Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Ano dois depois de Wenger. Cai Unai.

Francisco Chaveiro Reis
29
Nov19

Unai-Emery-Football3651.jpg

Seria de esperar que a missão do homem que substituísse Wenger fosse difícil, mesmo que o francês nada vencesse há alguns anos. Depois de uma série de maus resultados, Unay Emery caiu. O basco, que venceu três Ligas Europa consecutivas pelo Sevilha, completou 78 jogos pelo Arsenal, conquistado apenas 43 vitórias.

Emery chegou na época passada e curiosamente chegou à final da Liga Europa, acabando goleado pelo Chelsea (4-1). Na Premier League, ficou em quinto lugar, não chegando à Liga dos Campeões; na FA Cup não passou nos 16 avos e na EFL, dos quartos.

Este ano, o Arsenal ocupa apenas o 8.º posto do campeonato, com 4 vitórias, 6 empates e 3 derrotas. Na Liga Europa, o Arsenal lidera o seu grupo, à frente de Frankfurt, Liége e Guimarães, mas a derrota de ontem, em casa, com o Eintracht, precipitou a saída do técnico espanhol. Nuno é apontado à sucessão, depois de um excelente trabalho nos Wolves.

Sarri vence na UEFA

Francisco Chaveiro Reis
30
Mai19

man37673.png

Apontado como sucessor de Allegri na Juve, Maurizio Sarri conquistou ontem a Liga Europa, goleando o Arsenal por 4-1, em Baku. Se a ideia é trocar Allegri por um treinador que leva a Juventus a conquistas europeias, Sarri ganhou ontem um ponto importante no CV: uma conquista europeia, pouco interessando que este seja o primeiro titulo da carreira do treinador de 60 anos. Já Allegri, nunca venceu nada fora de Itália, mesmo que, aos 51 anos, some 13 títulos, incluindo 6 campeonatos.

No primeiro jogo da história das competições europeias que começou num dia e acabou no seguinte (o apito foi soprado pela primeira vez às 23h00 locais), o Chelsea foi mais italiano e o seu pragmatismo deu frutos na segunda parte. Na baliza do Arsenal, Cech, blue durante 11 épocas, foi batido por Giroud, arsenalista por cinco épocas e meia, e estava feito o primeiro. Pedro, apos 60´, fez o segundo e tornou-se no primeiro homem a marcar em três finais de grandes provas europeias: Liga Europa, Liga dos Campeões e Supertaça europeia. Hazard, em noite de despedida, bisou, marcando o segundo já depois de Iwobi fazer um golão. Unai Emery, vencedor de três Ligas Europa pelo Sevilha, não conseguiu mais uma taça.

Emery é o sucessor de Wenger

Francisco Chaveiro Reis
23
Mai18

arsenal_manager_arsene_wenger_and_paris_saintgerma

Está desfeito o mistério. Depois de vários treinadores - incluíndo portugueses - terem sido apontados à sucessão de Arsene Wenger, foi hoje anunciado o espanhol Unai Emery como timoneiro dos Gunners. Emery, espanhol de 46 anos, transita do PSG mas é sobretudo conhecido por ter vencido três Ligas Europa pelo Sevilha. Apesar do título francês, a que se juntam duas taças, duas taças da liga e duas supertaças em apenas dois anos, a saída de Unai era inevitável. Com uma equipa de luxo, o espanhol não conseguiu vencer o campeonato no primeiro ano nem ter sucesso na Liga dos Campeões. Na segunda época, já com Mbappé e Neymar voltou a faltar o sucesso internacional. Emery foi um jogado mediano que passou pela Real Sociedad, Toledo, Ferrol, Leganés e Lorca tendo comaçado a treinar justamente no Lorca. Detacou-se no Almería e passou para o Valência. Após uma passagem pelo Spartak de Moscovo regressou a Espanha onde conseguiu a proeza de vencer três Ligas Europa de seguida, entre 2014 e 2016, chamando a atenção do novo gigante PSG. Só o tempo dirá se Unai é o homem certo para o Arsenal. 

Wenger deixa o Arsenal neste verão

Francisco Chaveiro Reis
20
Abr18

Arsenal-manager-Arsene-Wenger-8.jpg

Chegou o momento pelo qual os adeptos do Arsenal tanto esperavam. Arsene Wenger parece ter-se rendido às evidências e abandona, no fim do ano, o banco do Arsenal. Deixa 22 anos de uma história que foi muito bonita entre 1996 e 2005 mas que deixou de o ser com a entrada em campo dos milionários no Chelsea ou City. 

26BAFBE000000578-2998614-Arsene_Wenger_got_off_to_

Wenger, economista de formação, foi um defesa sem grande expressão que passou pelo Estrasburgo, clube da sua terra Natal. Iniciou a sua carreira há 34 anos no banco do Nancy, sem grande sucesso, após conseguir o diploma de treinador. Teve uma oportunidade no Mónaco e foi campeão à primeira tentativa, ficando sete épocas no Principado, vencendo mais uma Taça. Por lá, orientou estrelas como Hateley, Weah, Hoddle, Battiston, Klinsmann ou Scifo. Seguiu-se um período no Japão onde venceu uma Taça do Imperador e uma Supertaça pelos Nagoya Grampus.

