Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Ajax vence de novo

Já é 11.º

Francisco Chaveiro Reis
06
Nov23

Visão do Peão (5).pngDias felizes no Ajax. Após o horrível início de época, a chegada de John van't Schip está a mudar a equipa. Depois do 2-0 ao Volendam na quinta-feira, ontem 4-1 ao Heerenveen com dois golos de Akpom, um de Bergwijn e um de Brobbey. O Ajax, último há uma semana, já é 11.º e é previsível que suba, pelo menos, até ao terceiro posto.  John van´t Schip, neerlandês nascido no Canadá foi avançado, jogando grande parte da carreira no Ajax, acabando a carreira após quatro anos em Génova. Como treinador, orientou as equipas jovens do Ajax, foi técnico do Twente, adjunto do Ajax e passou por Austrália e México antes de regressar à Europa para orientar o Zwolle e depois a seleção grega. Este parece ser o maior desafio da carreira e para já, com sucesso.

De mal a pior

Ajax na zona de descida

Francisco Chaveiro Reis
23
Out23

Visão do Peão (1).png

7 jogos

1 vitória, 2 empates e 4 derrotas

11 golos marcados e 16 golos sofridos

17.º lugar na tabela

O Ajax no fim da tabela

Derrocada neerlandesa

Francisco Chaveiro Reis
09
Out23

Visão do Peão (1).pngNormalmente olha-se para a tabela da liga neerlandesa e o Ajax ocupa o primeiro, segundo ou terceiro posto. Com efeito, o clube, além de deter 4 Ligas dos Campeões, tem 75 (!!!!) títulos nacionais entre campeonatos, taças e supertaças. Mas hoje, a verdade é que o Ajax ocupa o 16.º posto da tabela, resultado de apenas uma vitória, dois empates e três derrotas, a última das quais, na última jornada, em casa, com o AZ, por 1-2. Na Liga Europa, 2 jogos e 2 empates. Ou seja, o Ajax não vence desde agosto, altura em que passou os búlgaros do Ludogorets Razgrad na pré-eliminatória europeia e venceu na primeira jornada da liga holandesa. Mesmo em agosto, o Ajax perdeu em casa com o Ludogorets. Setembro foi um descalabro, que incluiu um 0-4, em casa, com o rival Feyenoord.

O que se passa? Marc Overmars, lenda do clube como jogador, era há anos parte da estrutura do Ajax. Um escândalo sexual fez com que deixasse o Ajax (e bem). Mas deixou um buraco no clube, depois de cerca de dez anos de grandes contratações, além das escolas terem gerado vários talentos, bem aproveitados e vendidos, como De Ligt ou Van der Beek. Antony, Davinson Sanchez, David Neres, Edson Alvarez, Lisandro Martinez ou Kudus foram alguns dos grandes negócios com a mão de Overmars. Também Ten Haag foi ideia de Ajax. E resultou em pleno. Até os dois saírem…No ano passado, o Ajax ficou em terceiro, descendo do segundo lugar pela primeira vez em…14 anos.

Esta época arrancou ainda com Kudus, entretanto vendido ao West Ham, tal como Edson. Bassey, Klaassen ou Timber foram outras das saídas, algo que tem sido natural no Ajax, que contratou Sutalo, Mikautadze, o português Carlos Forbs Borges, Akpom ou Borna Sosa. Parece mais ou menos fatal que o Ajax mude de treinador e tendo em conta a falta de qualidade da liga, suba na tabela, mas parece nesta altura estar longe os melhores tempos com Overmars e não ser um sério candidato em casa e na Europa.

Blind deixa Ajax

Rescisão após o Mundial

Francisco Chaveiro Reis
27
Dez22

Visão do Peão (2).png

Blind já não é jogador do Ajax. Ainda terá um jogo de despedida na ArenA mas é livre de encontrar clube onde continuar e possivelmente acabar a carreira. Aos 32 anos, o jogador que pode ser central, lateral ou ala esquerdo e médio defensivo, esteve no Mundial onde fez 5 jogos e 1 golo e levava 19 jogos pelo gigante de Amsterdão. Com a exceção de quatro épocas no Manchester United, Blind passou a carreira no Ajax, estrando-se este divórcio a meio da época. A única explicação lógica parece ser alguma oferta que possa ter em mãos, tendo em vista uma reforma de luxo.

