Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Pesadelo

Ajax humilha Sporting em casa

Francisco Chaveiro Reis
16
Set21

Design sem nome (7) (1).png

O Sporting começou da pior forma possível a sua participação na Liga dos Campeões. A fazer lembrar as terríveis goleadas sofridas ante do Bayern, o campeão português foi cilindrado pelo Ajax que, convenhamos, é uma boa equipa, mas não é um gigante europeu, atualmente. Aos 8 minutos já o gigante Haller tinha feito dois golos facílimos com Vinagre a ficar muito mal na fotografia. Num lance com alguma sorte Paulinho ainda reduziu, mas ao Ajax bastou acelerar um pouco para ver Berghuis fazer o 1-3 ao intervalo. O Sporting voltou com garra e Paulinho fez um golão de cabeça. Foram segundos de festa e esperança, antes do VAR assinalar fora de jogo. Derrotado, o Sporting veria Haller fazer mais dois.

Sporting vs Ajax

Holandeses por cá

Francisco Chaveiro Reis
14
Set21

Design sem nome (6) (1).png

O Sporting recebe hoje o Ajax para a Liga dos Campeões. É um embate entre duas das melhores escolas de formação do mundo e a representa-las é provável que entrem em campo Inácio, Esgaio, Vinagre, Palhinha, Nunes e Tomás de um lado e Timber, Schuurs, Blind, Klaassen ou Gravenberch, do outro. É uma boa oportunidade para lembrar os holandeses que jogaram por cá e os portugueses que vestiram a camisola do Ajax.

E a presença lusa na ArenA cinge-se a um nome: Dani. O extremo formado no Sporting chegou a Amsterdão em 1996 para quatro boas épocas, as melhores da sua carreira. Ajudou a vencer um campeonato e duas taças e marcou 17 golos em quase 100 jogos (98). Conviveu com Van der Sar, irmãos De Boer, Litmanen, Babangida ou Kluivert. Foi treinado por Van Gaal, Morten Olsen, Jan Wouters e Hans Westerhof.

Em 1987 chegaria a Lisboa Frank Rijkaard mas o génio holandês não chegou a jogar pelo Sporting. Em 1986-1987, Peter Houtman, avançado vindo do FC Groningen, viria para Alvalade para 36 jogos e 8 golos. Nada mau. Em 1992-1993 chegaria a classe defensiva de Stan Valckx, contemporâneo de Figo, Peixe ou Balakov. Faria 90 jogos e marcaria 6 golos. Em 2011-2012, regressaram os holandeses ao Sporting. Para liderar o meio-campo, Stijn Schaars e para ser goleador, Ricky Van Wolfswinkel. Tiveram ambos sucesso. Schaars fez 66 jogos em duas épocas, marcou 6 golos e fez 7 assistências. Já o avançado, fez 45 golos em 88 jogos. No ano seguinte, chegou Labyad, de origem marroquina e hoje internacional por Marrocos. Prodifio no PSV, teve pouco sucesso por cá, acabando por renascer no Utrecht e chegar ao Ajax, onde está na quarta temporada, mesmo jogando pouco.

Em janeiro de 2016, chegou Marvin Zeegelaar, das escolas do Ajax, mas então a atuar no Rio Ave. Fez 39 jogos e marcou 1 golo, não deixando grandes saudades. No verão de 2016 chegou a Alvalade, Bas Dost, a meu ver, o melhor holandês a jogar pelo Sporting. Mesmo com as sequelas físicas e psicológicas do ataque a Alcochete (de que foi a figura simbólica), fez 127 jogos e sobretudo marcou 93 golos, oferecendo, ainda, 14. Deixa saudades até hoje, sobretudo numa altura em que não há um 9 no plantel e ele é suplente do Club Brugge. Consigo chegou Luc Castaignos, o pior holandês a jogar pelo Sporting e um dos piores avançados que vestiram de verde e branco. Castaignos, antigo miúdo maravilha do Feyennord e com passagem pelo Inter, participou em 17 jogos e não marcou nem um golo. No ano passado, Mees De Wit ainda treinou com a equipa A, mas nunca se estreou. Esqueci-me de alguém?

