Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Caniggia

Heróis de Culto

Francisco Chaveiro Reis
06
Nov22

Design sem nome (2).png

Claudio Caniggia que até passou um ano em Portugal, deu nas vistas sobretudo em Itália e na sua Argentina natal. A sua aventura começou no River Plate, em 1986. Em 1987 já chegou aos 3 golos e no ano seguinte, aos 5. Foi suficiente para ganhar o bilhete para Itália. Começou no Hellas Verona, numa altura em que Maradona era Rei de Nápoles, onde fez 4 golos. Seguiu-se uma estadia de três anos em Bérgamo, onde fez 26 golos pela Atalanta e jogou com Glenn Strömberg que passou pela Luz. Seguiu-se um ano e 8 golos pela Roma, ao lado de Totti, Hassler ou Giannini. Emprestado pela Roma, reforçou o Benfica, para marcar 16 vezes e jogar ao lado de João Pinto e Isaías. Marcou 3 vezes na Liga dos Campeões, onde o Benfica só caiu ante do Milan, finalista. Continuou a vida na Argentina, em quatro anos no Boca Juniors. Foi por lá que deu o celebre beijo na boca ao amigo Maradona. Fez 32 golos em 74 partidas, mas nada venceu mesmo ao lado de D10S. Regressou à Atalanta para mais um golo e passou pela Escócia, defendendo Dundee United e Glasgow Rangers. Treinado por Carlos Alhinho e a jogar com Akwá, terminou a carreira no Catar. Pela Argentina, fez 16 golos em 50 jogos. Venceu a Copa América de 1991 e a Taça das Confederações de 1992. Esteve, ainda, nas Copas América de 1987 e 1989; nos Mundiais de 1990, 1994 e 2002.

Cobi

Heróis de Culto

Francisco Chaveiro Reis
04
Nov22

Design sem nome (3).png

Com um penteado à Henrik Larson e o número 13 nas costas, Cobi Jones era uma das estrelas do futebol dos EUA por altura do Mundial de 1994. Cobi começou no futebol universitário, como é hábito nos EUA, jogando pela UCLA Bruins, tendo depois rumado à Europa para três épocas na equipa B do Colónia. Passaria de seguida pela Premier League, defendendo o Coventry City em 22 jogos, marcando 2 golos ao lado de Dublin, Babb ou do compatriota Wegerlee. A sua carreira internacional terminou com 1 golo em 4 jogos pelo Vasco da Gama. De 1996 até fim da carreira, em 2007, jogou pelos LA Galax, fazendo 70 golos em 306 jogos. Venceu duas MLS. Pelos EUA, jogou entre 1992 e 2004, fazendo 15 golos em 164 jogos. Esteve nos Mundiais de 1994, 1998 e 2002; nos Jogos Olímpicos de 1992; nas Copa América de 1993 e 1995; nas Gold Cup de 1993, 1996, 1998, 2000 e 2002 e nas Taças das Confederações de 1992 e 1999.

Rafa pode regressar?

Portas abertas?

Francisco Chaveiro Reis
04
Nov22

Design sem nome (1).png

Tanto quanto sei, Rafa renunciou à seleção de livre vontade. Claro que terá a suas razões, estando provavelmente pouco satisfeita com a pouca utilização, mas, ainda assim autoexcluiu-se. Depois disso, Fernando Santos entregou uma lista de 55 pré-convocados. As boas exibições do extremo parecem ter criado um movimento que pede o seu regresso, com um pontapé de saída de  Futre e com Fernando Santos disposto a abrir a porta.

Piqué retira-se

Aos 35 anos

Francisco Chaveiro Reis
04
Nov22

Design sem nome.png

Piqué anunciou o fim de uma carreira brilhante. Já este fim-de-semana fará o seu último jogo oficial no Camp Nou, onde passou quase toda a carreira. Gerard Piqué nasceu em Barcelona há 35 anos, tendo começado a jogar pelo Barça nos sub-13. No fim da sua formação, aceitou jogar pelo Manchester United, sendo em Inglaterra que se estreou com sénior, totalizando 8 jogos e privando com Ronaldo, Van Nistelrooy, Rooney e defesas de classe mundial que o terão inspirado como Ferdinand, Gary Neville ou Vidic. Aos 20 anos, foi emprestado ao Saragoça dos irmãos Milito e fez depois mais uma época em Manchester, já com Nani e Tevez, estando no plantel que venceu a Premier League, Supertaça, Liga dos Campeões e Taça Intercontinental.

Aos 22 anos, passou a usar a camisola 3 do Barcelona. Até hoje. Guardiola chamou-o para fazer parte de uma das melhores equipas de sempre do Barça, se não, a melhor. Ao lado de Messi, Eto´o, Xavi, Iniesta ou Puyol, ganhou tudo logo na estreia: campeonato, taça, Liga dos Campeões e Mundial de Clubes. Ao todo, fez 606 jogos pelo clube do coração, tendo feito 52 golos e ajudado a vencer 8 ligas, 7 taças, 6 supertaças, 3 Ligas dos Campeões, 3 supertaças europeias e 3 Mundiais de Clubes. Piqué é o quinto jogador da história do Barcelona com mais jogos.

Pela seleção, foi campeão do Mundo e da Europa, fazendo 5 golos em 102 partidas.

