Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Sporting vence em final de filme

Francisco Chaveiro Reis
26
Mai19

2000px-Sporting_Clube_de_Portugal.svg.png

Defesas heroicas, bolas nos ferros, um golo anulado, outro que dá ideia que devia ter sido, golo ao cair da primeira parte, golo no último segundo do prolongamento e penalties. Assim foi a final da Taça de Portugal, na qual o Sporting voltou a vencer o FC Porto, nos penalties, tal como fizera na final da Taça da Liga. O Sporting consegue a sua época mais proveitosa desde 2002, vencendo duas Taças depois de um verão de horror, no qual nem se sabia teria plantel. Voltando ao jogo, numa tarde de muito calor, com convívio salutar entre adeptos das duas cores, começou bem o Sporting mas marcou primeiro o Porto que lá para os 15 minutos, começou a dominar. Fora de jogo, Marega marcou e depois da festa, o VAR anulou o lance. O 0-1 chegaria a partir da cabeça de Soares, depois de jogada de Herrera (dá sensação que usou o braço para dominar). O empate surgiu ao cair do pano. Bruno Fernandes, depois de uma rosca numa jogada anterior, acertou na bola e fez o 33.º golo da época. Regressou bem o Sporting mas tal como na primeira parte, deixou-se ultrapassar e o foi o FCP a ter oportunidades atrás de oportunidades, valendo um super-Renan e um Mathieu de outro mundo. O Sporting aguentou e, vindo do banco, Bas Dost, aproveitou um cruzamento milimetrico de Acuña para fazer os sportinguistas sonhar. Os leões já cheiravam a Taça quando Felipe, de cabeça, fez o 2-2, no último segundo. Apito final. Corta para Bas Dost a atirar à barra. O mesmo faria Pepe. Cinco penalties para cada lado e 4 a 4. No mata-mata, Renan defendeu Fernando Andrade. Luiz Phellype, titular do Paços, da segunda divisão em dezembro, fez de Dost suplente e como sonhara, fez o golo da festa. Chorou. Ele, Varandas e eu. Desta vez, de alegria.