Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Mundial 2018: Portugal passa em segundo

Francisco Chaveiro Reis
25
Jun18

imgS620I224456T20180625200707.jpg

Portugal 1 Irão 1

espanha-x-marrocos-25062018165545233.jpeg

Espanha 2 Marrocos 2 

 

Análise

O Grupo B fica marcado pela competitividade do Irão, que arrancou um empate a Portugal e quase arrancou outro a Espanha. Ainda assim, a equipa de Queiroz fica pelo caminho, com o português a queixar-se constantemente da arbitragem. Passa a Espanha, que mudou de treinador dias antes do Mundial, com fraca imagem mas pontos suficientes. Portugal também desiludiu, fez fracas exibiçoes mas segue para os oitavos. Os talentos individuais marroquinos de nada serviram. Segue-se um Uruguai-Portugal e um Espanha-Rússia.

 

Mundial 2018: Uruguai goleia Rússia que consegue passar aos oitavos

Francisco Chaveiro Reis
25
Jun18

25.06-uruguai-x-russia-capa--840x560.jpg

Uruguai 3 Rússia 0

5b30fe203dc4b.jpeg

Arábia Saudita 2 Egipto 1

 

Análise

No Grupo A, a grande surpresa foi a boa prova da Rússia que venceu os dois primeiros jogos, marcando 8 golos e convencendo o seu público. Continuo a achar que não sobrevive aos oitavos mas já deixou uma imagem mais sólida do que a esperada. Contra Espanha ou Portugal, tal como contra o Uruguai, as suas fragilidade virão ao de cima. O Uruguai, mais experiente, dominou e venceu todos os adversários, apesar de não ter jogado o bom futebol de outros anos. A Arábia, fragilizada pela goleada com a Rússia, deu boa resposta contra o Uruguai e melhor hoje, vencendo o Egito, a grande desilusão. Mesmo a meio gás, Salah conseguiu marcar dois golos mas o Egito deixa fraca imagem. 

 

Diário do Caos: O empresário que já endireitou o Sporting uma vez

Francisco Chaveiro Reis
25
Jun18

img_770x433$2018_06_24_19_57_35_1414182.jpg

Sousa Cintra, empresário de sucesso e conhecido por ter um estilo único, regressa ao seu adorado Sporting para, 29 anos depois, voltar a arrumar a casa. Não permanecerá depois de setembro mas encontra o mesmo clube sem fundos ou esperança que encontrou em 1989, antes de o pacificar e devolver a fé. Conseguirá fazer o mesmo, com menos tempo e mais idade?

José de Sousa Cintra, nascido em Vila do Bispo em 1944, é um homem que construiu o seu destino. Trabalhou no seu Algarve natal antes de se mudar para Lisboa onde foi ascensorista do Hotel Tivoli e onde se alistou na Marinha. Foi como intermediário na compra e venda de pequenos terrenos no Algarve e Alentejo que começou a fazer algum dinheiro. Com cerca de trinta anos tornar-se presidente da AIP e alcança sucesso imobiliário – e o primeiro milhão de contos – no Brasil. Aos 40, compra Vidago Melgaço, Pedras Salgadas (VMPS) que venderia à Jerónimo Martins, dez anos depois. Dedica-se à Cintra, a sua cerveja e volta a ter muito sucesso no Brasil, abrindo uma fábrica em Santarém, na qual investe 75 milhões. Criou uma fundação com o seu nome em 2010 e anos depois, o seu nome vem a público, quando a sua Portfuel consegue luz verde do Governo para avançar na pesquisa de petróleo no Algarve.

Chegou ao Sporting em 1989, ficando até 1995, cumprindo três mandatos de dois anos. Fica conhecido por uma série de partes gagas, mas conquista a simpatia dos sportinguistas pela sua personalidade única. Ainda assim, despediu Bobby Robson (no avião, após uma derrota por 0-3 em Salzburgo, numa altura em que o Sporting estava em primeiro, pela primeira vez em 15 anos). A despedida do inglês, que iniciaria um percurso de sucesso no FCP, teve ainda o efeito colateral do acidente de Cherbakov, depois da festa de despedida.

Nunca ganhou nada no clube. Apesar de ter sido presidente quase toda a época, o cargo já era de Santana Lopes na Final da Taça de 1995, vencida contra o Marítimo com bis de Iordanov, numa equipa que contava com Figo, Balakov ou Amunike. Voltemos atrás. Quando chegou, o Sporting sofria grande crise e até Figo e Peixe, estrelas dos juniores, estiveram quase a ir para o Benfica. Com muito do seu dinheiro, Sousa Cintra arrumou a casa e apostou forte. Contratou Marinho Peres que levou a equipa às meias da Taça UEFA. Foi ainda responsável pela contratação do Professor Carlos Queiroz. Tal como Bruno, vencer, só fora do futebol. Venceu títulos internacionais no hóquei em patins e no atletismo e o tricampeonato de voleibol.

Uma coisa, Sousa Cintra fez bem. Contratar jogadores. Basta lembrar os nomes de Balakov, Iordanov, Amunike, Ivkovic, Juskowiak ou Valckx. “Roubou” ainda Paulo Sousa e Pacheco ao Benfica, algo que ainda está presente na mentalidade do clube.

 

Perguntas para Sousa Cintra:

Mantem Mihajlovic? Contrata outra opção ou aposta em Inácio, por enquanto?

Quem o ajudará no futebol? Mantém Inácio? Conta com Futre?

Consegue reverter a rescisão de algum jogador? Pelo menos para fazer algum encaixe?

Consegue contratar jogadores de qualidade que aninem os adeptos? Como se pagam?