Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

O Milan anda perdido

Francisco Chaveiro Reis
09
Out19

pioli.png

O Milan continua perdido.  Marco Giampaolo chegou no verão após três anos interessantes na Sampdória mas após perder quatro dos setes jogos disputados pelo Milan na Série A, foi demitido. Segue-se Stefano Pioli que, aos 53 anos, apresenta um currículo pobre e a quem poucos auguram grande futuro em San Siro até porque Pioli será adepto do…Inter.

Olhando para a história recente do Milan, um dos grandes problemas estará no banco. Por lá passaram ex-jogadores sem provas dadas como treinadores, como Gattuso, Inzaghi, Seedorf, Montella ou Mihajlovic.  De experiência em experiência, o Milan tem-se afundado no futebol italiano, completamente dominado pela Juventus, com Nápoles e Inter a darem alguma luta. Com efeito, desde janeiro de 2014, já passaram 9 homens pelo banco do Milan.

O Milan não vence a liga italiana desde 2011 e a Champions desde 2007. O último trofeu conquistado foi a Supertaça de Itália, em 2016, nada que encha a barriga a adeptos que olham para o museu do clube e por lá vêm 18 campeonatos italianos, 5 taças, 2 supertaças e vários títulos internacionais, como 7 Ligas dos Campeões, 3 Taças Intercontinentais ou 1 Mundial de clubes.

Carlos Ancelotti (2001 a 2009) e Massimiliano Alegri (2011 a 2014) terão sido os últimos grandes treinadores de um Milan habituado a ter os melhores dos melhores a orienta-lo. É na falta de liderança que está na base do Milan atual. Tal como no banco, a estratégia de chamar ex-jogadores para ocupar cargos de gestão – Maldini, Boban e Leonardo – parece estar longe de resultar.

Os rossoneri terão saudades dos tempos de Sílvio Berlusconi que em 31 anos, guiou o clube em 29 conquistas (5 Ligas dos Campeões), graças ao seu carisma, dinheiro e influência, algo que falta ao Milan desde então.

Esta época, mesmo tendo em campo jogadores de qualidade como Piatek, Leão, Paquetá, Bonaventura ou Suso, dificilmente chegará sequer aos lugares europeus e terá que começar do zero na próxima época. Com novo treinador, aposto e novas contratações.

Craques da bola, 13

Francisco Chaveiro Reis
09
Out19

vassell.png

Hoje com 39 anos, Darius Vassell, antigo internacional inglês, é conhecido por cá por ter marcado a grande penalidade que Ricardo defendeu, sem luvas, no Euro 2004. Mas Vassell é muito mais do que isso. É um histórico do histórico Aston Villa e deixou para trás um rasto de golos.

Nascido em Birmingham, começou a jogar nas camadas jovens do Villa e estreou-se em 1998-1999, aos 19 anos. A concorrência era de peso: Dublin, Merson, Joachim (Yorke acabara de se mudar para o United). Vassell participou em 11 jogos e marcou por duas vezes. Ficaria no Villa Park até 2005, marcando um total de 45 golos em mais de 200 jogos. 2001-2002 foi a sua melhor época, com 15 golos marcados. No Villa, jogou ao lado de vultos como Barry, Hendry, Solano, Angel, Crouch ou Collymore.

Seguiu-se o Manchester City pré-fortuna, com uma estadia de quatro épocas. Pelo City fez 21 golos e partilhou balneário com Robinho, Jô, Sturridge, Caicedo, Bojinov, Bellamy, Dickov, Mpenza, Samaras ou Bianchi, apenas para enumerar concorrentes na posição.

Em 2009-2010, deixou-se seduzir pelo projeto do Ankaragücü e fez uma época na Turquia, ao lado de Rothen ou Geremi. Marcou apenas quatro golos e regressou a Inglaterra para dois anos no Leicester. Fez 6 golos em duas épocas na segunda divisão, encontrando os portugueses Ricardo (o tal do penalty), Miguel Vítor e Moreno.

Jogou 22 vezes pela seleção, marcando 6 golos. Jogou o Mundial 2002 e o Euro 2004, fazendo 7 partidas, mas não marcando nenhum golo. Não conquistou nenhum título.

