Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Sporting já trabalha

27.06.19, Francisco Chaveiro Reis

valentin-rosier-375535-ub-800.png

Estão hoje na Academia - Renan, Max e Sousa; Thierry; Mathieu, Neto, Ilori, Ivanildo; Mendes e Conté; Doumbia, Battaglia e Miguel Luís; Chaby e Bragança; Raphinha, Jovane, Marques, Iuri e Matheus; Dost, Vietto e Phellype.

Devem chegar em breve - Rosier, Eduardo e Camacho. 

Deve sair em breve - Bruno Fernandes.

Chegam mais tarde - Ristovski, Gaspar, Coates, Domingos, Borja, Acuña, Wendel e Diaby. 

Milhões holandeses

26.06.19, Francisco Chaveiro Reis

ziyech_render__ajax__by_tychorenders_dcj2olw-pre.p

O PSV parece estar prestes a apresentar Bruma (já contaram com outro Bruma, defesa e holandês, há pouco tempo) como reforço, levando a melhor sobre o FCP. Os holandeses (devem perder Lozano) preparam-se para gastar 15 milhões e oferecer um senhor ordenado à adiada promessa portuguesa. Já o Ajax, apresentou Quincy Promes, extremo internacional holandês, não raras vezes titular da seleção e com passagens por Rússia e Espanha. O custo foi semelhante ao de Bruma. Nos dois casos, os valores foram altos e os clubes holandeses seduziram jogadores que atuavam em ligas de maior dimensão. E isso só se faz de uma forma, inventada pelos Fenícios. Quer isto dizer que o futebol holandês, formador de craques, está a mudar? Em parte, sim. As equipas de topo entusiasmam-se com a possibilidade de terem sucesso continental e investem para o ter. O retorno é investido para repetir o sucesso. Mas este investimento não é igual ao fim da aposta em jovens, matriz da filosofia holandesa. Nos últimos anos, o Ajax investiu quase 12 milhões em Dusan Tadic (pela idade, não conta fazer negócio com o sérvio) e valores aproximados em David Neres ou Hakim Ziyech. Estas contratações não impediram o aparecimento dos “bebés” De Ligt, Frenkie De Jong ou Van de Beek. O racional parece correto e invejável: apostar no que se tem e contratar, mesmo que preço alto, o que não se tem.

Semedo em Atenas

26.06.19, Francisco Chaveiro Reis

ruben-afonso-semedo-197635-sp-300.png

Ruben Semedo acaba de ser anunciado como reforço do Olympiacos, após boa meia época no Rio Ave. O Villareal acaba por reaver um terço do que investiu num jogador que teve problemas com a justiça; o Sporting encaixa quase um milhão de euros e  o jogador, apesar de se mudar para uma liga periférica, entra num clube habituado a ganhar títulos internos, com muitos e fanáticos adeptos, com boas condições financeiras e com colegas (reencontrará Podence, com quem jogou no Sporting) e uma equipa técnica portugueses. Semedo deve impor-se facilmente como titular e é provável que o Olympiacos volte a ser campeão, depois de ter perdido o titulo desde ano para o PAOK e que se posicione como opção para o Euro 2020 (Pepe, Alves e Fonte não estão mais novos e Neto pode ser suplente de Mathieu e Coates).

Os novos chineses

24.06.19, Francisco Chaveiro Reis

ehfjs2ya6a88o00gwc.png

O futebol chinês está a entrar numa nova era: a dos naturalizados. Mesmo com a regra de cada equipa ter que jogar com pelo menos oito chineses, a evolução é lenta e a naturalização de estrangeiros parece ser a receita para melhorar a seleção e, claro, um truque para ter mais estrangeiros e mais qualidade, de modo disfarçado.  Um dos recém-naturalizados é Pedro Delgado, sem qualquer ligação à China, que deixou o Sporting há cerca de um ano. O extremo de 22 anos, pode agora passar a ser opção no Shandong Luneng, onde Gil, Fellaini e Pellè são as opções habituais, sem contar com Roger Guedes, que pode estar de saída. Com passagens pelo Inter e Portimonense, Delgado passa a ser conhecido como De'erjiaduo. Mais do que Delgado, Marcelo Lippi, olha para jogadores com mais tempo e serviço mostrado na liga chinesa.

Nos últimos tempos, Nico Yennaris, médio das escolas do Arsenal, passou a ser Ki Le e Elkeson, uma das grandes estrelas goleadoras da liga chinesa, nos últimos anos (138 golos em cerca de 220 jogos), também já é chinês, passando a ser conhecido como Ai Jisen. O próximo é Ricardo Goulart, que desde 2015 que defende o Guangzhou Evergrande (com uma interrupção e 2017 para fazer 12 jogos pelo Palmeiras). Goulart, de 28 anos, menos um do que Elkeson, fez 110 golos em 155 partidas.

