Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Visão do Peão

Visão do Peão

Sporting apanha Atalanta

Oitavos da LE

Francisco Chaveiro Reis
23
Fev24

Cópia de Design sem nome (1).png

O Sporting vai reencontrar a Atalanta nos oitavos de final da Liga Europa, após um primeiro duplo confronto na fase de grupos. A primeira mão é em Lisboa, já a 5 de março, o que coloca em risco a receção ao Farense, que estava prevista para dia 3.

Campeonato e risco de ficar com dois jogos a menos à parte, o sorteio foi relativamente simpático para o Sporting que evitou Liverpool e Leverkusen. A 5 e outubro, o Sporting perdeu em casa com a Atalanta, num jogo pareceu entrar tolhido, mas no qual dominou a segunda parte. O 1-2 pareceu “mentiroso”. Em Bérgamo, o resultado foi 1-1. O Sporting parte para a eliminatória com pelo menos 50% de hipóteses de seguir em frente.

Sporting nos oitavos

4-2

Francisco Chaveiro Reis
23
Fev24

Cópia de Design sem nome.png

Como se esperava, o Sporting está nos oitavos da Liga Europa. E, também como se esperava, o Young Boys, de Berna, veio a Alvalade mostrar muito pouco futebol. O que não se esperava era um empate. Amorim rodou um pouco a equipa, dando descanso a Coates, Geny, Santos, Morita e Pote, todos prováveis titulares no domingo, em Vila do Conde e o Sporting, mesmo em ritmo baixo, dominou toda a partida. O ritmo leonino desceu ainda mais quando Gyokeres fez o 1-0 e o 4-1 na eliminatória. Depois, um festival de golos falhados, com destaque para a incapacidade de Edwards fazer o segundo, de baliza aberta. Na segunda parte, mais do mesmo, com Bragança a assumir o papel de rei do desperdício. Gyokeres até falhou uma grande penalidade (e foi imediatamente incentivado pelas bancadas) mas o segundo golo da noite seria das “abelhas” de Berna. De penalty, Ganvoula fez o 1-1 final. Nas bancadas, quase 30 mil. Daqui a nada, há sorteio podendo sair ao Sporting os tubarões Liverpool ou Leverkusen ou boas equipas, como Brighton, Villarreal ou West Ham. 

Morreu Artur Jorge

Líder do FCP campeão europeu

Francisco Chaveiro Reis
22
Fev24

Cópia de Design sem nome (3).png

 

Aos 78 anos, morreu Artur Jorge, ponta-de-lança do Benfica e FCP e campeão europeu pelos portistas. Nascido no Porto, foi no FCP que se estreou como sénior, tendo pouco depois rumado a Coimbra, para 4 anos com muitos golos (94), pela Académica. Seguiram-se 6 anos no Benfica e mais de 100 golos. Passou ainda pelos Belenenses e teve uma experiência nos EUA. Jogou 16 vezes por Portugal marcando uma vez, ao Chipre.

Destacou-se ainda mais como treinador. Começou como adjunto de Pedroto em Guimarães e, um ano depois, estava a treinar o Portimonense. Em 1984 regressou às Antas. Na primeira época, foi campeão e venceu a Supertaça. Contava com Gomes, Futre, Frasco, Vermelhinho e Jaime Magalhães, entre outros. No ano seguinte, já com Madjer, voltou a ser campeão. A glória maior viria em 1986-1987. Venceu a supertaça portuguesa e, no fim da época, venceu a Liga dos Campeões, na mítica final de Viena, ante do Bayern, claro favorito. O calcanhar de Madjer e Juary coroaram a noite.

Seguiu-se a primeira aventura francesa. Juntou-se ao Matra Racing, de Paris, que contava com Enzo Francescoli, Pierre Littbarski ou Luis Fernandez. Duas épocas depois, regressou ao FCP, para mais 3 épocas, vencendo mais um campeonato, taça e supertaça, apanhando Kostadinov, Domingos, Jorge Couto, Fernando Couto ou Vítor Baía. Foi selecionador nacional, brevemente

Regressou a Paris para orientar o PSG. De 1991 a 1994 a sua casa foi o Parc Des Princes. Em 1992-1993, venceu a Taça de França, num 3-0 ao Nantes de Makelele, Pedros ou Loko. Foi, ainda vice-campeão francês, ficando a 4 pontos do Marselha. Na Europa, chegou às meias-finais da Taça UEFA, caindo aos pés da Juventus, vencedora final. Na época seguinte, foi campeão. Lama, Roche, Ricardo Gomes, Raí, Valdo, Le Guen, Ginola e Weah eram algumas das estrelas ao seu dispor. Foi às “meias” da Taça das Taças, perdendo para o Arsenal, que venceu a prova.

Regressou a Portugal para treinar o Benfica, sem grande sucesso. Comandou a Suíça no Euro 1996; voltou a ser selecionador nacional e passou também sem deixar marca por Tenerife e Vitesse. Regressou ao PSG para mais um ano e mais um título, a supertaça, com uma equipa bem menos interessante do que a da sua primeira passagem. Venceu a liga saudita muito antes de estar na moda, salvou a Académica da descida e treinou os Camarões. Morreu um grande jogador e um grande treinador.