Semedo estreia-se nas convocatórias de Portugal

Francisco Chaveiro Reis
03
Out19

Semedo-PANIGYRIKO_1.png

Há pouco mais de um ano, Ruben Semedo estava preso, em Espanha. Hoje, foi chamado à seleção nacional, pela primeira vez na carreira. Semedo fez a formação no Sporting, entre um problema disciplinar e outro, mas acabou por vingar como titular, na era Jesus, após seis meses no Vitória de Setúbal (antes passara pelo Reus). Depois de fazer 31 partidas em 2016-2017, foi contratado pelo Villarreal que por ele pagou cerca de 15 milhões. Não se deu bem pelo “Submarino Amarelo” e acabou por ter problemas com a lei, passando cinco meses atrás das grades. Decidido a renascer, ainda passou pelo Huesca, mas foi o Rio Ave que lhe deu a tranquilidade para renascer. Fez 14 jogos e marcou dois golos e rumou à Grécia. Orientado por Pedro Martins e com Podence ao seu lado (foram colegas no Sporting), Semedo é o patrão da defesa do crónico campeão grego e ontem até marcou um golo na Liga dos Campeões. Aos 25 anos, Semedo pode ser uma opção séria para a equipa A, numa altura em que Fonte, Alves e Pepe estão mais perto da reforma e a estreia pode ser no Estádio de Alvalade (11 de outubro, contra o Luxemburgo), campo que conhece tão bem. Na convocatória de hoje, destaque para os regressos de Ricardo Pereira, João Mário, André Silva e Bruma e para as saídas de Daniel Carriço, Francisco Ferro, Renato Sanches, Daniel Podence, João Cancelo e Diogo Jota.

Sporting visita Alverca

Francisco Chaveiro Reis
02
Out19

img_920x518$2013_10_02_15_50_00_824311.jpg

O Alverca, atualmente no Campeonato de Portugal, será o primeiro obstáculo do Sporting na defesa do título da Taça de Portugal. Hoje nas divisões secundárias, o Alverca chegou a ter anos interessantes na primeira divisão, chegando a vencer o Sporting. O Alverca estreou-se na primeira liga em 1998-1999, escapando por pouco à despromoção. Luís Filipe Vieira era o treinador e pelo banco passaram José Romão e Mário Wilson. Como adjuntos por lá passaram Raúl José e António Veloso. O plantel contava com nomes de peso do futebol português: Valente, Paulo Santos, Abel Silva, Valido, José Soares, Tozé, Maniche, Nandinho, Rui Borges ou Lima.  Juba e Caju, que passariam pelo FCP também faziam parte do projeto, bem como Faizulin, internacional russo que quando chegou a Alverca já passara pelo CSKA Moscovo, Racing Santander e Villareal. Nesse ano, Fernando Santos guiou o FCP ao penta e o Alverca ficou em igualdade pontual com o Rio Ave, deixando para Beira-Mar, Chaves e Académica, a agrura da descida.

No ano seguinte, o Alverca conseguiu alcançar a 11.º posição, a melhor de sempre. Caneira, Veríssimo, Sousa, Gaspar, Zé António, Kulkov, Alhandra, Nuno Assis, Duda e Paulo Costa juntaram-se à equipa, num ano em que um adolescente angolano começou a dar nas vistas: Pedro Mantorras. José Romão continuou como timoneiro. Em 2000-2001, o Alverca desceu um posto na classificação, já com Jesualdo Ferreira no banco e com reforços de peso: Zeferino, Manu, Chiquinho Conde, Pedro Martins, Ricardo Carvalho e Ricardo Esteves. As duas participações seguintes acabariam em descida, em 2002 e 2004.

Vamos então aos jogos com o Sporting, em casa. A 17 de abril de 1999, 3-2 com um hat-trick de Nandinho, extremo que passou pelo Benfica e deu nas vistas no Salgueiros e Gil Vicente. Edmilson e Quim Berto marcariam pelo Sporting. A 17 de outubro de 1999, o Alverca bateu o Sporting por 2-1. Rui Borges e Anderson Luiz bateriam Schmeichel (pelo Sporting marcou Rui Jorge). Já a 17 de fevereiro de 2001, nova vitória, desta vez por 3-1. Zé António, Milinkovic e Mantorras. Spehar marcou pelo Sporting. Em janeiro de 2002, a primeira vitória do Sporting em Alverca. Jardel marcou três vezes, Caju, uma. Em outubro de 2003, 1-2, com Torrão a marcar pelos da casa e Rochemback e Liedson, pelo Sporting. O duelo será reeditado no Ribatejo, a 20 de outubro. 

Ufa

Francisco Chaveiro Reis
01
Out19

transferir.jpg

Não foi brilhante (muito longe disso) mas o Sporting venceu, não sofreu nenhum golo e subiu ao quinto posto. Na estreia de Silas, contra o Aves de Inácio, último classificado, o Sporting entrou em campo sem Acuña nem Wendel, que acusaram o desgaste físico, num 4-4-2 com Eduardo a fazer o meio com Doumbia, Fernandes e Vietto nas alas e Bolasie e Jesé a fazerem de avançados. Foi Eduardo, velho conhecido de Silas, que mais perigo levou à baliza avense, chegando a atirar uma bola à barra. O Sporting chegaria ao único golo da partida a cerca de dez minutos do fim, já com Wendel, Acuña e Phellype em campo, através de uma grande penalidade. Bolasie foi carregado e Fernandes fez o golo. Segue-se o LASK Linz, na quinta-feira.

Pág. 3/3