Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

O Milan anda perdido

Francisco Chaveiro Reis
09
Out19

pioli.png

O Milan continua perdido.  Marco Giampaolo chegou no verão após três anos interessantes na Sampdória mas após perder quatro dos setes jogos disputados pelo Milan na Série A, foi demitido. Segue-se Stefano Pioli que, aos 53 anos, apresenta um currículo pobre e a quem poucos auguram grande futuro em San Siro até porque Pioli será adepto do…Inter.

Olhando para a história recente do Milan, um dos grandes problemas estará no banco. Por lá passaram ex-jogadores sem provas dadas como treinadores, como Gattuso, Inzaghi, Seedorf, Montella ou Mihajlovic.  De experiência em experiência, o Milan tem-se afundado no futebol italiano, completamente dominado pela Juventus, com Nápoles e Inter a darem alguma luta. Com efeito, desde janeiro de 2014, já passaram 9 homens pelo banco do Milan.

O Milan não vence a liga italiana desde 2011 e a Champions desde 2007. O último trofeu conquistado foi a Supertaça de Itália, em 2016, nada que encha a barriga a adeptos que olham para o museu do clube e por lá vêm 18 campeonatos italianos, 5 taças, 2 supertaças e vários títulos internacionais, como 7 Ligas dos Campeões, 3 Taças Intercontinentais ou 1 Mundial de clubes.

Carlos Ancelotti (2001 a 2009) e Massimiliano Alegri (2011 a 2014) terão sido os últimos grandes treinadores de um Milan habituado a ter os melhores dos melhores a orienta-lo. É na falta de liderança que está na base do Milan atual. Tal como no banco, a estratégia de chamar ex-jogadores para ocupar cargos de gestão – Maldini, Boban e Leonardo – parece estar longe de resultar.

Os rossoneri terão saudades dos tempos de Sílvio Berlusconi que em 31 anos, guiou o clube em 29 conquistas (5 Ligas dos Campeões), graças ao seu carisma, dinheiro e influência, algo que falta ao Milan desde então.

Esta época, mesmo tendo em campo jogadores de qualidade como Piatek, Leão, Paquetá, Bonaventura ou Suso, dificilmente chegará sequer aos lugares europeus e terá que começar do zero na próxima época. Com novo treinador, aposto e novas contratações.

Que futuro para Silva?

Francisco Chaveiro Reis
22
Ago19

as-acm-2.png

A meu ver, André Silva é um dos avançados mais promissores da Europa. Daí estranhar que um clube em crise continua como o Milan não o “aproveite”. O português tem vindo a ser associado a Mónaco, Valência e Sporting depois de na época passada ter jogado pelo Sevilha. O Milan quererá recuperar parte do investimento de quase 40 milhões de euros. Silva estreou-se pelo seu FCP em 2015-2016, marcando 3 golos em 14 aparições. Nessa mesma época, tinha feito 15 golos pela equipa B. Na época seguinte, assumiu-se como titular e marcou 21 golos. Chamou à atenção de vários clubes europeus, mas acabou por rumar ao Milan. Não explodiu como os italianos desejavam, mas a verdade é que participou em 40 jogos e marcou 10 golos, a maioria na Liga Europa. No ano passado, esteve emprestado ao Sevilha. Começou a bom ritmo, mas acabou a época lesionado e com “apenas” 11 golos. Jogou 40 partidas. Não são números de desprezar. Pior foi a lesão que o afastou da Liga das Nações e as acusações do seu treinador de que a mesma seria fingida. Qual será o destino do avançado, de 23 anos, numa fase essencial da sua evolução?

San Siro vai abaixo

Francisco Chaveiro Reis
24
Jun19

csm_STADIUM-RED_afcd740548.png

O icónico estádio San Siro (Giuseppe Meazza para os interistas) tem os dias contados. O recinto, inaugurado em 1926 e sede de jogos de dois mundiais e de quatro finais de Liga dos Campeões, vai ser demolido. Ali perto, vai nascer um novo e moderno estádio, nova casa dos gigantes de Milão. Dos clubes de topo em Itália, apenas a Juventus, tem um estádio de acordo com as exigências do futebol atual. Sempre defendi que uma das razões para a queda do futebol italiano estava nas suas infraestruturas datadas. Os espetadores, jogadores e todos os intervenientes do jogo, valorizam estádios modernos, muito mais quando estamos a falar de dois clubes – Milan e Inter – referências do futebol mundial.

Mas claro que San Siro deixará saudades. É um dos estádios mais reconhecíveis do mundo e foi nela que jogaram fabulosas equipas do Milan e do Inter, sem contar com adversários de todo o mundo. San Siro, com capacidade para 80 mil pessoas, é propriedade da Camara Municipal de Milão (comprou-o ao Milan, nos anos 30) e nos seus tempos áureos chegou a albergar 120 mil pessoas. No seu relvado, exibiram-se lendas como Cesare e Paolo Maldini, Baresi, Costacurta, Ancelotti, Gullit, Rijkaard, Liedholm, Nordhal, Gren ou Rivera pelo Milan ou Meazza, Zenga, Bergomi, Facchetti, Mazzola, Luis Suarez, Zanetti ou Milito. Outros (como o próprio Meazza, apesar de ter muitos mais jogos pelo Inter), como Ronaldo, Seedorf, Panucci, Pirlo, Baggio ou Vieri vestiram as duas camisolas.

