Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Ano dois depois de Wenger. Cai Unai.

29.11.19, Francisco Chaveiro Reis

Unai-Emery-Football3651.jpg

Seria de esperar que a missão do homem que substituísse Wenger fosse difícil, mesmo que o francês nada vencesse há alguns anos. Depois de uma série de maus resultados, Unay Emery caiu. O basco, que venceu três Ligas Europa consecutivas pelo Sevilha, completou 78 jogos pelo Arsenal, conquistado apenas 43 vitórias.

Emery chegou na época passada e curiosamente chegou à final da Liga Europa, acabando goleado pelo Chelsea (4-1). Na Premier League, ficou em quinto lugar, não chegando à Liga dos Campeões; na FA Cup não passou nos 16 avos e na EFL, dos quartos.

Este ano, o Arsenal ocupa apenas o 8.º posto do campeonato, com 4 vitórias, 6 empates e 3 derrotas. Na Liga Europa, o Arsenal lidera o seu grupo, à frente de Frankfurt, Liége e Guimarães, mas a derrota de ontem, em casa, com o Eintracht, precipitou a saída do técnico espanhol. Nuno é apontado à sucessão, depois de um excelente trabalho nos Wolves.

100 Fernandes

29.11.19, Francisco Chaveiro Reis

image.jpg

À terceira época, Bruno Fernandes já teve diretamente envolvido em 100 golos do Sporting. Em 127 jogos, marcou 59 golos e ofereceu 41. É duro pensar no que será o Sporting, sem Fernandes.

Melhor jogo da época

29.11.19, Francisco Chaveiro Reis

OriginalSize$2019_11_28_22_33_21_1632881.jpg

O Sporting fez a melhor exibição da época, ante de mais de 30 mil, vencendo o PSV por claros 4-0. Com Renan e Coates lesionados, Max estreou-se na baliza (foi umas das figuras, conquistando as bancadas e quem sabe, o lugar) e Ilori alinhou ao lado de Mathieu. De resto, o onze previsível, no 4-2-3-1 que parece que Silas vai manter nos próximos tempos. Com Bruno Fernandes em alta rotação, o Sporting viu-se a vencer, rapidamente, por 2-0. Primeiro, o capitão fez cruzamento acrobático para Luiz Phellype desviar "à boca da baliza". Depois, remate colocadíssimo de fora da área. Estavam decorridos apenas 15 minutos de jogo. Fraquíssimo, o PSV tentou reagir, sobretudo por Bruma mas Max e o desacerto dos holandeses impediram o golo. Antes do intervalo, o 3-0, através de remate acrobático de Mathieu. A meia hora do fim, Acuña deu uma de Maradona e passou por toda a equipa holandesa até ser derrubado na área. De penalty, Fernandes fechou a contagem. O Sporting discute com o LASK, na última jornada, quem é o primeiro do grupo. Basta o empate.

Estamos a ser preparados?

26.11.19, Francisco Chaveiro Reis

thumb2-myron-boadu-4k-abstract-art-footballers-az-

Têm sido associados ao Sporting, jogadores cujo passe parece ser bastante caro: Barco, Ntcham ou Boadu. Será que há mudança de estratégia ou estamos a ser preparados para a saída de Bruno?

Vai começar a venda?

25.11.19, Francisco Chaveiro Reis

xflamengo-2019bruno-henrique-gabriel-barbosa-inter

Cumprido do sonho de voltar a vencer a Liberta e o campeonato e com o Mundial na mira, o Mengão corre o risco real de perder algumas das suas figuras para a Europa. De Jesus a Gabriel. Mesmo tendo dinheiro nos cofres, jogando num dos mais emblemáticos estádios do planeta e tendo milhões de fiéis seguidores, o Flamengo pagará em breve o preço do sucesso, com a natural ambição dos seus protagonistas quererem ir para o centro do futebol: a Europa. E para muitos, será um regresso fortalecido.

Desde logo para Jesus, com fama de só servir para a liga portuguesa, mesmo tendo chegado a duas finais da Liga Europa. Aos 65 anos, venceu além-mar e tem esperança renovada de que Barcelona ou Real lhe abram a porta. Não sei se tal é possível, mas que seria bonito, seria. Pelo menos um clube médio de um grande campeonato poderá querer ver o que vale o Mister.