Wenger-trophies-729x431.jpg

Em 1996 aterrou no Highbury, para comandar o Arsenal, uma das maiores equipas da recente Premier League. Demorou dois anos a mostrar os frutos do seu trabalho mas quando mostrou, ofereceu aos fãs uma dobradinha: campeonato e taça. Repetiria em 2002 e em 2004, mais uma vez campeão, levou o Arsenal a uma época sem derrotas, algo que apenas o Preston North End alcançara e 115 anos antes. Quebrou ainda o record do Nottingham Forest de 42 jogos de Campeonato sem derrotas e levou o Arsenal à final da Liga dos Campeões, pela primeira vez na sua história. Depois do sicesso e bom futebol, Wenger liderou o Arsenal ao longo de nove anos sem trofeus. A coqnuista da FA Cup em 2014, 2015 e 2017 acalmou os adeptos mas tornou-se muito claro que Wenger já não conseguia competir numa liga com os multimilionários Chelsea e City que se juntaram ao United, principal rival durante anos a fio. E Liverpool e Tottenham estão sempre à espreita.

vieira_wenger.png

Wenger teve um papel fundamental ao descobrir ou dar oportunidades a jovens talentos, em especial, os franceses. Henry, contratado à Juventus após seis meses sem sucesso; Pires, contratado ao Marselha; Vieira, que havia falhado em Milão ou Petit, que Wenger conhecia do Mónaco, tornaram-se dos melhores jogadores da história do Arsenal sendo que o avançado é o seu melhor marcador de sempre. Bergkamp, que já levava um ano em Londres quando Wenger chegou, viveu com o francês os seus melhores anos de sempre. Mas Wenger, mesmo tendo “descoberto” outros mercados, fez do equilíbrio com homens da casa, a sua força. Seaman, Keown, Adams, Dixon, Platt ou Parlour, Wright ou Winterburn foram jogadores centrais nos anos Wenger. Esta lista não ficaria completa sem lembrar Kanu, Overmars, Ljungberg ou Wiltord.

wenger-t.jpg

A vida correu muito bem a Wenger até cerca de 2005. Três fatores foram decisivos para o seu declínio. O primeiro foi o investimento do Chelsea que levaria à chegada triunfante de Mourinho e à mudança de paradigma. A luta passou a ser a 3. Mais tarde, passou a ser a 4, com o City a ser também um novo-rico. O Arsenal passou a ser o quarto clube…ou pior. O segundo fator foi a construção do novo estádio. O Emirates é um estádio impressionante e condizente com a melhor liga do mundo mas foi caríssimo e durante alguns anos, houve muito menos dinheiro para a equipa. Justamente nos anos em que Chelsea e City cresciam. O City “desviou” vários craques do Arsenal como Sagna, Nasri ou Adebayor. O terceiro ponto e o mais criticável será a política de contratações de Wenger. Wenger parece ter ficado preso aos anos 90 quando o orçamento era mais curto e era “obrigado” a descobrir talento a baixo custo, algo que conseguiu, como se sabe. Wenger nunca quis competir com os rivais com as mesmas armas e clube sofreu com isso. É inevitável que o seu sucessor invista mais e traga uma ou duas “trutas” para o clube e acabe a ser visto como gastador mas esse é o novo paradigma da Premier League.

wenger-cropped_1jidhqqhmi26r1093d1403jedo.jpg

Wenger é o treinador com mais anos ao longo da história do Arsenal e apesar de 9 anos negros e de mais 2 ou 3 tremidos, será recordado como uma das grandes figuras da história de um clube a quem deu 17 títulos e para o qual contratou alguns dos melhores jogadores da sua história. Os seus métodos não mudaram apenas o Arsenal mas toda a Premier League mesmo que não se lhe tenha sido feita justiça na última década.

 

Arsenal, Wenger e Mbappé

JFD
02
Jun17

Os casamentos cristãos têm por jura "no melhor e no pior", enfatizando a noção de compromisso. É assim que está assente a relação entre Arsenal e Arséne Wenger. Este que começou por ser um casamento feliz, revolucionando o futebol, foi-se tornando, passo a passo, num desnorte do técnico francês, que foi gastando dinheiro à toa, insistindo em fazer do clube operário londrino um quarteirão francês, com aquisições sem coerência. Uma vez que o casamento não é feliz, e os filhos (adeptos) não estão contentes, cabe à parte prejudicada acabar com a relação. A eventual contratação de Mbappé por 100M€ não é um negócio de excelência, é apenas a continuação de um modelo de aquisição exclusivamente francês, o que me leva a pensar que Wenger que tem uma comissão pessoal. 

Wenger in

Francisco Chaveiro Reis
31
Mai17

arsenal-fan-liverpool-wenger-out-video-593712.jpg

Ainda não foi desta. Apesar do descontentamento da maioria dos adeptos, Arsene Wenger irá continuar ao leme do Arsenal. A época acabou bem para os Gunners, graças à vitória da FA Cup diante do campeão Chelsea.

O francês, chegado em 1996, revolucionou a Premier League, “abriu” o mercado francês e colocou o Arsenal a jogar um futebol de sonho e a vencer títulos. O aparecimento do Chelsea de Abramovich e de Mourinho colocou o Arsenal em segundo plano e a construção do novo estádio obrigou a anos de poupanças nos quais titulares do Arsenal foram saindo. O dinheiro voltou mas Wenger acabou por contratar jogadores de fraca qualidade como Xhaka ou Mustafi que não justificaram os avultados investimentos. As estrelas atuais, Ozil e Alexis, parecem decididas a mudar de ares, no primeiro ano da era Wenger em que o Arsenal não jogará a Champions.

Para o ano, mais do mesmo. Wenger a comprar mal e o Arsenal a enfrentar grandes diculdades. Assim será até à mudança de treinador, suspeito.