Tal como o Olímpico de Munique ou o “velho” Wembley, o San Siro ficará para sempre na memória dos adeptos de futebol.

 

 

Atalanta e Inter vão à Champions, Milan, não

Francisco Chaveiro Reis
26
Mai19

fabio-quagliarella-11548371341ukesemhzgy.png

A Atalanta terminou uma fantástica época com o terceiro posto e vai jogar a Liga dos Campeões na próxima época. A equipa de Bérgamo acabou hoje a Série com uma vitória por 3-1 contra o Sassuolo. Duvan Zapata termina a época com 23 golos marcados e Papu Gomez é o rei das assistências, com 12. O Inter venceu o Empoli por 2-1 e obteve os mesmos 69 pontos do que a Atalanta, condenando o Empoli a juntar-se a Frosinone e Chievo na descida para a Série B. O Genoa, de Miguel Veloso, "safou-se" às justa. Fora da zona Champions, ficou o Milan, com menos um ponto do que as equipas que hoje se qualificaram. O Milan, de Gattuso, voltou a desiludir os seus fãs e nem perto ficou de restabelecer o domínio interno. A Juventus foi campeã, sem grande dificuldade, como tem vindo a acontecer e o Nápoles o rival mais perigoso e quando se escreve mais perigoso, é preciso notar que o Nápoles ficou a 11 pontos da Juve. Fabio Quagliarella, de 36 anos, foi o melhor marcado da liga, fazendo 26 golos pela Sampdória. Zapata foi o segundo melhor e Piatek, o terceiro, com 22 golos. O polaco foi uma das sensações da prova. Chegou ao Genoa, vindo do Cracovia Krakow e marcou 19 vezes (não só na liga). Chegou ao Milan em janeiro e marcou mais 11. Aos 23 anos, são excelentes números. Para além de Milan, também Roma e Lázio desiludiram, ficando nos sexto e oitavo postos. Pior, a Fiorentina que terminou no 16.º. 2019-2020 contará com a Juventus ainda mais forte (está no mercado) mas espera-se um Nápoles e um Inter bem mais fortes. 

Mercado: Higuaín é o novo 9 do Milan!

Francisco Chaveiro Reis
01
Ago18

higuain-marca-contra-o-milan-1509211024477_615x300

É uma bomba do mercado. Gonzalo Higuaín já é jogador do Milan, gigante adormecido e bastante necessitado de ídolos. Contratado ao rival Nápoles por cerca de 90 milhões, o argentino cumpriu duas boas épocas na Juve mas paga o preço da chegada de Ronaldo. Higuaín poderia ser suplente, tem um salário alto e o Milan deverá pagar cerca de 60 milhões no fim da época. Higuaín, internacional argentino nascido em França, destacou-se no River Plate antes de se mudar para o Real Madrid onde permaneceu entre 2006 e 2013, marcando 121 golos e conquistando 6 títulos internos. Seguiu-se o Nápoles onde foi a estrela maior durante três anos, vencendo uma Taça e uma Supertaça, marcando 91 golos. Seguiram-se duas épocas na Juve, com 55 golos, dois campeonatos e duas taças. No Milan, Higuaín será figura central, podendo ser determinante nos planos do clube de se qualificar, pelo menos, para a Champions.

Milan suspenso das prova europeias por dois anos

Francisco Chaveiro Reis
27
Jun18

O Milan não cumpriu as regras do fair-play financeiro e não jogará as provas da UEFA nos próximos dois anos. Em causa está o gigantesco investimento da época passada (Kalinic, Silva, Hakan, Kessie ou Musacchio) que de pouco serviu. Com a forte concorrência de Juventus, Inter, Nápoles ou Roma internamente, a Liga Europa poderia ser uma boa oportunidade do clube voltar à ribalta. Para já, não será. 

Milan e Juventus na final da Taça de Itália

Francisco Chaveiro Reis
01
Mar18

milan-lazio-coppa-italia-diretta.jpg

O Milan, em recuperação sob o comando de Gattuso e os euros vindos da China jogará a final da Taça de Itália com a Juve, campeã italiana nos últimos seis anos. Depois de 180 minutos sem golos, os segundos 90 em Roma, o Milan foi mais feliz e venceu 5-4 nas grandes penalidades. A Lázio de Simone Inzaghi está a fazer uma bela época mas não conseguiu cumprir este objectivo. Já a Juventus, venceu a Atalanta por 1-0, golo de Pjanic, repetindo o resultado da primeira mão. A 9 de maio joga-se a final. O Milan soma 5 Taças de Itália e a Juve, 12.