Aleluia

24.06.19, Francisco Chaveiro Reis

[UNSET].png

Brasil e Argentina, ao terceiro jogo, decidiram comparecer na Copa América. Os anfitriões, que até tinham vencido a modesta Bolívia antes de empatar com a Venezuela, defrontaram o Perú, equipa supostamente mais difícil até agora e levaram tudo à frente. Tite cedeu à opinião pública e em boa hora lançou o médio Everton Cebolinha. O Brasil não foi de modas e fez uma das melhores exibições dos últimos anos, goleando por 5-0 (Gabriel falhou um penalty que daria o sexto golo). Casemiro, Firmino, Everton, Dani Alves e William fizeram a festa. O Brasil, de animo renovado, espera pelo adversário dos quartos.

Já a Argentina, ao terceiro jogo, venceu. É verdade que foi apenas 2-0 ante do Catar mas Messi e companhia mostraram que afinal, ainda sabem o que fazer com uma bola. Já Scaloni mostrou que não é vazio de ideias. A bem organizada Venezuela será o tira-teimas.

Alheia a estas crises, continua a Colômbia. Três jogos – Argentina, Catar e Paraguai – três vitórias. Carlos Queirós arrisca-se a trazer felicidade do Brasil. A meu ver, Colômbia e Chile são, nestes momentos, os favoritos. Com duas vitórias, os chilenos defrontam hoje o Uruguai.

Regresso ao trabalho

24.06.19, Francisco Chaveiro Reis

Luciano-Vietto-Atletico-Madrid.png

Esta semana marca o reencontro do plantel do Sporting com o trabalho. Mas, a bem da verdade, plantel é coisa que ainda não existe.  Para já, estão garantidos os reforços Luís Neto e Luciano Vietto. Rosier e Eduardo Henrique estarão a caminho. Rafael Camacho e Lucas Robertone são desejos. Na porta de saída estão Bruno Fernandes, Bas Dost e Marcus Acuña, titulares com capacidade de equilibrar as contas. Depois há excedentários e emprestados. Vejamos o quadro.

Guarda-redes: Renan, herói das Taças mantem-se como número 1. Max sobe a dois e Sousa, a três. Faria falta mais experiência, mas não será por aqui que o plantel falhará. Salin já foi e Viviano tem pretendentes em Itália. Se poupar é a palavra de ordem, aqui, objetivo cumprido.

Lateral-direito: Rosier está a chegar e pelo preço e pergaminhos, deve agarrar a titularidade. Internacional jovem francês tem tudo para se dar bem e ser um bom negócio. Gostava de ver um dos jovens – Thierry ou Mama – serem opção, mas dada a juventude do francês, creio que Ristovski se vai manter. Thierry deve rodar num clube da primeira liga e Mama Baldé está para ser incluindo no negócio com o Dijon. Bruno Gaspar nunca convenceu e será transferido.

Defesa-esquerdo: Borja está garantido e Conté deve rodar noutro clube. De resto, dúvidas. Jefferson, quase no fim do contrato é para vender e Acuña, na Copa América como Borja, pode sair. O Sporting aceita 20 milhões. Por um jogador de qualidade e polivalente, não é nada mau negócio para clubes ingleses, espanhóis ou italianos. O adolescente Nuno Mendes faz a pré-temporada, mas deve mesmo chegar mais um homem para a esquerda da defesa. Lumor nem deve treinar.

Defesa-central: Não deve mudar muito. Ficam Coates, Mathieu e Ilori. Chega Neto. Pinto será transferido e Ivanildo novamente transferido. A meu ver, Domingos, após grande época na Corunha, seria opção (troca com Ilori) mas a possibilidade de vender o jovem, é interessante para um clube a precisar de fazer dinheiro.

Médio-centro: Keizer deve continuar a alternar entre o 4-3-3 e o 3-4-3. Nesse sentido, precisa de uma boa dupla de médios centros. Até aqui, tinha Gudelj e Wendel. É provável que o sérvio não se mantenha, uma vez que estava emprestado e era demasiado caro. Titular, nunca convenceu as bancadas e não deve merecer esforço financeiro. Wendel, vencedor em Toulon, desertou interesses. O Sporting estará no mercado, mesmo tendo Doumbia, Miguel Luís e Battaglia. Eduardo deve estar a chegar, mas Gudelj terá outro substituto.

Médio ofensivo: A saída de Fernandes é quase certa e espera-se que pague o resto dos reforços. Há os jovens Daniel Bragança e Diogo Brás; há Alan Ruiz e Iuri Medeiros (acredito que possa render nesta posição) e há o alegado interesse em Robertone. Anda assim, até Fernandes sair, tudo parece incerto, sobretudo no meio-campo.

