Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Craques da bola - 43

30.04.20, Francisco Chaveiro Reis

Green and Orange Woman Musicians Facebook Cover.pn

Andi Herzog, excecional 10 austríaco, até chegou ao Bayern de Munique mas, por lá, ficaria mais conhecido por ser empurrado por Kahn do que por jogar bem. Seria no Werder Bremen que venceria títulos e se destacaria como um dos melhores médios do futebol alemão dos anos 90.

Herzog, hoje com 51 anos, estreou-se no Rapid, da sua cidade natal de Viena. Entre 1986 e 1992 (com um empréstimo pelo meio, ao First Vienna), marcou 33 golos em 129 jogos e venceu dois campeonatos. Mas a sua carreira só ganhou verdadeiro balanço quando chegou à Bundesliga no verão de 1992 para jogar pelo Werder Bremen do mítico Otto Rehhagel.

Ao lado de Votava, Eilts, Allofs, Rufer, Bode e Hobsch (chegou a meio da época, vindo do outro lado do muro), foi campeão logo no primeiro ano. Assumiu-se como titular e, aos 24 anos, marcou 10 golos em 38 partidas. NO segundo ano, já com a companhia de Mario Basler, marcou os mesmos 10 golos, mas o Bremen “só” ficou em segundo, vencendo “apenas” a Supertaça da Alemanha. Ao terceiro ano, mais 6 golos e duas taças: Taça da Alemanha e mais uma Supertaça. Com 113 jogos, 26 golos e quatro títulos, seguiu Otto para Munique.

No Olímpico, já se sabe, não vingou. Apenas dois golos e a possibilidade de estar no plantel que venceu a Taça UEFA (ao Bordéus de Dugarry, Zidane e Lizarazu). Olli Kahn deu-lhe um abanão e sem apoio de ninguém (bem, tornar-se-ia adjunto do então companheiro Klinsmann na seleção dos EUA) regressou a Bremen. No primeiro ano, conquistou a Taça da Alemanha, em…Munique, diante do…Bayern. Ficaria cinco anos e meio. Ao todo, 265 jogos e 58 golos.

A caminhar para o fim da carreira, regressaria, ainda, ao Rapid e passaria pelos Los Angeles Galaxy. Pela seleção, com pouca expressão, faria 103 jogos e 27 golos, jogando nos Mundiais de 1990 e 1998. Atualmente, é o selecionador de Israel.

Milan de Capello, campeão há 24 anos

28.04.20, Francisco Chaveiro Reis

Fabio-Capello-AC-milan.jpg

A 28 de abril de 1996, o fantástico Milan de Fábio Capello venceu a liga italiana e os rossoneri festejaram o 24.º scudetto da sua história. Rossi, Panucci, Baresi, Tassotti, Costacurta, Maldini, Albertini, Savicevic, Donadoni, Desailly, Boban, Baggio, Weah ou Simone eram algumas das estrelas. Paulo Futre, extremo português já numa fase descendente da carreira, fez um jogo e também foi campeão.

30 anos desde o último título

28.04.20, Francisco Chaveiro Reis

PA-1176462.jpg

Parecia que maio de 2020 seria o mês da coroação do Liverpool como campeão inglês, 30 anos depois. Não é que não tenha vencido duas Ligas dos Campeões e outros títulos desde 1990, mas faltava a Premier League. A Covid-19 poderá roubar o título e hoje, 28 de abril, passam exatamente 30 anos desde a vitória do campeonato, pela 18.ª vez. Eram os tempos de Bruce Grobbelaar, John Barnes, Peter Beardsley ou Ian Rush.

Sporting foi campeão pela última vez há 18 anos

28.04.20, Francisco Chaveiro Reis

380481.jpg

O Sporting festejou a 28 de abril de 2002 o seu 18.º campeonato nacional. Não mais fez a festa. A 28 de abril, o Boavista perdeu com o Benfica e o Sporting, no sofá, venceu a competição que conquistara já em 2000. Com 22 vitórias, 9 empates e 3 derrotas, o Sporting acabou a liga com mais 5 pontos do que o Boavista, que impediu de ser bicampeão. Jardel, com 42 golos, foi a figura maior da equipa. Com Boloni no banco e os jovens Quaresma e Ronaldo a despontar, o Sporting tinha uma equipa sólida cujo onze base era: Nélson, Beto, Babb, Cruz e Rui Jorge; Barbosa, Rui Bento, Paulo Bento e Hugo Viana; João Pinto e Jardel. 

O melhor 11 francês de sempre

20.04.20, Francisco Chaveiro Reis

didier_deschamps_franca_franca_1998_foto_twitter_f

O L´Equipe promoveu uma votação para escolher o melhor onze francês de sempre. Sem surpresas, a lista é dominada pelos campeões do mundo de 1998 e da Europa de 2000, com 9 dos 11 titulares a serem desse tempo: Barthez, Thuram, Blanc, Lizarazy, Desailly e Lizarazu; Deschamps e Vieira; Zidane e Henry. O 11 completa-se com Platini, campeão europeu em 1984 e com Mbappé, melhor jogador francês do momento e campeão do mundo em 2018. Sendo um onze de excelência, a lista de excedentários é extensa e de grande qualidade com nomes como os mais recentes, Lloris, Varane, Kané, Pogba ou Griezmann ou mais antigos como Petit, Pires, Trezeguet, Tigana ou Kopa. 

Campeonato de Portugal chega ao fim

08.04.20, Francisco Chaveiro Reis

Sunderland 'Til I Die

01.04.20, Francisco Chaveiro Reis

1_PZ_WDIEPr8RbjsiDtjRLlQ.jpeg

Sunderland 'Til I Die, cuja segunda temporada acaba de se estrear na Netflix, acompanha o dia a dia do gigante adormecido do nordeste inglês, à medida que a nova gestão tenta devolver o clube ao lugar que merece, apesar dos sérios constrangimentos económicos, da mentalidade acomodada do staff e da falta de experiência da administração. Enquanto isso, vemos a forma dedicada como os adeptos acompanham o clube (ali, onde o sol pouco brilha e as libras são contadas, o futebol é tudo), sem ter grandes alegrias em troca.