Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Jesus

07
Jun18

 

 

JorgeJesus22.jpg

Já se sabe, Jorge Jesus vai treinar na Arábia Saudita depois de uma carreira toda feita em Portugal. Ao longo dos anos foram-se de falando de propostas de clubes como o A.C. Milan mas sempre ficou a sensação de que Jesus não tinha vontade de emigrar e que só o faria por um Real Madrid ou Barcelona. Infelizmente isso nunca foi hipótese. Jesus vai para o Al-Ahly receber 7 milhões por ano e vai sobretudo encontrar um projeto que lhe permitirá ter um ano relativamente calmo após o caos dos últimos meses no Sporting. Com apenas um ano de contrato, não me admira que volte a Portugal daqui a um ano para treinar, por exemplo, o FCP ou até que possa regressar ao Sporting, assim mude a direção.

 

Jorge Jesus foi um senhor nos últimos tempos de Sporting. Colocou os interesses do Sporting acima de tudo. Desvinculou-se sem pedir o que poderia ter pedido e resolveu um problema à direção, para não criar mais confusão no clube. Antes, foi com Frederico Varandas, o garante de união e a “cola” de um grupo atacado verbalmente pelo Presidente e fisicamente pela claque. O Sporting fica a dever muito a Jesus na medida em que foi ele que teve a atitude de elevação, liderança e sportinguismo que se esperava da direção.

 

Mas, para trás ficam três anos de grande investimento onde o Sporting só venceu uma Supertaça e uma Taça da Liga. É muito pouco para um treinador tão bem pago e para um plantel que foi gradualmente reforçado. A primeira época de Jesus foi muito boa, com o Sporting a atingir uma pontuação histórica e quase ser campeão. A equipa falhou em momentos-chave mas isso também pode ser visto como a fatura da desabituação de ganhar. Esperava-se que o segundo ano fosse ainda melhor. Não foi. O Sporting falhou a toda a linha no mercado de transferências (Markovic, Elias, Campbell ou André) e ficou em terceiro lugar. Este ano, o mesmo posto no campeonato. O que nunca saberemos é o que teria sido a época sem a constante intrusão de Bruno de Carvalho.