Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

O mercado, lá fora

De Vlahovic a Abdu Conté

Francisco Chaveiro Reis
01
Fev22

Design sem nome (1).png

Haaland ou Mbappé não mudaram de sítio, para já, mas o mercado internacional foi interessante. Vejamos. Em Espanha, reforçou-se o Barcelona, que bem precisava de caras novas, mesmo que tenha apostado em regressos, como os de Daniel Alves ou Adama Traoré. Para o ataque, chegaram Aubameyang, à última hora e logo no início da janela, Ferrán Torres, por 55 milhões, naquela que foi a segunda maior transferência da janela. O Real Madrid já terá garantido Mbappé (e outros) para o verão e não se mexeu neste mercado. O Atlético Madrid garantiu Reinildo, moçambicano que estava no Lille e Wass, dinamarquês, ex-Valência. A sevilha chegou Martial, numa das movimentações mais surpreendentes e ainda Corona. A San Sebastian, chegou Rafinha, vindo do PSG e ao Villarreal, chegou Lo Celso.

Em França, o PSG não mexeu e o destaque vai para Lyon que gastou 15 milhões em Faivre (Brest) e fez regressar Ndombele (Tottenham). O Marselha recuperou Bakambu, que estava na liga chinesa e já esteve a um passo do Barcelona. O defesa lateral direito Falaye Sacko trocou o Vitória pelo Saint Étienne e Abdu Conté trocou o Moreirense pelo Troyes. Guilavogui, várias vezes associado ao meio campo do Benfica, trocou o Wolfsburgo pelo Bordeus.

Em Itália, a Juventus foi buscar Vlahovic à Fiorentina, na transferência mais cara do defeso, por cerca de 80 milhões. Por um décimo, chegou Zakaria, médio defensivo, vindo do Borussia Mochengladbach. De bolsos cheios, a Fiorentina garantiu Arthur Cabral (Basileia). Piatek (Hertha) e Ikoné (Lille) já tinham chegado. O Inter passou a contar com Caicedo (Lázio) e Goosens (Atalanta). Nani chegou ao Veneza após passagem de sucesso pela MLS e o Milan contratou a promessa goleadora sérvia, Lazetic, ao Estrela Vermelha.

Na Bundesliga, destaca-se a chegada de dois goleadores. Azmoun e Wind. O iraniano deixou finalmente a liga russa para se juntar ao Leverkusen, possivelmente com os alemães a pensarem já na saída de Schick. Wind mudou-se de Copenhaga para Wolfsburgo para render Weghorst. Ricardo Pepi, promissor americano de 18 anos, juntou-se ao Augsburgo e o também jovem americano Bello, juntou-se ao Arminia.

Mas, claro, as grandes movimentações aconteceram na Premier League. Desde logo a excelente notícia do regresso de Eriksen ao futebol, para se juntar ao Bretnford. O Aston Villa teve em grande destaque com as incorporações de Olssen (Roma), Chambers (Arsenal), Digne (Everton) e Coutinho (Barcelona). O Burnely, tradicionalmente pouco comprador, abriu os cordões à bolsa para garantir Weghorst (Wolfsburgo). O Everton apresentou novo treinador – Frank Lampard – e reforços muito interessantes: Alli (Tottenham), Van der Beek (United) e El Ghazi (Aston Villa). Luis Diaz foi a contratação mais extravagante da janela. O extremo chega ao Liverpool. O City garantiu o prodígio argentino Julian Alvarez (River Plate), que só chegará no verão. United e Chelsea nada fizeram numa janela onde o Tottenham se destacou com as chegadas de Kulosevski e Bentacur (Juventus) e, sobretudo, o Newcastle. A Saint James Park chegou novo dono e mais dinheiro para investimento, ainda que não tenham chegado as estrelas mundiais com as quais se fantasiou. Targett (Aston Villa), Burn (Brighton) e Trippier (Atlético) reforçam a defesa; Bruno Guimarães (Lyon), o meio campo e Wood (Burnley), o ataque, num investimento total de 102 milhões.

Obrigado, Jovane!