Campeões na Europa

Ajax, Holanda

Francisco Chaveiro Reis
12
Mai22

Visão de Peão (4).png

O Ajax é tricampeão holandês. O gigante europeu conquistou o seu 36.º troféu aumentando a diferença para o PSV, que soma 24 e para o Feyennord, que tem 15. Ontem, o Ajax venceu o Heerenveen por 5-0 e ficou com mais quatro pontos do que o PSV, a uma jornada do fim. Em 33 jogos, o Ajax soma 26 vitórias, 4 empates e 3 derrotas, sendo a equipa mais goleadora (96) e a que melhor defende (17 golos sofridos contra os 41 do PSV). Em termos individuais, destaque para Haller, melhor marcador da liga, com 21 golos (34 no total da época) e para Tadic, melhor assistente com 18. A estes, juntam-se craques como Timber, Gravenberch, Berghuis ou Antony, determinantes para a boa época.

Campeões da Europa

Ajax é bicampeão

Francisco Chaveiro Reis
03
Mai21

Propaganda de Moda Capa para Facebook.png

O Ajax é bicampeão dos Países Baixos. Os comandados de Erik tem Hag superaram o PSV e o AZ e voltaram a contar com o avançado móvel sérvio, Dusan Tadic como figura central (14 golos), além dos jovens Timber, Gravenberch, Ekkelenkamp e Antony e dos mais experientes Blind, Tagliafico, Haller ou Klaassen. Este foi o 35.º título do Ajax.

Dolberg custa 20 milhões ao Nice

Francisco Chaveiro Reis
29
Ago19

cid51648_Kasper Dolberg_440x480_resize.png

Visto como um dos mais promissores avançados da Europa, o dinamarquês Kasper Dolberg, acabou por perder algum folego e espaço no plantel do Ajax e muda-se agora para o Nice. Os franceses desembolsam cerca de 20 milhões de euros, sinal da fé que depositam no ponta-de-lança de 21 anos. Dolberg trocou o Silkeborg pelo Ajax aos 18 anos. Em 2016-2017, marcou 23 golos em 48 jogos, tendo-se ficado pelos 9 e pelos 12 nas épocas seguintes. Está longe de se mudar para um colosso europeu mas é uma aposta fortíssima do sétimo classificado da última época, que quer claramente subir de nível.

Milhões holandeses

Francisco Chaveiro Reis
26
Jun19

ziyech_render__ajax__by_tychorenders_dcj2olw-pre.p

O PSV parece estar prestes a apresentar Bruma (já contaram com outro Bruma, defesa e holandês, há pouco tempo) como reforço, levando a melhor sobre o FCP. Os holandeses (devem perder Lozano) preparam-se para gastar 15 milhões e oferecer um senhor ordenado à adiada promessa portuguesa. Já o Ajax, apresentou Quincy Promes, extremo internacional holandês, não raras vezes titular da seleção e com passagens por Rússia e Espanha. O custo foi semelhante ao de Bruma. Nos dois casos, os valores foram altos e os clubes holandeses seduziram jogadores que atuavam em ligas de maior dimensão. E isso só se faz de uma forma, inventada pelos Fenícios. Quer isto dizer que o futebol holandês, formador de craques, está a mudar? Em parte, sim. As equipas de topo entusiasmam-se com a possibilidade de terem sucesso continental e investem para o ter. O retorno é investido para repetir o sucesso. Mas este investimento não é igual ao fim da aposta em jovens, matriz da filosofia holandesa. Nos últimos anos, o Ajax investiu quase 12 milhões em Dusan Tadic (pela idade, não conta fazer negócio com o sérvio) e valores aproximados em David Neres ou Hakim Ziyech. Estas contratações não impediram o aparecimento dos “bebés” De Ligt, Frenkie De Jong ou Van de Beek. O racional parece correto e invejável: apostar no que se tem e contratar, mesmo que preço alto, o que não se tem.

Lucas roubou a Moural do Ajax

Francisco Chaveiro Reis
09
Mai19

lucas-moura-115481811512hh1refswr.png

Não sei se será a melhor, mas esta é a Champions mais emotiva dos últimos anos. Depois do Milagre de Mercyside, ontem deu-se a afirmação definitiva de Lucas Moura no futebol europeu e a respetiva passagem do Tottenham à final da Liga dos Campeões. O Ajax jogava em Amsterdão com um golo de vantagem e com a moral de ter deixado Real e Juve pelo caminho. E tudo parecia encaminhar-se para uma noite de glória na ArenA. De Ligt deu vantagem logo aos cinco minutos e trinta depois, Ziyech fazia o 2-0. Com 3-0 na eliminatória o que poderia correr mal? O Ajax ia mesmo regressar a uma final da Champions, 24 anos depois de vencer o Milan, em Atenas. Mas o cansaço físico ou talvez uma certa sobranceria traíram o gigante holandês. Sem Kane, Lucas Moura tomou conta das despesas do ataque e bisou em quatro minutos, fazendo o Ajax tremer. Tremeriam ainda os ferros de ambas as balizas. Quando se pensava que o Ajax seguiria em frente, à rasquinha, Lucas apresenta-se para o terceiro ato e completa o hat-trick. De mão na cara e estendidos no terreno, os brilhantes jovens holandeses perceberam a sua sina. Segue em frente o fabuloso Tottenham de Pochettino.