O segundo a saltar deve ser Gabigol. Na Europa, entre Inter e Benfica, marcou 2 golos. Muito longe dos 27 do ano passado no regresso ao Santos e dos 40 que já leva em 2019, ainda a época não acabou. Aos 23 anos, pode enfim estar no momento certo de maturidade para se afirmar. A ele, vejo-o onde há mais dinheiro e onde Chelsea ou United precisam de poder de fogo. Poderá lutar agora com Firmino e Jesus por um lugar mais sério no Escrete. Nunca esquecerá Jesus.

Outros, como Diego, Rafinha ou Filipe Luís, com vida feita na Europa já não devem regressar, mas olhando para o elenco, Rodrigo Caio, William Arão (esteve brevemente no Espanhol B), Everton Ribeiro ou De Arrascaeta, que nunca jogaram na Europa, poderão agora experimentar as melhores ligas. Bruno Henrique, provavelmente o jogador em mais destaque a seguir a Gabriel Barbosa, também poderá querer provar o seu valor, após má experiência no Wolfsburgo. Será o Flamengo, vítima do seu sucesso?

Jorge, Rei das Américas

24.11.19, Francisco Chaveiro Reis

mw-860.jpg

Jorge Jesus, vive aos 65 anos, os melhores dias da carreira. A sua chegada ao Flamengo, após ter treinado "apenas" em Portugal e na Arábia Saudita, causou desconfiança, mas seis meses depois, Jesus é "o cara". Quando chegou ao Mengão, o clube, sem conhecer o sabor da vitória há dez anos, estava a oito pontos do líder Palmeiras. Nada que assustasse Jesus. Com bons reforços, sobretudo para a defesa (José Mari, Rafinha e Filipe Luís), o português mudou a maneira de trabalhar, pensar e de jogar do elenco do Flamengo e rapidamente arrancou uma caminhada de glória, cuja extase chegou este fim-de-semana.

Sábado, final da Copa Libertadores da América, exatamente 38 anos depois da última. Borré marcou primeiro e o River quase venceu por dois anos consecutivos. Provavelmente, até foi melhor, mas Gabigol, aproveitando dois erros argentinos, fez em três cruéis minutos, os golos da reviravolta e o Rio de Janeiro ficou louco. Estava o Flamengo em festa quando chegaram ecos de mais motivos. O Palmeiras perdeu, em casa, com o Grémio (adversário do Mengão nas meias da Liberta e treinado por um dos maiores críticos de Jesus) e mesmo sem jogar, o Flamengo é campeão de novo. Apesar dos milhões de fanáticos adeptos, este é apenas o sétimo campeonato da história do clube, o que faz do feito de Jesus, algo ainda mais significativo. Em dezembro há o derradeiro sonho flamenguista: o Mundial de Clubes, onde o Liverpool será o grande entrave à maior felicidade. Depois disso, Jesus pouco mais terá a fazer no Rio e confessa, mais uma vez, sonhar com um gigante europeu. Ainda vai a tempo?

Jesus é o primeiro estrangeiro a vencer o Brasileirão; o segundo treinador a vencer a Libertadores pelo Flamengo; consegue a conquista da Liberta e do campeonato no mesmo ano, após apenas o Santos de Pelé o ter conseguido em 1963 e prepara-se para recordes no Brasileirão: equipa com mais pontos numa só época (já tem tantos como o Corinthians de 2015 e ainda vai jogar quatro partidas); equipa com menos derrotas (só tem três e os melhores da história acabaram com quatro); leva 22 jogos sem perder e mais jogos, iguala a marca do Palmeiras; já igualou a marca de oito jogos a vencer e pode ultrapassa-la no próximo jogo e pode ser o melhor ataque de sempre, levando já 73 golos e estando a 4 da marca dos 77.

Craques da bola, 30

23.11.19, Francisco Chaveiro Reis

vassell (1).png

José Roberto Gama de Oliveira, para sempre conhecido como Bebeto, é um dos melhores avançados da história do Brasil. Aos 55 anos, olha para uma carreira repleta de glória.

Começou a dar nas vistas no Vitória, em 1982, com 1 jogo e 1 golo. O baiano conheceria um sucesso bem maior quando se mudou para o gigante Flamengo em 1984. Em 285 marcou 153 golos e conquistou os adeptos do Mengão. Venceu 16 trofeus, incluindo um campeonato brasileiro.