Extremos: Raphinha é aposta para a direita e Camacho deve ser a sua concorrência. Jovane deve ser cedido e Pedro Marques não deve subir já. Duvido que Mané, se possa manter ou gerar grande lucro. Pela esquerda, Matheus vai tentar convencer Keizer, sendo que uma proposta na ordem dos 10 milhões, pode convencer o Sporting. Diaby não tem o lugar certo e o Sporting quererá um extremo de qualidade inequívoca. Lá está, quando tiver o dinheiro de Fernandes.

Ponta de lança: Luiz Phellype terminou em grande e Vietto traz um perfil diferente e que pode ser útil. Quem será o terceiro homem? Dost está avaliado em 20 milhões que as maiores ligas parecem não querer pagar. Até aposto que fica por cá. Se não ficar, Slimani é a prioridade.

San Siro vai abaixo

24.06.19, Francisco Chaveiro Reis

csm_STADIUM-RED_afcd740548.png

O icónico estádio San Siro (Giuseppe Meazza para os interistas) tem os dias contados. O recinto, inaugurado em 1926 e sede de jogos de dois mundiais e de quatro finais de Liga dos Campeões, vai ser demolido. Ali perto, vai nascer um novo e moderno estádio, nova casa dos gigantes de Milão. Dos clubes de topo em Itália, apenas a Juventus, tem um estádio de acordo com as exigências do futebol atual. Sempre defendi que uma das razões para a queda do futebol italiano estava nas suas infraestruturas datadas. Os espetadores, jogadores e todos os intervenientes do jogo, valorizam estádios modernos, muito mais quando estamos a falar de dois clubes – Milan e Inter – referências do futebol mundial.

Mas claro que San Siro deixará saudades. É um dos estádios mais reconhecíveis do mundo e foi nela que jogaram fabulosas equipas do Milan e do Inter, sem contar com adversários de todo o mundo. San Siro, com capacidade para 80 mil pessoas, é propriedade da Camara Municipal de Milão (comprou-o ao Milan, nos anos 30) e nos seus tempos áureos chegou a albergar 120 mil pessoas. No seu relvado, exibiram-se lendas como Cesare e Paolo Maldini, Baresi, Costacurta, Ancelotti, Gullit, Rijkaard, Liedholm, Nordhal, Gren ou Rivera pelo Milan ou Meazza, Zenga, Bergomi, Facchetti, Mazzola, Luis Suarez, Zanetti ou Milito. Outros (como o próprio Meazza, apesar de ter muitos mais jogos pelo Inter), como Ronaldo, Seedorf, Panucci, Pirlo, Baggio ou Vieri vestiram as duas camisolas.

Tal como o Olímpico de Munique ou o “velho” Wembley, o San Siro ficará para sempre na memória dos adeptos de futebol.

 

 

Casa Pia vence Campeonato de Portugal

23.06.19, Francisco Chaveiro Reis

Casa_Pia_AC_Crest.png

Com presença garantida na segunda liga da próxima época, Vilafranquense e Casa Pia foram ao Jamor decidir quem seria o vencedor do Campeonato de Portugal, nome pomposo para a terceira divisão. E quem mais festejou foi o Casa Pia. Os “Gansos”, de Luís Loureiro, levaram a melhor nas grandes penalidades e fizeram a festa.

Arranca hoje o CAN 2019

21.06.19, Francisco Chaveiro Reis

11089.png

Começa hoje a jogar-se, no Egito, mais uma edição do Campeonato Africano das Nações, naquela que será, pela primeira vez, uma prova com 34 equipas (há várias estreias) e joga-se em junho e julho em vez de janeiro e fevereiro. Tal como nas últimas quatro edições, o país organizador não é a primeira escolha. Os Camarões não conseguiram dar garantias e a edição de 2019 passou para o Egito.

O CAN 2019 abre com um jogo entre a equipa da casa, liderada pelo campeão europeu, Mo Salah e o modesto Zimbabué, uma equipa sem nomes reconhecíveis, mesmo que cinco dos jogadores atuem na Europa. Já o Egito enfrenta este Grupo A com ambição e tem todas as condições de o vencer e de vencer a competição, no seu todo, algo que já fez 7 vezes, mais do que qualquer outra equipa do continente. Javier Aguirre conta, para além de Salah, com Hegazy (WBA), Elmohamady (Aston Villa), Trezeguet (Kasimpasa) ou El-Neny (Arsenal). Al Ghazy (Feirense) e Hassan (Olympiacos) e Warda (Atromitos), com passagens por Portugal também integram o grupo. Uganda e R.D. Congo fecham o grupo. A República Democrática do Congo (2 títulos do CAN) conta com alguns jogadores bastante interessantes – Bakambu (B. Guan), Bolasie (Anderlecht), Bolingi (Antuérpia), Assombalonga (Middlesbrough), Mpoku (Liége) ou o portista Mbemba – e é séria candidata a segunda classificada do Grupo A. Por fim, o Uganda, composto por jogadores desconhecidos, tal como o Zimbabué.