Al Jaber

Heróis de Culto

Francisco Chaveiro Reis
03
Nov22

Design sem nome (4).png

Saudita, hoje com 49 anos, Sami Al-Jaber marcou em três mundiais, além de ter sido sempre goleador na liga local, ao serviço do Al Hilal. Entre 1988 e 2008, fez 143 golos em mais de 300 jogos pelo Al Hilal, não vencendo títulos. Destacou-se, sobretudo pela seleção da Arábia Saudita, com 44 golos em 163 jogos, tendo estado em quatro mundiais: 1994, 1998, 2002 e 2006, além de ter jogado as Taças das Confederações de 1992, 1995 e 1997 e as Taças Asiáticas de 1996 (venceu, com Nelo Vingada no banco) e 2000. Em 1994, fez o 1-0 ante de Marrocos. A Arábia Saudita chegaria aos oitavos. Quatro anos depois, em França, faria mais um golo, num 2 a 2 contra a África de Sul. Tal como em 1994, o seu golo foi de grande penalidade. Em 2002, ficou em branco e em 2006, marcaria mais um golo, desta vez de bola corrida, num 2-2 contra a Tunísia.

Abel é campeão

Palmeiras vence Brasileirão

Francisco Chaveiro Reis
03
Nov22

Design sem nome.png

Abel Ferreira é o treinador vencedor do Brasileirão. O português é campeão numa altura em que ainda faltam três jogos para o fim do campeonato mas a vantagem é de 13 pontos para o segundo classificado, o Internacional. O 4-0 de ontem ao Fortaleza, carimbou o título. Abel já tinha levado o Palmeiras, onde está desde 2020 à conquista de duas Taças Libertadores da América, uma Supertaça Sul-Americana, um Campeonato Paulista e uma Taça do Brasil. 

 

 

Japão

Os convocados

Francisco Chaveiro Reis
02
Nov22

Design sem nome (4).png

 

Gonda (Shimizu S-Pulse), Kawashima (Strasbourg), Schmidt (Sint-Truidense);

 

Nagatomo (FC Tokyo), Yoshida (Schalke 04), Tomiyasu (Arsenal), Sakai (Urawa Reds), Nakayama (Huddersfield Town), Taniguchi (Kawasaki Frontale), Itakura (Borussia Moenchengladbach), Yamane (Kawasaki Frontale) e Ito (Stuttgart);

 

Endo (Stuttgart), Morita (Sporting), Tanaka (Fortuna Dusseldorf), Kamada (Eintracht Frankfurt), Ito (Reims), Mitoma (Brighton), Minamino (Monaco), Soma (Nagoya Grampus), Shibasaki (Leganés), Kubo (Real Sociedad) e Doan (Freiburg);

Maeda (Celtic),Asano (Bochum) e Ueda (Cercle Brugge).

Oitava derrota

Eliminação da Liga dos Campeões

Francisco Chaveiro Reis
02
Nov22

Design sem nome (3).png

O Sporting, ao intervalo, era líder do seu grupo e, claro, passava aos oitavos da Liga dos Campeões. No fim do jogo, era último do grupo, após permitir a reviravolta alemã. Pouco depois, era terceiro, graças a um golo milagroso do Tottenham e segue na Europa, mesmo que na Liga Europa. Com mais de 40 mil nas bancadas, não faltou apoio ao Sporting (nem ao Frankfurt), que fez um jogo algo atabalhoado, mas conseguiu dominar a primeira parte e marcar primeiro, já quase no intervalo, através de um remate de Arthur Gomes e uma má abordagem de Trapp. O Frankfurt trouxe Rode para a segunda parte e o capitão, agressivo, dominou o meio campo, o que ajuda a explicar a baixa de forma do Sporting. No entanto, o empate surgiu através de um lance muito polémico em que Coates, empurrado por um adversário, acaba por colocar a mão na bola. Sem dúvidas, o árbitro, o pior em campo, assinalou a grande penalidade que Kamada transformou no empate. Dez minutos depois, numa falha defensiva infantil, Kolo Muani fez o 1-2 final. Amorim ainda lançou homens como Trincão ou Jovane mas a equipa pouco melhorou. Segue-se a Liga Europa. Vão oito derrotas na época e 24 golos sofridos. O Sporting foi afastado da Liga dos Campeões e da Taça de Portugal e está na sexta posição da liga.

Loko

Heróis de culto

Francisco Chaveiro Reis
01
Nov22

Design sem nome (1).png

Conhecido pelo seu icónico penteado e pelos seus dotes de goleador, Loko brilhou no Nantes e PSG. A história do Nantes dos anos 90 é a história do seu goleador, Patrice Loko, hoje com 52 anos. Os seus tempos de amarelo e verde podem ser resumidos na época 1994-1995, quando marcou 25 vezes ao lado de Ouedec, N´Doram, Makelele, Pedros ou Karembeu e foi campeão francês pela sétima vez, doze anos depois da sexta. No ano seguinte, Loko estava no PSG, clube com maior poderia financeiro. Não foi titular absoluto, mas fez 11 golos e venceu a Supertaça e a Taça das Taças, sendo titular na final contra o Rapid de Viena. No segundo ano, assumiu-se como titular e marcou mais 21 vezes, mas nada venceu. Ainda assim, foi á final da Taça das Taças e foi vice-campeão, sendo ainda esmagado pela Juve na Supertaça da UEFA. Com a concorrência de Maurice e Simone, não jogou muito mais em Paris e não fez mais golos, mas, ainda assim, venceu mais uma Supertaça, uma Taça de França e uma Taça da Liga. Em fase descendente, fez 9 golos pelo Lorient, 14 pelo Montpellier, 11 pelo Troyes, 11 pelo Lorient numa segunda passagem e 1 pelo Ajaccio. Fez 26 jogos e 7 golos por França, tendo marcado uma vez no Euro 1996. Depois de uma época má, não foi chamado para o Mundial 1998.

Pág. 10/10