Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Visão do Peão

100 anos de Belenenses

23.09.19, Francisco Chaveiro Reis

Os_Belenenses.png

O Clube de Futebol “O Belenenses”, campeão em 1946 e vencedor de três Taças de Portugal, comemora hoje 100 anos. Quase ninguém imaginaria era que, neste dia de festa, o Belenenses não estivesse na primeira divisão, que ajudou a fundar.

O Belenenses está nos distritais de Lisboa e ontem goleou o Águias de Camarate por 1-4, liderando o seu campeonato. Longe vão os tempos de Matateu, glória suprema do clube ou mesmo de Jorge Jesus, que levou os de Belém à Liga Europa e chamou o Bayern de Munique ao Restelo. Na primeira divisão está o Belenenses SAD, já obrigado a jogar com nome e símbolos que não se confundam com o original.

A 23 de setembro de 1919, nascia, num banco de jardim de Belém, um dos históricos clubes portugueses. O primeiro jogo sucederia em novembro e seria uma derrota (0-1) com o Vitória de Setúbal. A história dos anos seguintes foi de glória. Nos anos 20 e 30, venceu por 3 vezes o Campeonato de Portugal (diferente do Nacional) e 4 vezes o Campeonato de Lisboa.

Os anos 40, foram ainda melhores. Em 1946, o Belenenses foi campeão e escreveu a mais bela página da sua história. Artur Quaresma, Mariano Amaro, Serafim das Neves, Vasco Oliveira, Armando, Feliciano, Francisco Gomes, António Capela, Rafael Correia, Manuel Andrade, José Pedro, Elói, Mário Coelho, José Sério, Francisco Martins, Mário Sério e António Martinho eram as estrelas, treinadas por Augusto Silva. Na defesa moravam as intransponíveis, “Torres de Belém”.

Os anos 50 ficaram marcados por um quase-campeonato. A jogar em casa, o Belenenses, já com Matateu, tinha que vencer o Sporting, mas um golo de Martins, ao cair do pano, deu o 2-2 e foi o Benfica a festejar. Em 1956, o Belenenses venceria mesmo o Sporting por 2-1 mas na inauguração do Estádio do Restelo, deixando para trás o Campo das Salésias. No Restelo dos anos 50, para além de inúmeros clubes nacionais, perderam Barcelona, Newcastle ou Saint-Étienne. Ao lado de Matateu, brilharam Yaúca e Di Pace. Pelo banco passaram

Nesta década caem no Restelo clubes como o Newcastle (2-1, com a Rainha Isabel II a assistir), Saint-Étienne (3-1, campeão francês na época) e o Barcelona (2-1), destacando-se ainda as goleadas impostas frente ao Braga (9-3) e Vitória FC (9-1). Para tais resultados, muito contribuiu a magia de jogadores como Matateu, Yaúca e Di Pace. No banco destacaram-se Fernando Riera, que passou pelo Sporting, Benfica, FC Porto e Boca Juniors ou Helenio Herrera, nome grande do Inter de Milão que em 1958 trocou Belém pelo Barcelona.

A construção do Estádio do Restelo acabaria por pesar nas contas e mesmo tendo vencido a segunda Taça de Portugal da sua história e participado nas competições europeias, o Belenenses fiou aquém das expetativas. Nos anos 70, o melhor que se conseguiu foram duas presenças no top-3.

Nos anos 80, o Belenenses interrompeu a sua participação na primeira divisão e jogou na segunda em 1982. Não conseguiu regressar à primeira e apenas em 1984 regressou ao convívio dos grandes. A entrada de Marinho Peres, treinador brasileiro, deu força ao Belém que venceria a Taça em 1989 depois de um terceiro lugar no ano anterior. Os anos 90, 2000 e 2010 foram de sobe e desce até à situação atual que obriga o clube a começar quase do zero.

O Belenenses é mais do que futebol, mas são os seus futebolistas que ficam para a história. Matateu e Vicente, irmãos, serão os dois nomes maiores da história do clube. Matateu, avançado, jogou pelo Belenenses entre 1951 e 1964 e o defesa, de 1954 a 1967.

Um onze possível de históricos teria José Pereira na baliza; António Feliciano, Alfredo Quaresma, Wilson e Vicente na defesa; Di Pace, Neca e Alfredo Quaresma no meio e Matateu, Pepe e Iauca no ataque. Nos anos

 

Curiosidades

O Belenenses foi convidado de honra do Real Madrid, tendo participado no jogo de inauguração do Santiago Bernabeu, em 1947 e voltado em 1972 para comemorar os 25 de existência do estádio;

Nos anos 80, José Mourinho, esse mesmo, fez um hat-trick pelo Belenenses, no 17-0 ao Vila Franca, para a Taça de Portugal;

Ronaldo Fenómeno, marcou no Restelo, numa partida amigável entre Cruzeiro e Belenenses (0-2).