Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Visão do Peão

Continua o sonho do Ajax

17.04.19, Francisco Chaveiro Reis

matthijs-de-ligt-david-neres-klaas-jan-huntelaar-d

A Juventus, a caminho do oitavo campeonato italiano consecutivo, apostava forte nesta época para vencer a Liga dos Campeões, algo que não acontece há 21 anos. Para liderar esse projeto gastou 100 milhões de euros em Ronaldo, que aos 34 anos, tem cinco taças no bolso. O sonho acabou ontem aos pés do improvável (para quem anda distraído), Ajax. Depois de eliminar o Real no Bernabéu, o Ajax eliminou a Juventus, em Turim.

 

De 1971 a 1973, o Ajax venceu três Ligas dos Campeões, mas, para uma equipa que tinha Cruiff, isso não era surpresa. Em 1994-1995, um Ajax como o deste ano, aparentemente discreto e demasiado jovem, chegou à final de Atenas e pé ante pé, bateu o Milan. Kluivert, camisola 15, saído do banco deu a glória ao Ajax, 22 depois. Aos 18 anos, o avançado era a estrela do jogo tal como o foi ontem De Ligt, disputado central, que aos mesmos 19 anos é capitão do gigante holandês.

 

Vamos por fases. Fundado em 1900, o Ajax é um gigante europeu e obviamente, um gigante holandês. Nos Países Baixos, venceu 33 campeonatos, 18 taças e 8 supertaças. Para além das 4 Champions já referidas, venceu duas Taças Intercontinentais; 1 Taça UEFA, 1 Taça das Taças e 3 Supertaças Europeias. Tudo dito em termos de palmarés.

 

Os anos 70 foram lendários para os lados de Amsterdão. Rinus Michels, um dos melhores de sempre nos bancos da bola, orientava uma equipa de génios: Cruyff (melhor holandês de sempre que jogou pelo Ajax de 1964 até 1973), Stuy, Suurbier, Krol ou Neskeens.

 

Em 1994-1995 (haveria de ser bicampeão holandês), o Ajax era orientado por Louis Van Gaal. Contava com Blind e Rijkaard como líderes da equipa mas era sobretudo composto por jovens até aos 25 anos: Van der Sar, Reizeger, Frank e Ronald de Boer, Davids, Seedorf, Overmars, Kanu, Kluivert e Litmanen. Poucos esperavam grande sucesso europeu. No Grupo D, o Ajax superou o…Milan e ficou em primeiro. Casino Salzburg e AEK ficaram por terra. Curiosamente, o Ajax venceu os dois jogos por 2-0. Nos quartos, 3-0 ao Hajduk Split em duas mãos (0-0 na primeira) e 5-2 ao Bayern (0-0 na primeira mão). Com 6 golos, o finlandês Litmanen era a grande figura do Ajax. A 24 de maio de 1995, o Milan era favorito, com uma equipa mais experiente e cheia de estrelas: Baresi, Maldini, Albertini, Boban, Donadoni, Massaro ou Simone. De 1 a 11, o Ajax apostou em Van der Sar, Reizeger, Blind, Rijkaard, Frank de Boer, Seeford, Finidi, Davids, Ronald de Boer, Litmanen e Overmars. O 14, Kanu e o 15, Kluivert seriam chamados a jogo. Aos 85 minutos, Kluivert fez história.

 

O resto dos anos 90 e os anos 2000 pouco trouxeram ao Ajax europeu. Em 2017, Peter Bosz conduziu a equipa que perdeu a final da Liga Europa, contra o United de Mourinho. Pareciam estar lançadas as primeiras pedras para o que aí vinha. Dessa equipa já faziam parte Onana, De Ligt, Veltman, Schone, Ziyech ou Van der Beek, ontem titulares. Com o equilíbrio perfeito entre jovens da casa como Sinkgrave ou Frenkie de Jong; jovens potenciados em Amsterdão como Onana, Mazraoui, Neres ou Dolberg; jogadores experientes como Veltman ou Schone e contratações caras como Tadic e Blind (regresso), o Ajax tem jogado um futebol ambicioso e tão bonito como o dos anos 70 e chegar às meias já é uma vitória de um certo futebol romântico sobre o futebol enriquecido de hoje em dia.