Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Vitórias ao intervalo

Chelsea, PSG, City e Real na frente

Francisco Chaveiro Reis
08
Abr21

Propaganda de Moda Capa para Facebook.jpg

Ao intervalo dos quartos-de-final da Liga dos Campeões, Chelsea, PSG, Manchester City e Real Madrid levam vantagem. Na terça, o Real Madrid, que parece sempre acordar nesta fase da época, bateu o Liverpool por 3-1, no Estádio Alfredo Di Stefano. Vinicius (ou Vini Jr.) foi o destaque da noite, ao bisar. Pelo meio, Asensio fez o 2-0 e Salah, o 2-1. Diogo Jota voltou a ser dos melhores da sua equipa e jogou 81 minutos. Na mesma noite, em Manchester, Ederson fez de tudo para Haaland não marcar e foram De Bruyne e Foden a fazer os golos da vitória. O inglês marcou aos 90 minutos, contrariando o empate de Reus, 6 minutos antes. Pelos vencedores, jogaram Cancelo, Ruben e Bernardo e, pelo Borussia Dortmund, Raphel. Ontem, em Sevilha, o Porto foi bem melhor mas perdeu por 0-2. Mount e Chilwell aproveitaram infantilidades de Zaidu e Corona. Já em Munique, mandou o PSG, com Danilo. 2-3 com bis de Mbappé e outro de Marquinhos, contra Choupo-Moting e Muller. Dos derrotados, o mais inconformado será, sem dúvida, este Bayern, máquina trituradora e campeão em título.

Nada mau

Oito pontos de vantagem

Francisco Chaveiro Reis
06
Abr21

Propaganda de Moda Capa para Facebook.jpg

Os sportinguistas estarão hoje apreensivos porque a vantagem face ao segundo classificado é, agora, de "apenas" oito pontos, a nove jornadas do fim. Amorim mudou para um 3-5-2, dando liberdade a Bragança para construir e Paulinho estrou-se finalmente a marcar, adiantado o Sporting. Seguiram-se dois golos anulados, um a Paulinho (que golão, seria) e outro, a Gonçalves (por apenas dois centímetros). À beira do apito final, o 1-1. Ao Sporting resta responder, já no domingo, em casa, ante do Famalicão e pensar que oito pontos de vantagem não é nada mau. 

Japão em Portugal

De Nakajima a Meshino

Francisco Chaveiro Reis
05
Abr21

Propaganda de Moda Capa para Facebook.jpg

A história de jogadores japoneses a atuar na Europa, é escassa. Hidetoshi Nakata terá sido a primeira estrela nipónica a brilhar no Velho Continente. De 1998 a 2005, brilhou em Itália, ao serviço de Perúgia, Roma, Parma, Bolonha e Fiorentina antes de fazer um ano na Premier League. Terá aberto a porta e outros se seguiram, como Shunsuke Nakamura, que passou por Itália (Reggina) e Espanha (Espanyol) e teve um papel de destaque no Celtic, de 2005 a 2009. Ainda melhor, será Shinji Kagawa, que jogou ao mais alto nível, ao serviço de Borussia Dortmund e Manchester United, estando hoje no PAOK, depois de ter passado por Zaragoza e Besiktas. Mais recentemente, Shinji Okazaki, destacou-se como uma das figuras do Leicester, vencedor da Premier League.

Há outros exemplos de jogadores medianos, mas com carreiras interessantes como Yuto Nagatomo, hoje no Marselha, após passagens por Cesena, Galatasary e sete épocas no Inter. Outros há, que são homens de futuro, a começar por Takefusa Kubo, emprestado pelo Real Madrid ao Getafe e aos 19 anos, a grande promessa japonesa.

Mas entremos em Portugal, que é o que nos traz cá. A liga portuguesa tem hoje uma série de jogadores japoneses de grande qualidade mesmo já não contando com Nakajima. Shoya Nakajima foi o japonês em maior destaque no nosso futebol, com uma fabulosa época de 2017/2018, ao serviço do Portimonense, clube que compra e vende vários jogadores no Japão. Muitos milhões depois acabaria no Porto, onde não vingou. Em 2014-2015, o Sporting também teve o seu japonês: Junya Tanaka. Foi-se embora com 7 golos marcados, incluindo, um grande livre em Braga, vencendo uma Taça e uma Supertaça.

Começando no sétimo classificado, o Santa Clara, temos Hidemasa Morita, médio ofensivo de fino recorte técnico, de 25 anos, que chegou apenas em janeiro, mas já é uma das figuras dos insulares. Leva 12 jogos e 1 golo. Em Barcelos, mora Kanya Fujimoto, avançado de 21 anos que apenas tem 1 golo marcado, mas que já entrou em 22 partidas, num ataque de qualidade. Ryotaro Meshino, avançado de 22 anos, emprestado pelo Manchester City, é outro que brilha em Portugal, no caso, em Vila do Conde onde é titular e leva 18 jogos e 4 golos. No 13.º posto está o Portimonense, clube que mais japoneses alberga. Na baliza, Shuichi Gonda já saiu, mas está agora Kosuke Nakamura, ainda sem minutos. Na defesa, há o lateral de 25 anos, Koki Anzai, que fez 28 jogos e marcou 1 golo na época passada e esta, já vai em 24 jogos. Keisuke Honda, que brilhou no CSKA Moscovo ou Milan, esteve a um passo de jogar pelo Portimonense mas a hipótese acabou por não se concretizar. Com as boas prestações de Morita e Meshino, sobretudo, a ponte Japão-Portugal deve continuar a ser explorada.

Pág. 3/3