Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Visão do Peão

Fim da Liga. Venha outra

27.07.20, Francisco Chaveiro Reis

image.jpg

Terminou a liga portuguesa, versão 2019-2020. Devido à pandemia, durou quase um ano e viu-se um campeonato antes e depois da pausa. O Benfica de Lage, à beira de se tornar bicampeão, acabou em desgraça e o jovem treinador nem acabou a época. Aproveitou o Porto, mesmo que tenha soluçado também, no campeonato da nova normalidade. Sem nova normalidade, os dois primeiros lugares foram entregues às equipas mais dominadoras das últimas épocas. Sem orçamento nem talento, o Sporting luta (e desta vez, perdeu), com o Braga pelo terceiro lugar).

 

Golos e mais golos

Ninguém chegou sequer aos 20 golos, numa liga que não é das mais fortes. Os avançados, sobretudo, os dos Grandes já não são o que eram. Mas dos três homens que marcaram 18 golos, dois são do Benfica. Pizzi, que começou a época a dar uma de Bruno Fernandes, foi o médio goleador da época. Carlos Vinícius, justificou o investimento, mesmo que cada golo tenha custado cerca de 1 milhão de euros. Taremi, herói iraniano, foi o trunfo do Rio Ave. Nota para Paulinho, avançado português, que marcou 17 vezes. Fábio Abreu, avançado português do Moreirense, completa um top-5 onde não há espaço para um jogador do campeão, nem para um do Sporting. Nas assistências, Pizzi foi dono e senhor. 14 passes para golo.

 

Na CEE

O Braga vai jogar a Liga Europa e Sporting e Rio Ave vão tentar juntar-se, mais tarde. Na luta pela Europa, ganhou o Rio Ave de Carlos Carvalhal, que jogou muito bom futebol e contou com um dos heróis do campeonato. Taremi deixou o Irão onde ganhava muito mais e era adorado por milhões de fãs para se fixar em Vila do Conde. Melhor marcador do campeonato, tem agora a possibilidade de escolher em qual dos Grandes quer jogar. O Sporting tentou-o logo em janeiro, mas agora parece ser o Benfica que está mais perto de o levar. O Rio Ave roubou, à última, o lugar europeu à sensação Famalicão. Vindo da segunda divisão, contratou um antigo adjunto de Marco Silva e uma série de jovens promissores – Gustavo Assunção, Racic, Guga ou Pote. Juntou-lhe Fábio Martins e Tony Martinez e arriscou o pódio. O sexto posto é, ainda assim, sinal claro de grande época. A desilusão foi o Guimarães, mais por mérito da concorrência e o Marítimo, por seu claro demérito.

 

Olá, segunda

Portimão e Vila das Aves vão ver, na próxima época, jogos de segunda. São duas surpresas. Em Portimão, há um investidor e jogadores de grande qualidade individual como Tabata, Jackson, Boa Morte sobrinho, dois Lucas ou um japonês na baliza, Gonda. Não chegou. Já o Aves, vencedor da Taça de Portugal há dois anos e com um plantel de alguma qualidade, que até teve um Zidane até janeiro, prometia mais. Para descer, o Gil Vicente regressado e retalhado parecia candidato maior não só à descida, mas como ao último lugar. Mas, com a ajuda de Ruben Fernandes, Kraev, Ruben Ribeiro, Sandro Lima ou do regressado Hugo Vieira, acabou por ficar num confortável 10.º lugar, à frente de equipas como Marítimo ou Boavista. E a jogar bem.

 

 

O onze

Na baliza, Marchesin, guarda-redes campeão, foi o melhor da liga. Na defesa, três homens, que queremos é ver avançados. Mbemba livrou-se da fama de coxo e fez grande época. Ruben Dias, na época em que Ferro se foi abaixo, continuou a brilhar mesmo que nem sempre e completa-se o trio com Alex Telles, defesa/assistente de luxo e que nem mais um ano deve ficar. No meio ainda cabe Bruno Fernandes, que em meio ano fez mais do que quase todos os outros num ano. Pizzi não podia faltar e o miolo recebe ainda Sérgio Oliveira, jogador refinado e com garra à Porto e ainda Ricardo Horta, pensador e catalisador do Braga. Na frente, os goleadores Carlos Vinícius, Paulinho e Taremi.

Nas revelações, a baliza é de Max, que começou como suplente e acaba a época cobiçado. Na defesa, dois meninos com a maturidade dos craques: Quaresma e Mendes tudo fizeram para combater a depressão leonina. Mais feliz estará David Carmo, central do Braga, a caminho do Milan. O búlgaro Kraev, emprestado ao Gil por um clube dinamarquês de meio da tabela, bem que podia estender a sua estadia por cá. De Famalicão chegam mais dois para as revelações da liga. Racic e Gustavo Assunção foram estrelas da liga. Acaba o meio com um extremo: Jovane. Só Ruben tirou tanto dele. Parece que até ia ser emprestado. No ataque, Fábio Abreu, por marcar 13 golos por uma equipa mais pequena. Nuno Santos, extremo do Rio Ave, já andava na liga, mas só esta época explodiu. E falta um avançado. Chiquinho, que parecia daqueles que nunca sequer jogaria pelo Benfica, foi o mais perto de um João Félix que por ali andou.

 

O pior

O pior do ano foi a pandemia e a longa pausa. O resto, é crónico: maus e barulhentos dirigentes; máxima hipocrisia na análise às arbitragens com virgens ofendidas e lobos maus a trocar de lugar conforme o penalti e claro,  clubes a viver acima das suas possibilidades que hipotecam o seu futuro.