Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Mundial 2018 - Os mais novos

05.06.18, Francisco Chaveiro Reis

1_630_1120_1_70__News_GettyImages-963315322.jpg

Daniel Arzani, Austrália, avançado, 19 anos

Kylian Mbappé, França, avançado, 19 anos

Achraf Hakimi, Marrocos, defesa-direito, 19 anos

Francis Uzoho, Nigéria, guarda-redes, 19 anos

Alexander-Arnold, Inglaterra, defesa-direito, 19 anos 

Cazorla regressa a casa

05.06.18, Francisco Chaveiro Reis

santi_cazorla_spain_57408.jpg

A carreira de Santi Cazorla tem sido marcada por lesões nos últimos anos. O médio não joga desde outubro de 2016. Depois de seis anos ao serviço do Arsenal, o talentoso médio espanhol acabou contrato e regressa ao Villareal onde jogou entre 2002 e 2011 (ainda passou um ano no Málaga antes de chegar a Londres). Aos 33 anos, não mais voltará a ser o mesmo mas quererá ainda um ou dois anos de alguma estabilidade antes de arrumar uma carreira que teve tudo para ser ainda melhor. Ainda assim, venceu dois Campeonatos da Europa pela sua seleção; três Taças e uma Supertaça de Inglaterra e uma Taça Intertoto pelo Villareal.  

Mundial 2018 - Os mais velhos

05.06.18, Francisco Chaveiro Reis

rjhlwwi1vdms9nguivie.jpg

Essam El Hadary, Egito, guarda-redes, 45 anos

Rafa Marquez, México, defesa-central, 39 anos

Sergei Ignashevich, Rússia, defesa-central, 39 anos 

Tim Cahill, Austrália, médio ofensivo, 38 anos

José Corona, México, guarda-redes, 38 anos

Rui

01.06.18, Francisco Chaveiro Reis

23959095_770x433_acf_cropped.jpg

Por um lado, o dia começou como tantos outros nas últimas semanas. Com Bruno de Carvalho agarrado ao poder, a cancelar a Assembleia Geral que o destituiria. E por muito que repita que o não está, as suas palavras e ações só mostram que está. Até admito que seja o seu amor ao clube e o sentido de missão que o agarrem mas visto deste ângulo parece-me mais a pouca vontade de deixar uma cadeira de sonho, principescamente paga.

 

Por outro, o dia acabará, inevitavelmente, com o Sporting ainda pior do que já estava. Rui Patrício, um dos grandes símbolos do clube, avançou para a rescisão unilateral de contrato alegando, sem grande surpresa, ter sido vítima de violência física e psicológica por parte do presidente do Sporting. Há um documento detalhado que dá conta disso mesmo e que contribui pouco para a imagem do clube, dando continuidade a um clima de “lavar de roupa suja em público”.

 

Rui Patrício, Campeão da Europa e um dos melhores guarda-redes da Europa, sai assim a custo zero apesar de ter tentado deixar alguns milhões no clube que o formou, mostrando, a meu ver, mais caracter do que aquele que a atual direção merecia. Foi Bruno de Carvalho a vetar o negócio. O Sporting não ganharia o merecido mas ganharia alguma coisa (10 milhões?).

 

Poderá ser verdade que o empresário Jorge Mendes se aproveitou da situação mas fazer negócios rentáveis é o seu core. O Sporting, na figura do seu presidente é que não poderia dar o flanco. E deu. Numa luta de popularidade, um presidente com 5 anos de futebol não pode vencer os jogadores de futebol, esses sim, os verdadeiros heróis para os adeptos. Nas últimas semanas, o presidente tem tentado ser mais popular do que os jogadores. Está condenado a fraquejar, sobretudo quando quase nada venceu no futebol sénior masculino. Vencendo o campeonato, os adeptos podem aturar muita coisa. Assim, não. 

 

Adivinham-se mais rescisões – William, Acuña ou Battaglia – o que será uma tragédia desportiva e económica. O Sporting corre para ser um clube sem médicos, massagistas, treinadores ou jogadores. Mas com um presidente.

Zidane deixa Madrid

01.06.18, Francisco Chaveiro Reis

unnamed.jpg

Foi a surpresa do último dia de maio. Sem que nada o fizesse crer, Zidane anunciou o adeus ao banco do Real Madrid, dizendo que não vai para outro clube e que o Real precisa de sangue novo. Com três Ligas dos Campeões vencidas consecutivamente, o francês precisará de um novo desafio. Afinal, ganhar também se pode tornar chato.

Pág. 12/12