Seguiu para a Lázio

Francisco Chaveiro Reis
01
Fev22

Design sem nome.png

Jovane Cabral já não é jogador do Sporting e em breve vestirá a camisola azul celeste da Lázio. É uma pena vê-lo deixar Alvalade, mas na verdade, a sua carreira tem sido marcada por uma grande irregularidade. Amorim tentou combate-la, dar-lhe confiança e este ano, o cabo-verdiano até vestiu a camisola 10, mas, não se impôs como todos desejávamos. Ainda assim, Jovane, de 23 anos, deixa o Sporting com um registo interessante: 97 jogos, 21 golos e 6 títulos pela equipa principal.

Chegam Mirallas, Nem e Gaitán

O resto do mercado

Francisco Chaveiro Reis
01
Fev22

Design sem nome (6).png

Nas outras equipas, o mercado também foi mexido, com contratações bastante interessantes. Desde logo, a chegada do internacional belga Kevin Mirallas ao Moreirense após longa carreira com passagens por Lille, Everton, Fiorentina ou Olympiacos. Ao Paços de Ferreira chegou Gaitán, após rescindir com o Peñarol. O Arouca também se mexeu bem e fez regressar David Simão e Ala Ruiz a Portugal além de contratar Nem, com passado no Shakhtar Donetsk, São Paulo ou Cruzeiro. Por último, destaque para o Famalicão que se mexe sempre bem. O avançado Cadiz que estava na MLS, João Carlos Teixeira (Feyennord) e Gustavo Assunção (Galatasary) são grandes destaques.

Campeão de mercado!

Entram Slimani e Edwards

Francisco Chaveiro Reis
01
Fev22

Design sem nome (5).png

Um ponta-de-lança veterano e com poucos golos marcados nas últimas épocas causou uma onde entusiasmo nos últimos dias, que culminará com a sua apresentação, possivelmente, hoje e com a sua estreia, já amanhã ou no próximo domingo. Islam Slimani está de volta ao Sporting, onde foi goleador entre 2013 e 2016 e se tornou num dos preferidos dos adeptos. O argelino volta, aos 33 anos, mais velho, mais rico e com menos golos no currículo do que seria de esperar, mas vem para somar. Poderá ser arma secreta com Coates para desempatar jogos, poderá ajudar Paulinho a crescer e para já, vem galvanizar os sportinguistas. Já Edwards, é um extremo fora de série que vem acrescentar muito valor ao ataque. As saídas causam mais pena pela ligação emocional do que pela questão desportiva, por muito que TT e Jovane tenham tido momentos importantes. Catamo não fará assim tanta falta.

O líder Porto teve uma má janela que por duas vezes mereceu as críticas do seu treinador, publicamente. Veremos se o mau estar se prolonga e se estende aos resultados. Corona e Sérgio não eram hoje o que já foram, mas são perdas grandes em termos de mística e saíram por quase nada, mesmo que Sérgio ainda possa render uns milhões mais tarde. Já Diaz, rendeu bons milhões (menos do que o anunciando já que há taxas e taxinhas a pagar) mas era o melhor jogador do campeonato e não tem quem o renda. Pela porta de entrada passaram Semedo, Eustáquio e Galeno.  Semedo, sendo um grande jogador, é uma incógnita pela capacidade de criar casos fora do terreno; Eustáquio é um bom jogador, mas o meio campo tem estado bem entregue e Galeno, sendo talentoso foi uma opção de última hora, já que não creio que seja melhor do que Pepê, herdeiro natural de Diaz. No geral, o Porto ficou mais fraco, mas, hoje, tem mais 9 pontos do que o Sporting e já se sabe que Sérgio consegue inventar soluções com quase nada. Nota para a saída de Nanu para a MLS.

No Benfica quase nada mudou. Darwin e Grimaldo terão tido propostas, mas acabaram por ficar. Saiu Ferro para a liga croata e não entrou ninguém (Coser veio da Chapecoense para começar na equipa B). O Benfica fica na mesma, sendo que isso, no caso, pode não ser bom.