Demba Ba retira-se

Aos 36 anos

Francisco Chaveiro Reis
14
Set21

Design sem nome (4) (2).png

Aos 36 anos, Demba Ba acabou a carreira de futebolista. Senegalês nascido em França, fez a formação em clubes pequenos franceses antes de se estrear pelo Rouen, com 22 golos em 26 jogos. Logo saltou para a Bundesliga, servindo o TSG Hoffenheim durante três anos e meio, com 40 golos. O passo seguinte seria Inglaterra. Entrou pela porta da West Ham e em meia época, fez 7 golos em 13 jogos. Seguiu-se o Newcastle, onde fez grande dupla com Papiss Cissé, e marcou 29 golos em época meia. O ponto alto da carreira seria o Chelsea onde faria 14 golos em ano e meio. Venceria em Londres a sua primeira taça: a Liga Europa de 2013.

Aos 30 anos, ao serviço do Besiktas, chegou aos 27 golos em 44 jogos. Interrompeu a vida na Turquia para embarcar numa aventura chinesa: 37 jogos e 29 jogos e regressou ao Besiktas, sem o mesmo fulgor, mas com o primeiro título nacional da sua carreira. Seguiu-se o Goztepe e nova ida para a China, sem os mesmos números de antes. Ganharia novo folego no Basaksehir, ao longo de três épocas, onde voltou a ser campeão turco e marcou 26 golos. Iniciou esta época no Lugano, mas acabou por decidir retirar-se. Pelo Senegal, fez apenas 22 jogos e marcou 3 golos.

 

Townsend renascido

Golão ajuda Everton a liderar

Francisco Chaveiro Reis
14
Set21

Design sem nome (3) (6).png

O extremo inglês Andros Townsend não terá cumprido todo o seu potencial. Formado no Tottenham, prometia bem mais, mas acabou por fazer carreira no Crystal Palace, após passagens por Newcastle, Leeds ou QPR entre outros. A sua chegada a Liverpool não encantou os adeptos do Everton mas, quatro jornadas volvidas, o Everton é líder da Premier League e Townsend já fez duas assistências e dois golos, incluindo a obra prima de ontem.

Mourinho líder

Francisco Chaveiro Reis
13
Set21

Design sem nome (1) (10).pngRoma parece ter rejuvenescido José Mourinho. O português, que ontem venceu o Sassuolo por 2-1, no seu milésimo jogo como treinador, parece ter regressado ao seu melhor, tendo recriado a corrida que fez nos tempos de Porto para festejar o golo de Costinha em Old Trafford, mas desta vez para festejar o golo da Roma, nos descontos. Ao fim de três jogos, a Roma tem três vitórias sendo a equipa que mais marca, 9 golos, em igualdade com Inter e Lázio e a segunda que menos sofre, 2 golos. Tudo isto, sem grandes mudanças no plantel. Chegaram Patrício, Viña, Abraham ou Shomurodov e saíram históricos como Dzeko ou Florenzi. Mourinho promete.

Salah nos 100

Dos melhores da história da PL

Francisco Chaveiro Reis
13
Set21

Design sem nome (28).png

Estrela falhada no Chelsea, Mo Salah regressaria à Premier League para se tornar num dos jogadores mais interessantes do mundo. Ontem, o egípcio chegou aos 100 golos na prova e tendo em conta os números de alguns dos homens que tem à frente é bem provável que no fim da época se torne, ainda mais, num dos melhores marcadores de sempre do melhor campeonato do mundo.

Salah, hoje com 29 anos, começou a destacar-se no seu país, ao serviço do Al Moqaweloon, chamando a atenção do Basileia. 79 jogos e 20 golos depois, convenceu o Chelsea, mas teve passagem infeliz, com apenas 2 golos. Renasceria em Itália, primeiro na Fiorentina (26 jogos e 9 golos) e depois na Roma (83 jogos, 34 golos e 18 assistências). O regresso à Grã-Bretanha deu-se em 2017 para formar a temível tripla com Mané e Firmino. Chegou ontem aos 100 golos na Premier League, tendo à frente, homens que já não jogam e que serão facilmente suplantados, ao ritmo que Salah marca: Le Tissier (101), Drogba (104), Crouch e Bent (106), Scholes (107), Giggs (109), Heskey e Dublin (111) ou Ian Wright (113).