Manteve-se no Rio de Janeiro para, entre 1989 e 1992 jogar pelo Vasco da Gama. A transferência foi controversa, mas Bebeto liderou o Vasco rumo ao segundo campeonato brasileiro da sua história. Com 59 golos em 115 jogos, saiu com a sua missão cumprida. Roberto Dinamite, Sonny Anderson, Mazinho, Carlos Germano, Edmundo ou Mário Jardel foram seus companheiros.

No verão de 1992, aterrou na liga espanhola, uma das melhores do mundo para transformar o modesto Deportivo num sério concorrente ao título de campeão. Em 131 jogos, 108 golos. Ajudou a dois segundos lugares (um deles decidido quase no último segundo da última jornada) e a um terceiro. Eram os tempos de Donato, Mauro Silva ou Fran. Ainda venceu uma Taça do Rei e uma Supertaça.

Chegado tarde à Europa, após três anos e meio na Galiza regressou ao Flamengo. Com 32 anos e com a concorrência de Sávio, Romário ou Amoroso ainda marcaria 17 golos em 21 jogos. Voltou a Espanha, mas não teve sucesso em Sevilha e o Vitória seria o seu destino para mais 8 golos.

Antes de se reformar ainda teve vários destinos: Cruzeiro, Botafogo, Neza (México), Kashima Antlers (Japão), regressos a Vitória e Vasco e Al Ittihad (Arábia Saudita).

Pela seleção viveu em 1994, o seu momento mais alto: tornou-se campeão do mundo, fazendo uma dupla de sonho com Romário. Fez 7 jogos e marcou 3 golos (menos 2 do que Romário). Num dos festejos embalou um bebé imaginário, em homenagem ao filho recém-nascido (Matheus, dos quadros do Sporting) e tornou-se icónico. Ao todo, 40 golos em 76 aparições. Para além dos EUA em 1994, destacou-se na Copa América de 1989, com 6 golos em 7 jogos e nos Jogos Olímpicos de 1996, com 6 golos em 6 jogos. No primeiro caso, o Escrete venceu a prova. No segundo, venceu apenas a medalha de bronze.

Pelo Brasil foi, ainda, campeão do Mundo de sub-20, em 1983 (com Aloísio ou Dunga), medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988 (com Romário ou André Cruz); venceu a Taça das Confederações em 1997 e chegou à final do Mundial de 1998.

Jesus quer a segunda

22.11.19, Francisco Chaveiro Reis

libertadores-taca-camisas.jpg

Envolto em enorme euforia na partida para o Peru, o Flamengo de Jesus joga amanhã a final da Libertadores da América, a Liga dos Campeões da América do Sul. O Mengão só venceu a competição por uma vez, em 1981 (não mais voltou à final) e a perspetiva de voltar a vencer está a deixar os adeptos loucos. Sob o comando de Jesus, o Mengo chega à final desta competição, mas está também a dois pontos de ser campeão brasileiro, algo que lhe escapa há dez anos. O primeiro ano de Jesus no Flamengo está condenado a ser positivo.

Mas do outro lado está o poderoso River Plate, campeão em título (vitória em Madrid contra o Boca Juniors). Vencedor da competição por quatro vezes, o River, bem orientado por Marcelo Gallardo conta com um elenco de luxo e com maior experiência em finais. Gallardo, vencedor da Copa em 1996, como jogador (ao lado de Crespo, Francescoli, Ortega, Almeyda, Sorín ou Burgos), tem feito um trabalho notável e contará com Armani, Casco, Montiel, Quintero, Enzo, Borré, Pratto ou Scocco para contrariar o treinador português.

Espera-se grande espetáculo em Lima e a segunda taça para o Flamengo. Uma das maiores torcidas do mundo está em suspenso até amanhã. Jesus, também.

Craques da bola, 29

21.11.19, Francisco Chaveiro Reis

vassell.png

 

Aos 54 anos, Hagi, “O Maradona dos Cárpatos”, é dono e treinador dos romenos do Viitorul Constanta, nascido em 2009 e campeão em 2016-2017. Mas Hagi é, sobretudo, conhecido por uma carreira como médio ofensivo de fino recorte.

