Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

O grande Rosenborg

Francisco Chaveiro Reis
24
Out19

rosenborg.jpg

O Rosenborg joga hoje em Alvalade para a Liga Europa. O clube nórdico, sedeado em Trondheim, foi crónico campeão norueguês nos anos 90 e 2000 e habitual participante na Liga dos Campeões. Hoje, está longe dessa posição de hegemonia e para o bem do Sporting, espera-se uma equipa bem mais fraca do que aquelas que chegaram a defrontar o FC Porto.

O Rosenborg Ballklub foi fundado em 1917, traja com camisolas e meias brancas e calções pretos e joga no Lerkendal Stadion, que leva mais de 21 mil fãs. Sem grande expressão até aos anos 60, o Rosenborg era conhecido essencialmente pelas suas escolas. Em 1960, estreou-se na primeira divisão norueguesa e venceu a Taça da Noruega (repetiria esta glória em 1964, 1971, 1988, 1990, 1992, 1995, 1999, 2003, 2015 e 2018). Só em 1967, depois de mais uma passagem pela segunda divisão, o Rosenborg sentiu o sabor da conquista de um campeonato. Harald Sunde, Nils Arne Eggen e pelo jovem Odd Iversen era as estrelas da companhia. Em 1968, Nils Arne é eleito jogador do ano no país, e Odd Iversen torna-se, por três anos consecutivos, no melhor marcador do campeonato.  Os anos 70 foram irregulares e o Rosenborg só conquistou um campeonato e uma taça. O panorama mudaria logo a meio dos anos 80, com o início de um período de domínio.

O Rosenborg foi campeão em 1985, 1988 e 1990 e venceu a Taça em 1988 e 1990, conseguido duas dobradinhas. Eggen, o mesmo que brilhara como jogador e já fora treinador nos anos 70, regressa ao banco em 1988. Mas o sucesso redundante deu-se entre 1992 e 2004, com treze títulos consecutivos (doze com Eggen).

Entre 1995 e 2002, o Rosenborg jogou todas as edições da Liga dos Campeões. Øyvind Leonhardsen, Mini Jakobsen, Ola By Rise, Steffen Iversen (passou pelo Tottenham); Roar Strand (recordistas de jogos disputados pelo clube); Harald Brattbakk (melhor marcador da história do clube e do futebol norueguês); Jørn Jamtfall, Sigurd Rushfeldt, Bent Skammelsrud ou John Carew  (deste grupo, foi o que melhor carreira teve fora da Noruega) tornaram-se nomes familiares do mundo do futebol.

Hoje, o Rosenborg está no quarto posto da liga norueguesa e é uma equipa sem estrelas ou muitos jogadores reconhecíveis. Bendtner já não mora ali (regressou à Dinamarca e ao Copenhaga após 15 anos de ausência). Soderlund, avançado que passou por França, Itália e Bélgica; Konradsen, médio que passou pelo Rennes e o avançado nigeriano, Samuel Adegbenro, são os destaques.