Empate em Alvalade

A melhor equipa não conseguiu marcar o segundo

Francisco Chaveiro Reis
12
Set21

Design sem nome (1) (9).png

Sporting e Porto empataram a um, diante de 18 mil espetadores, perdendo o campeão uma grande oportunidade para vencer e colar-se ao líder. O Sporting, mesmo sem os titulares Inácio e Pote, lesionados, entrou muito melhor e não surpreendeu que Nuno Santos fizesse o primeiro, repondendo de forma subtil a cruzamento de Pedro Porro. Numa altura em que o número de amarelos e quezilias aumentava, Santos teve mais duas soberanas oportunidades de aumentar a vantagem. Desperdiçou e o jogo foi para os balneários com um a zero e com o Porto já com dois homens saídos do banco. Na segunda parte, o Sporting parecia ter o jogo controlado até Luis Diaz pegar na bola e fazer um grande golo. O Porto carregou e a resposta do Sporting, que voltou a estar melhor, esbarrou em Diogo Costa. Sporting e Porto estão agora a quatro pontos do Benfica. 

O regresso

Bis de Ronaldo

Francisco Chaveiro Reis
11
Set21

Design sem nome (27).png

Nem Ronaldo esperava tanto. Cristiano, antigo e novo número sete do Manchester United, estreou-se a titular e marcou duas vezes na vitória ante do Newcastle. À beira do intervalo, Greenwood rematou, o guarda-redes adversário defendeu para a frente e CR7 levou Old Trafford à loucura. Depois do jogo, declarou ter-se sentido nervoso com a estreia e que esperava marcar apenas um golo. Enganou-se. O dois a zero foi seu também, num remate em que o Keeper nordestino parece mal batido. Conta na mesma. O golo seguinte foi de Manquillo, um discreto defesa espanhol, que reduziu para o Newcastle. Depois, os melhores golos da noite. Fernandes, a honrar o dezoito de Scholes, que usa desde que a sua chegada a Inglaterra, fez um golão de fora da área. Lingard, após excelente toque, fez o 4-1 final. O United lidera, com dez pontos, ao lado de Chelsea e Liverpool.

Nada mal

Scaloni na Argentina

Francisco Chaveiro Reis
09
Set21

Design sem nome (3) (5).png

Aos 43 anos, Lionel Scaloni é um treinador de sucesso, após uma carreira interessante, mas mediana. Scaloni, lateral direito ofensivo, jogou no seu país por Newell Old Boys e Estudiantes antes de se mudar para a Galiza. Com a camisola do Deportivo, viveu os momentos mais felizes da carreira, vencendo um campeonato (2000), Taça do Rei (2002) e Supertaça (2002). Ao longo de oito anos, cruzou-se com craques como Makaay, Pauleta, Turu Flores, Mauro Silva, Donato, Manuel Pablo ou Fran. Seguiu-se uma curta passagem pelo West Ham e uma época no Racing Santander, antes de se vincular à Lázio, que, pelo meio, o emprestou ao Maiorca. Fixou-se em Roma entre 2009 e 2013, antes de terminar na Atalanta, em 2015.

Pela seleção, foi campeão do mundo de sub-20, em 1997, numa equipa de estrelas: Samuel, Placente, Cambiasso, Aimar ou Riquelme. Pela equipa principal (8 chamadas), nada venceria, mas marcaria presença no Mundial de 2006. Depois de passar pelo banco do Sevilha (adjunto) e pelas camadas jovens da Argentina, tornou-se em 2018, treinador principal. Este ano, orientou a equipa que venceu a Copa América, o primeiro trofeu de Messi pelo seu país. Sem derrotas, a Argentina segue em segundo lugar na qualificação para o mundial. Nada mal.