No Grupo B, mora a poderosa Nigéria, vencedora de três CAN, a última em 2013. Musa (Al Nassr), Iwobi (Arsenal), Osimhen (Brugge), Kalu (Bordeús), Onyekuru (Galatasary) ou Chukwueze (Villareal) serão setas apontadas às balizas adversárias. Mas o meio campo – Mikel (Middlesbrough), Ndidi (Leicester) ou Etebo (Stoke) – e a defesa – Troost-Ekong (Udinese), Balogon (Brighton) ou Omeruo (Leganés), garantem solidez. Burundi, Guiné Conacri e Madagáscar não parecem ser adversários à altura. O Burundi conta com Berahino, que se pensava ser uma estrela em ascensão do futebol inglês, mas que aos 25 anos não cumpriu as suas promessas e com Nduwarugira, médio do Amora. Madagáscar, terra de nomes grandes e impronunciáveis (Razakanantenaina, Andrianarimanana, Rakotoharimalala, Nomenjanahary ou Andriatsima) terá pouco a dizer na conversa futebolística. A Guiné Conacri será o adversário mais difícil para a Nigéria, uma vez que conta com Naby Keita (Liverpool), Kamano (Bordéus), Ibrahima Traoré (Borussia Mochengladbach), Ibrahima Cissé (Fulham), Amadou Diawara (Nápoles) ou Falette (Frankfurt).

No Grupo C, habita a Argélia (um título) de Slimani (Fenerbahce), Brahimi (FC Porto), Feghouli (Galatasary), Mahrez (Manchester City) e Ounas (Napóles). Halliche, do Moreirense, também fez a viagem. O Senegal de Sadio Mané (Liverpool), Mbaye Diagne (Galatasary), Keita Baldé (Inter), M’Baye Niang (Rennes) ou Gana Gueye (Everton) promete ser a segunda melhor equipa do grupo. O Quénia de Wanyama (Tottenham) e a Tanzânia do goleador Samatta (Genk) fecham o grupo.

No D, a Costa de Marfim (vencedora duas vezes), já não tem Drogba, nem os irmãos Touré mas tem a nova estrela Nicolas Pépé (Lille) a liderar uma equipa que mistura jovens – Cornet (Lyon), Sangaré (Toulouse), Kessie (Milan) ou Gbamin (Mainz) – com jogadores experientes – Gradel (Toulouse), Seri (Fulham), Aurier (Tottenham) ou Zaha (Crystal Palace). O grande perigo será Marrocos. Os magrebinos contam com Boufal (Celta), Belhanda (Galatasary), Saiss (Wolves) ou Ziyech (Ajax). Manuel da Costa (filho de pai português) volta a estar na lista, depois de ter estado no Mundial. África do Sul e Namíbia pouco devem acrescentar.

No Grupo E, a Tunísia é cabeça de cartaz. Vencedora da prova em 2004, conta com Sliti (Dijon) e com um coletivo forte e experiente. O Mali de Diaby (Sporting), Marega (FC Porto) e Sacko (Guimarães).    Kiki Kouyaté, que já passou por Alvalade também está na lista. Angola, com Wilson Eduardo (Braga), Mateus (Boavista), Evandro Brandão (Leixões), Dala (Rio Ave) ou Bruno Gaspar (Sporting) já estão no Egito. A Mauritânia, sem grande história, fecha o grupo.

Por fim, o grupo dos Camarões. Se por um lado, são os campeões em título e a segunda melhor equipa da história da CAN (5 títulos), por outro, uma série de confusões financeiros adiam a partida da comitiva para o Egito. Caso aterrem na CAN, os Camarões pós-Eto´o, são uma das equipas favoritas e contam com Onana (Ajax), Zambo (Fulham), Njie (Marselha), Tagueau (Marítimo) ou Bassogog (Henan Jianye). O Gana (vencedor por quatro anos), conta com Asamoah Gyan (Kayserispor), Andre Ayew (Fenerbahce), Jordan Ayew (Palace), Thomas Partey (Atlético) ou Atsu (Newcastle). Num grupo onde todos os países têm bandeiras com cores verdes, vermelhas e amarelas, a Guiné Bissau tem uma comitiva com 12 jogadores que atuam em Portugal e o Benin tem em Mounié, do Huddersfield Town, a sua estrela maior.

Pág. 1/3