Logos aos 18 anos, estreou-se pelo modesto Farul, fazendo 7 golos em 18 partidas. No ano seguinte, em 1983, mudou-se para o Sportul Studenţesc, onde passou quatro épocas, fazendo 118 partidas e marcando 62 golos. A grande evolução na sua carreira deu-se em 1987, quando chegou ao Steua, maior clube da Roménia. Fez exatamente os mesmos 118 jogos que fizera pelo clube anterior, mas marcou mais – 88 golos. Melhor do que isso, venceu os seus primeiros trofeus da carreira: três campeonatos romenos, uma taça romena e ainda uma Supertaça europeia. A sua estreia pelo Steua foi em grande. Único golo na vitória na Supertaça Europeia contra o Dinamo de Kiev, no Mónaco. De um lado, Hagi, Boloni (esse mesmo), Piturca ou Lacatus, treinados por Anghel Iordanescu. Do outro, Belanov, Blokhin ou Mykhaylychenko, treinados por Valeriy Lobanovskyi.

O regime de Ceausescu impediu sua saída mais cedo para Milan, Juventus ou Bayern mas em 1990, Hagi saiu finalmente da liga romena, pronto para abraçar uma aventura no gigante Real Madrid. Sem surpresa, “pegou de estaca”. Em duas épocas, venceu apenas uma Supertaça, mas marcou 20 golos em mais de 80 jogos. Jogou lado a lado com Lopetegui, Sanchis, Hierro, Milla, Michel ou Butragueno. Surpresa maior foi ter-se mudado para a Série A, mesmo que este fosse o campeonato mais fulgurante de então. Hagi chegou ao modesto Brescia em 1992 para duas épocas, sendo que a na segunda, jogou a segunda divisão italiana. E foi como jogador do Bréscia que jogou o Mundial 1994, um dos momentos altos da sua carreira.

Regressaria a um gigante mundial sediado em Espanha, a seguir ao Mundial, juntando-se ao Barcelona para duas épocas. Voltou a vencer apenas uma Supertaça e jogou e marcou menos do que quando jogou pelo Real. Aos 31 anos, começava a ser ultrapassado por jovens estrelas como Figo, Guardiola ou De la Peña.

Os últimos cinco anos da carreira seriam passados no Galatasary, onde se tornou referência. Em 132 jogos, fez 59 golos e venceu sete competições internas turcas. Melhor, ajudou o Gala a vencer a Taça UEFA e a Supertaça Europeia, em 2000, contra o Real Madrid (brilharete de Jardel). Conviveu com Sukur, Sas, Emre ou com os compatriotas Ilie, Popescu, Lutu ou Filipescu.

Pela seleção, fez 124 jogos e marcou 35 golos. Liderou a Roménia que chegou aos quartos do Mundial 1994 e jogou os Euro 1984, 1996 e 2000 e os Mundiais de 1990 e 1998. Em 1994, marcou 3 golos em 5 jogos, sendo o camisola 10 de uma equipa com Petrescu, Munteanu ou Dumitrescu, para além de vários antigos companheiros do Steua. A Roménia venceu um grupo equilibrado com Suíça, EUA e Colômbia e nos oitavos eliminou a poderosa Argentina.

Bruno sai em janeiro?

21.11.19, Francisco Chaveiro Reis

transferir.jpg

Com o mercado de inverno a chegar e Mourinho confirmado no Tottenham, a saída do capitão do Sporting volta a estar em cima da mesa. Mourinho é representado por Jorge Mendes, o mesmo homem mandatado pelo Sporting para transferir Bruno no verão e esta relação, conjugada com a qualidade do médio, pode levar o Sporting a encher os cofres, mesmo que grande parte da verba, tivesse já destino. Do ponto de vista de Mourinho, ganharia um grande jogador que poderia ser formado na Premier League para render Eriksen (sempre ligado a uma saída para Espanha), por um preço (60 a 70 milhões) quase banal para um clube inglês da parte de cima da tabela. Do ponto de vista do jogador, seria o concretizar de um sonho, ainda para mais com um treinador português, mesmo que nas vésperas de Euro, haja sempre o risco de jogar menos e não ser convencido. Quem ficaria pior, seria o Sporting, dependente do seu melhor jogador e marcador, que teria que ir rapidamente ao mercado buscar mais do que um jogador para mitigar a falta de Fernandes. Mas, claro, a depauperada tesouraria poderá não conseguir negar o negócio.

Pág. 1/3