1982, leva 19 derrotas em 33 jogos e só a vitória na última jornada (em casa, contra o Borussia M´gladbach) e a derrota do Wolfsburgo (em Colónia) dará a possibilidade de jogar mais um play-off. Mesmo contando com jogadores de qualidade como Papadopoulos, Douglas Santos, Holtby, Hahn, Wood ou Kostic, o Hamburgo voltou a fazer uma época miserável sendo talvez desejável descer e contruir um projeto sólido, do zero. Quem já desceu foi o Colónia, igualmente histórico (3 campeonatos e 4 taças) e recheado de bons jogadores (Clemens, Rudnevs, Pizarro ou Jojic). Uma coisa é certa, se não for o Hamburgo a descer, será o Wolfsburgo de Didavi, Kuba, Origi, Camacho ou Guilavogui, ou mesmo os dois.

Hamburgo volta a salvar-se e atira Wolfsburgo para o play-off

Francisco Chaveiro Reis
22
Mai17

4094C25200000578-0-image-a-126_1495299868748.jpg

Mais um ano, mais um milagre. O Hamburgo, única equipa que jogou todas as edições do principal campeonato alemão, salvou-se da descida na última jornada. Nos últimos dois anos o HSV salvou-se já no play-off (opõe o terceiro da segunda divisão ao antepenultimo da primeira). Desta vez, estava virtualmente despromovido quando marcou aos 88`, manteve-se a salvo e atirou o Wolfsburgo para o play-off de descida. O Hamburgo, detentor de uma Liga dos Campeões e de 6 ligas alemãs entre vários outros títulos, tem vivido tempos de aperto na última década. Pior, este ano, esteve o Wolfsburgo, campeão em 2009 e vencedor da taça alemã em 2015, que, mesmo tendo nas suas fileiras Gomez, Ntep, Kuba, Luiz Gustavo, Guilavogui ou Rodriguez, terá que lutar pela permanencia. Fará dois jogos com o Eintracht Braunschweig.