Mbappé no Real

Após várias falsas partidas

Francisco Chaveiro Reis
21
Fev24

Cópia de Design sem nome.png

A novela em torno de Mbappé, putativo futuro melhor jogador do mundo, estará a acabar. Ao que parece, o avançado francês vai mesmo deixar o PSG a custo zero e reforçar o Real Madrid, onde encontrará um novo desafio e o terceiro clube da carreira. Escreve-se que o 7 do PSG será apresentado em Madrid no verão. Daqui a pouco tempo, o Real contará com um ataque móvel de qualidade mundial, com Vini e Rodrygo a apoiarem Mbappé.

Aos 25 anos, já venceu um Mundial pela sua seleção, além de uma Liga das Nações e 14 títulos locais, 13 pelo PSG. É quase certo que vencerá, pelo menos, mais um antes de deixar Paris. Mas, dificilmente um jogador da Ligue 1 vence a Bola de Ouro e dificilmente Mbappé, após 9 épocas teria mais espaço para evoluir.

Resta esperar que não seja demasiado tarde e que o francês tenha em si a motivação para lutar por ser um dos melhores do mundo, ou mesmo o melhor. Acredito que assim será. Além do Real, também a Liga Espanhola, órfã de Messi e Ronaldo, voltará a ter uma grande figura mundial. Resta ver como pode o Barça responder a esta grande contratação. Certo é que só anúncio de Haaland como blaugrana poderia equilibrar os pratos, mas em crise financeira e a construir um novíssimo estádio é praticamente impossível ao Barcelona sonhar com tal jogada.

Equipamentos de recurso

Francisco Chaveiro Reis
20
Fev24

Cópia de Design sem nome (11).png

O Sporting apresentou ontem o seu quarto equipamento para a época 2023-2024, fazendo uma brincadeira com a famosa saga cinematográfica, Homens de Negro.

Cópia de Design sem nome (8).png

Foi estreado na vitória em Moreira de Cónegos e está longe de ser um jersey com um design arrojado ou diferente, mas em maré de vitórias, será por ser vestido por Gyokeres e companhia que ficará na história. O marketing do Sporting trabalhou bem o lançamento de uma camisola que parece ser de recurso. Há uns anos, nos tempos da Puma, aconteceu algo semelhante, por duas vezes, sem que essas camisolas, tenham sido sequer postas à venda.

Cópia de Design sem nome (10).png

Em 2010-2011, a Puma vestia (e bem) o Sporting e apresentou um bom equipamento principal e um muito interessante equipamento secundário, essencialmente a preto, mas com uma manga a verde, onde, a decalque, se via um leão rampante. Como quarta opção, atrás do Stromp, apareceu um equipamento branco, com pequenos pormenores a preto. Na época em que a final da Taça UEFA seria entre FC Porto e SC Braga, o Sporting jogou de branco apenas na Europa. Tanto quanto sei, este equipamento só foi usado num 1-1 ante do Rangers, em Glasgow e numa derrota na Bulgária. Abel, Polga, Evaldo, Pedro Mendes, Yannick Djaló ou Postiga eram alguns dos jogadores de então. O Sporting de Paulo Sérgio, que fez uma bela fase de grupos, ficou-se pelos 16avos da Liga Europa.

Cópia de Design sem nome (9).png

Em 2011-2012, mais dois belos equipamentos, o primeiro, com gola redonda e o segundo, quase todo branco, com pormenores a verde fluorescente. Além do Stromp, voltou a aparecer um “equipamento de recurso”, para jogar as provas da UEFA. Desta feita, a camisola passou a ser predominante preta.  Na estreia na Liga Europa, estreia do equipamento, no 0-2 em Zurique. Na 4.º jornada, o Sporting vestiu de preto, na derrota contra o Vaslui. O equipamento voltaria a jogo, em Varsóvia, num 2-2 para os 16avos. O Sporting de Sá Pinto só pararia nas meias. Também na liga a camisola foi usada por Van Wolswinkel, Capel ou Onyewu, por exemplo, na vitória em Vila do Conde.

Morreu Brehme

Campeão mundial em 1990

Francisco Chaveiro Reis
20
Fev24

Cópia de Design sem nome (7).png

Aos 63 anos, morreu Andreas Brehme, herói alemão no Mundial de 1990. Foi dele o único golo da final, ante da Argentina de Diego Armando Maradona, no Estádio Olímpico de Roma.

Andreas Brehme nasceu em Hamburgo e começou a jogar num clube local, o HSV Barmbek-Uhlenhorst. Seguiu-se o 1. FC Saarbrücken e, depois, o Kaiserslautern, clube que representou durante mais tempo, num total de 10 épocas. Após as 5 primeiras épocas no clube, mudou-se para Munique, onde passou 2 épocas e venceu os primeiros títulos: Bundesliga e Supertaça. Como muitos alemães da época, mudou-se para o Calcio, para 4 épocas no Inter, onde venceu uma Taça UEFA, uma Série A e uma Supertaça. Ainda passou um ano em Sagaroça antes de cumprir mais 5 anos no Kaiserslautern onde venceu uma Bundesliga, uma Taça e ainda uma 2. Bundesliga.

Pela Alemanha, o lateral esquerdo marcou 8 golos em 86 jogos, tendo jogado ainda nas camadas jovens pela Alemanha Ocidental. Esteve nos Mundiais de 1986, 1990 e 1994; nos Europeus de 1984, 1988 e 1992 e, ainda, nos Jogos Olímpicos de 1984.