Continua o sonho do Ajax

Francisco Chaveiro Reis
17
Abr19

matthijs-de-ligt-david-neres-klaas-jan-huntelaar-d

A Juventus, a caminho do oitavo campeonato italiano consecutivo, apostava forte nesta época para vencer a Liga dos Campeões, algo que não acontece há 21 anos. Para liderar esse projeto gastou 100 milhões de euros em Ronaldo, que aos 34 anos, tem cinco taças no bolso. O sonho acabou ontem aos pés do improvável (para quem anda distraído), Ajax. Depois de eliminar o Real no Bernabéu, o Ajax eliminou a Juventus, em Turim.

 

De 1971 a 1973, o Ajax venceu três Ligas dos Campeões, mas, para uma equipa que tinha Cruiff, isso não era surpresa. Em 1994-1995, um Ajax como o deste ano, aparentemente discreto e demasiado jovem, chegou à final de Atenas e pé ante pé, bateu o Milan. Kluivert, camisola 15, saído do banco deu a glória ao Ajax, 22 depois. Aos 18 anos, o avançado era a estrela do jogo tal como o foi ontem De Ligt, disputado central, que aos mesmos 19 anos é capitão do gigante holandês.

 

Vamos por fases. Fundado em 1900, o Ajax é um gigante europeu e obviamente, um gigante holandês. Nos Países Baixos, venceu 33 campeonatos, 18 taças e 8 supertaças. Para além das 4 Champions já referidas, venceu duas Taças Intercontinentais; 1 Taça UEFA, 1 Taça das Taças e 3 Supertaças Europeias. Tudo dito em termos de palmarés.

 

Os anos 70 foram lendários para os lados de Amsterdão. Rinus Michels, um dos melhores de sempre nos bancos da bola, orientava uma equipa de génios: Cruyff (melhor holandês de sempre que jogou pelo Ajax de 1964 até 1973), Stuy, Suurbier, Krol ou Neskeens.

 

Em 1994-1995 (haveria de ser bicampeão holandês), o Ajax era orientado por Louis Van Gaal. Contava com Blind e Rijkaard como líderes da equipa mas era sobretudo composto por jovens até aos 25 anos: Van der Sar, Reizeger, Frank e Ronald de Boer, Davids, Seedorf, Overmars, Kanu, Kluivert e Litmanen. Poucos esperavam grande sucesso europeu. No Grupo D, o Ajax superou o…Milan e ficou em primeiro. Casino Salzburg e AEK ficaram por terra. Curiosamente, o Ajax venceu os dois jogos por 2-0. Nos quartos, 3-0 ao Hajduk Split em duas mãos (0-0 na primeira) e 5-2 ao Bayern (0-0 na primeira mão). Com 6 golos, o finlandês Litmanen era a grande figura do Ajax. A 24 de maio de 1995, o Milan era favorito, com uma equipa mais experiente e cheia de estrelas: Baresi, Maldini, Albertini, Boban, Donadoni, Massaro ou Simone. De 1 a 11, o Ajax apostou em Van der Sar, Reizeger, Blind, Rijkaard, Frank de Boer, Seeford, Finidi, Davids, Ronald de Boer, Litmanen e Overmars. O 14, Kanu e o 15, Kluivert seriam chamados a jogo. Aos 85 minutos, Kluivert fez história.

 

O resto dos anos 90 e os anos 2000 pouco trouxeram ao Ajax europeu. Em 2017, Peter Bosz conduziu a equipa que perdeu a final da Liga Europa, contra o United de Mourinho. Pareciam estar lançadas as primeiras pedras para o que aí vinha. Dessa equipa já faziam parte Onana, De Ligt, Veltman, Schone, Ziyech ou Van der Beek, ontem titulares. Com o equilíbrio perfeito entre jovens da casa como Sinkgrave ou Frenkie de Jong; jovens potenciados em Amsterdão como Onana, Mazraoui, Neres ou Dolberg; jogadores experientes como Veltman ou Schone e contratações caras como Tadic e Blind (regresso), o Ajax tem jogado um futebol ambicioso e tão bonito como o dos anos 70 e chegar às meias já é uma vitória de um certo futebol romântico sobre o futebol enriquecido de hoje em dia.